Impressões

Livro - Lorde Jim

terça-feira, 7 de setembro de 2010 Texto de


Jo­seph Con­rad, au­tor de “Lor­de Jim” e de ou­tras obras-pri­mas

“As­sim de­sam­pa­ra­do, en­fren­tou o ven­to com tan­ta fir­me­za quan­to se es­ti­ves­se an­co­ra­do, e a mu­dan­ça de po­si­ção fez com que num ins­tan­te de­sa­pa­re­ces­sem to­das as su­as lu­zes à vis­ta do bo­te im­pe­li­do pe­la bor­ras­ca. As lu­zes, se os fu­gi­ti­vos as ti­ves­sem per­ce­bi­do, te­ri­am agi­do so­bre eles co­mo uma mu­da sú­pli­ca – seu cla­rão po­de­ria ter es­se mis­te­ri­o­so po­der do olhar hu­ma­no, que sa­be des­per­tar os sen­ti­men­tos de re­mor­so e pi­e­da­de. Elas te­ri­am di­to, as lu­zes: “Nós es­ta­mos aqui... ain­da aqui!”, e que mais po­de di­zer o olhar do mais aban­do­na­do dos ho­mens?”

O tre­cho aci­ma é de “Lor­de Jim”, um dos mais ex­tra­or­di­ná­ri­os li­vros da li­te­ra­tu­ra mun­di­al. Foi es­cri­to por Jo­seph Con­rad (1857-1924). Eu es­cre­vi aqui mes­mo no blog, nu­ma oca­sião pas­sa­da, o se­guin­te:

“Con­rad é au­tor de gran­des tí­tu­los, co­mo “O co­ra­ção das tre­vas” (que no ci­ne­ma vi­rou “Apo­calyp­se now”) e “Lor­de Jim”. Aliás, lan­ço aqui uma pi­ta­da de po­lê­mi­ca: ve­jo a gran­de mai­o­ria dos lei­to­res des­se bri­lhan­te es­cri­tor pre­fe­rir “O co­ra­ção das tre­vas”. Mas eu sou mais “Lor­de Jim”. Po­de ser al­go mui­to sub­je­ti­vo de mi­nha par­te, tal­vez. Mas acho o con­fli­to hu­ma­no des­cri­to em “Lor­de Jim” ar­re­ba­ta­dor.

“Pa­ra quem não sa­be, Jo­seph Con­rad nas­ceu na Ucrâ­nia, mas tem sua obra es­cri­ta em lín­gua in­gle­sa. Ele pas­sou gran­de par­te da vi­da tra­ba­lhan­do e vi­ven­do no mar. Foi daí que ti­rou a es­sên­cia de sua ma­ra­vi­lho­sa nar­ra­ti­va.”

Ho­je, re­co­men­do es­se li­vro. Di­fi­cil­men­te, al­guém se ar­re­pen­de­rá. O ro­man­ce nar­ra a his­tó­ria de um ofi­ci­al in­glês que res­pon­de a pro­ces­so sob acu­sa­ção de ter aban­do­na­do seu na­vio di­an­te de um imi­nen­te nau­frá­gio. Per­se­gui­do pe­la pró­pria cons­ci­ên­cia, ator­men­ta­do pe­lo ca­so, Jim pro­cu­ra dis­tan­ci­ar-se da hu­ma­ni­da­de e bus­ca, num lon­gín­quo pa­ra­dei­ro, a re­den­ção de sua dig­ni­da­de.

Con­rad mer­gu­lha num in­crí­vel ca­la­bou­ço psi­co­ló­gi­co em que re­tra­ta o re­mor­so e a com­ple­xa per­so­na­li­da­de de seu he­rói. O re­sul­ta­do é as­som­bro­so: o lei­tor de­pa­ra-se com uma nar­ra­ti­va que não se po­de aban­do­nar e que, co­mo as gran­des obras da li­te­ra­tu­ra, fi­ca mar­te­lan­do em sua men­te co­mo se fos­se um acon­te­ci­men­to de ago­ra há pou­co, e não uma fic­ção pu­bli­ca­da em 1900.

Compartilhe