Comodismo incômodo | Márcio ABC

Impressões

Comodismo incômodo

quinta-feira, 12 de agosto de 2010 Texto de

Às ve­zes te­nho me­do de mi­nhas opi­niões. Mas não me­do do que al­guém pos­sa pen­sar de­las ou mes­mo de ser mal in­ter­pre­ta­do. Por­que meus mai­o­res me­dos nes­se sen­ti­do são dos pen­sa­men­tos que ge­ral­men­te fi­cam só pa­ra meu con­su­mo in­ter­no. Das opi­niões que dou pa­ra meus pró­pri­os bo­tões.

E es­se me­do qua­se sem­pre é de exa­ge­rar, de me equi­vo­car, de in­ter­pre­tar mal, de ser pre­con­cei­tu­o­so, de não ver o que há por trás da fa­cha­da que cri­ti­quei ou con­de­nei.

Por exem­plo: eu acho que as pes­so­as es­tão mui­to aco­mo­da­das com a pos­si­bi­li­da­de de aces­so a fer­ra­men­tas fa­ci­li­ta­do­ras do nos­so co­ti­di­a­no, o que in­clui o apa­ra­to tec­no­ló­gi­co ca­da vez mais avan­ça­do. Se­rá que é um exa­ge­ro?

Ve­jam a in­ter­net: os usuá­ri­os es­tão ab­so­lu­ta­men­te en­tre­gues a ver­da­des que nem sem­pre são ver­da­des. Quan­do pre­ci­sam pes­qui­sar so­bre um as­sun­to, vão ao Go­o­gle e num se­gun­do têm na te­la o que pe­di­ram.

O ca­so é que nem sem­pre o re­sul­ta­do é cor­re­to. Mas acho que a gran­de mai­o­ria con­fia em tu­do o que é apre­sen­ta­do em seu com­pu­ta­dor. É qua­se co­mo uma re­li­gião em que os fiéis aco­mo­da­dos pre­fe­rem pe­dir a Deus a lu­tar por al­go que lhes se­ja bom. Os fiéis, tam­bém aqui, es­tão se trans­for­man­do em fa­ná­ti­cos.

Acon­te­ceu co­mi­go: eu que­ria sa­ber da au­to­ria de um tex­to que pre­ten­do usar num pro­je­to pes­so­al. Em qua­se to­das as mi­nhas pes­qui­sas na in­ter­net, deu Sha­kes­pe­a­re. Não sei por que, eu des­con­fi­ei. Di­go “não sei por que” por­que não sou ne­nhum es­pe­ci­a­lis­ta em Sha­kes­pe­a­re. E tam­bém por­que acho o tex­to ge­ni­al. Al­guém mais bem in­for­ma­do do que eu a es­se res­pei­to con­fir­mou mi­nhas sus­pei­tas: o tex­to é de ou­tro au­tor.

O co­mo­dis­mo das pes­so­as di­an­te da in­ter­net é uma gran­de ame­a­ça. Ver­da­des vi­ram men­ti­ras. E men­ti­ras pas­sam a ser ver­da­des – não sei o que po­de ser pi­or.

E co­mo ge­ra­ções de se­res hu­ma­nos es­tão sen­do cri­a­das na fren­te da in­ter­net, pa­re­ce-me que es­sa on­da de co­mo­dis­mo incô­mo­do es­tá se ex­pan­din­do. Ou­tro dia, fui pa­gar por al­go. A con­ta da­va 13 re­ais. Dei uma no­ta de vin­te. De­pois de me per­gun­tar se eu não ti­nha 3 re­ais pa­ra fa­ci­li­tar o tro­co, a mo­ça do cai­xa re­cor­reu à cal­cu­la­do­ra pa­ra con­cluir que me de­via 7 re­ais.

Às ve­zes te­nho me­do de mi­nhas opi­niões. Mas tam­bém dos re­tro­ces­sos que po­dem es­tar por trás dos avan­ços.

Compartilhe