Impressões

Homens e cabras

domingo, 5 de setembro de 2010 Texto de


Que­ro só re­co­men­dar aqui, sem mai­o­res de­lon­gas, o fil­me “Os ho­mens que en­ca­ra­vam ca­bras”. Pra mim, uma ex­ce­len­te pa­ró­dia de fil­mes de guer­ra. Ge­or­ge Clo­o­ney, Jeff Brid­ges, Ewan Mc­Gre­gor e Ke­vin Spa­cey es­tão óti­mos. E é in­crí­vel co­mo eles fa­zem com que o fil­me re­al­men­te pa­re­ça sé­rio. A his­tó­ria é nar­ra­da por Ewan Mc­Gre­gor, que in­ter­pre­ta Bob Wil­ton, um re­pór­ter sob for­te de­si­lu­são amo­ro­sa em bus­ca de al­go im­por­tan­te que o res­ga­te do lim­bo. Co­mo sem­pre, sua atu­a­ção é mui­to boa, mas Clo­o­ney es­tá es­pe­ta­cu­lar. Aliás, qual­quer dia vou es­cre­ver so­bre ato­res dos quais eu não gos­ta­va, mas que me con­quis­ta­ram com seus tra­ba­lhos.

Ve­jam a se­guir a crí­ti­ca pe­guei do si­te Ci­ne­ma com Ra­pa­du­ra.

“Os Ho­mens que En­ca­ra­vam Ca­bras” é inu­si­ta­do por na­tu­re­za. Des­de seu tí­tu­lo, até sua his­tó­ria – que lo­go no iní­cio já nos avi­sa con­ter mais ver­da­des do que pos­sa­mos ima­gi­nar –, o fil­me ti­ra sar­ro do “co­e­so” exér­ci­to ame­ri­ca­no com um hu­mor non­sen­se im­pla­cá­vel.

Tu­do co­me­ça com Bob Wil­ton, um jor­na­lis­ta que se en­con­tra de­si­lu­di­do após ter le­va­do um ca­no de sua ama­da. Pro­cu­ran­do al­go de va­lor pa­ra sua vi­da e sua car­rei­ra, até en­tão co­mum, o jo­vem de­ci­de par­tir pa­ra o Ori­en­te Mé­dio pa­ra co­brir os con­fli­tos que eclo­di­am por lá. É en­tão que co­nhe­ce Lyn Cas­sady, su­jei­to mui­to es­tra­nho do qual já ha­via ou­vi­do fa­lar. Ele su­pos­ta­men­te era um dos mem­bros mais des­ta­cá­veis de um trei­na­men­to se­cre­to do go­ver­no ame­ri­ca­no cha­ma­do Exér­ci­to da No­va Ter­ra, que con­di­ci­o­na­va seus ho­mens a se­rem “es­piões psí­qui­cos”, que po­di­am, com su­as men­tes, pa­rar o co­ra­ção de al­guns ani­mais ape­nas en­ca­ran­do os po­bres bi­chos, co­mo as ca­bras em ques­tão.

O jor­na­lis­ta, se­guin­do al­gu­mas pro­vas (as­pas de no­vo) “ir­re­fu­tá­veis” da ne­ces­si­da­de de acom­pa­nhar o in­di­ví­duo Cas­sady pe­lo de­ser­to, par­te em uma jor­na­da pa­ra sa­be-se lá on­de, se en­vol­ven­do en­tão em sé­ri­os pro­ble­mas. No en­tan­to, Wil­ton se mos­tra uma pe­ça fun­da­men­tal pa­ra es­te gru­po de des­mi­o­la­dos que lu­tam pa­ra res­ta­be­le­cer a ori­gem de sua fi­lo­so­fia: a paz, pois ma­tar os po­bres ani­mais era er­ra­do, mui­to er­ra­do.

O fil­me é di­ri­gi­do pe­lo ci­ne­as­ta Grant Hes­lov que, além de só­cio da pro­du­to­ra Smo­ke Hou­se (jun­ta­men­te com Ge­or­ge Clo­o­ney), tem tam­bém em seu cur­rí­cu­lo di­ver­sos pa­péis co­mo co­ad­ju­van­te, al­guns de­les em pro­du­ções bem du­vi­do­sas, co­mo ”O Es­cor­pião Rei”. Além da tri­lha so­no­ra ide­al, Hes­lov en­con­trou uma lin­gua­gem in­te­res­san­te pa­ra re­a­li­zar sua obra. Com um ro­tei­ro que não se le­va a sé­rio e que ser­ve mais pa­ra con­tar no pas­sa­do a ori­gem de to­da es­sa epo­peia, do que nos le­var a al­gum lu­gar no pre­sen­te, a tra­ma se se­gu­ra no hu­mor da ab­sur­da lou­cu­ra ame­ri­ca­na com su­as guer­ras mal ex­pli­ca­das e, prin­ci­pal­men­te, mal con­du­zi­das, po­den­do ge­rar coi­sas inex­pli­cá­veis co­mo ho­mens que en­ca­ram ca­bras e as ma­tam.

Ou­tro ra­zão da for­ça do lon­ga é seu elen­co de pri­mei­ra, que con­ta com gran­des no­mes do ci­ne­mão. Co­me­çan­do por Jeff Brid­ges, que in­ter­pre­ta o fun­da­dor do mo­vi­men­to se­cre­to Bill Djan­go. Co­mo sem­pre, o ator en­con­tra o tom cer­to pa­ra es­se sol­da­do hip­pie que tem sua epi­fa­nia – en­vol­ven­do men­tes que po­dem pro­du­zir paz- após ser ba­le­a­do no Vi­et­nã, quan­do um es­qua­drão to­do se re­cu­sa a ati­rar em um vi­et­con­gue so­li­tá­rio em­pu­nhan­do sua ar­ma. Es­te ato in­cons­ci­en­te foi um si­nal pa­ra o sol­da­do, que após anos de la­bo­ra­tó­rio (e mui­tas dro­gas), vol­tou pa­ra li­de­rar seus guer­rei­ros Je­dis, co­mo eles mes­mos se au­to-in­ti­tu­la­vam.

Já Ewan Mc­Gre­gor (Je­di Obi-Wan de car­tei­ra as­si­na­da) in­ter­pre­ta o mo­len­ga Bob Wil­ton. Usan­do de sua ca­ra de bom mo­ço e um hu­mor de qua­li­da­de, o ator es­co­cês se­gu­ra as pon­tas co­mo um dos pro­ta­go­nis­tas. Co­mo vi­lão do fil­me te­mos Ke­vin Spa­cey na pe­le do in­te­li­gen­te, mas pou­co li­be­ral Lar­ry Ho­o­per. Fa­zen­do de tu­do pa­ra atra­pa­lhar os pla­nos utó­pi­cos do Exer­ci­to da No­va Ter­ra, o sol­da­do usa de ar­ti­fí­ci­os cruéis e hi­lá­ri­os (res­sal­tan­do a ve­lha fra­se: “Se­ria cô­mi­co se­não fos­se trá­gi­co”).

Mas com cer­te­za o des­ta­que é de Ge­or­ge Clo­o­ney co­mo o “Skywal­ker” Lyn Cas­sady. To­da a se­ri­e­da­de do ator traz um ar pi­to­res­co pa­ra seu per­so­na­gem, além dos ca­be­los cum­pri­dos do pas­sa­do e do bi­go­de do pre­sen­te. Re­me­ten­do de uma for­ma pa­ra­le­la, mas não dis­tan­te, seu per­so­na­gem Eve­rett do fil­me “E Aí, Meu Ir­mão, Ca­dê Vo­cê?” dos ir­mãos Co­en, Clo­o­ney se mos­tra per­fei­to pa­ra co­mé­di­as que fler­tam com o pas­te­lão. En­tre os co­ad­ju­van­tes, des­ta­que pa­ra o sem­pre mal­di­to Ro­bert Pa­trick (eter­no T-1000) e pa­ra Stephen Lang, vi­lão re­cen­te do su­ces­so de bi­lhe­te­ri­as “Ava­tar”, que aqui faz o bo­ba­lhão Bri­ga­dei­ro-Ge­ne­ral De­an Hop­go­od.

“Os Ho­mens que En­ca­ra­vam Ca­bras” traz um hu­mor di­fe­ren­ci­a­do que nos con­ta co­mo o exér­ci­to ame­ri­ca­no não con­se­gue apro­vei­tar bo­as idei­as, por mais ab­sur­das que elas pos­sam pa­re­cer. Sem mui­tas pre­ten­sões, o fil­me ex­plo­ra te­mas co­mo a guer­ra do Ira­que de for­ma me­nos con­tun­den­te do que es­pe­ra­va, mas di­ver­te com sua his­tó­ria ma­lu­ca. A obra co­mo um to­do tal­vez não fi­que na lem­bran­ça de mui­tos, mas ce­nas on­de ho­mens atra­ves­sam pa­re­des ao som de “Mo­re Than A Fe­e­ling” do Bos­ton, com cer­te­za en­tra­rá na men­te dos Je­dis que exis­tem por ai.

Pa­ra quem qui­ser aces­sar o si­te Ci­ne­ma com Ra­pa­du­ra, cli­que aqui

Compartilhe