Colaboradores

Viva a Catalunha!

sexta-feira, 30 de julho de 2010 Texto de


Pro­tes­to em Pam­plo­na, Es­pa­nha, con­tra o mas­sa­cre dos tou­ros na Cor­ri­da de San Fer­mín, em ju­lho

Ima­gi­no o quan­to se­ja di­fí­cil pa­ra um po­vo acei­tar que se aca­be ra­di­cal­men­te um da­do cul­tu­ral tão en­tra­nha­do em sua his­tó­ria, co­mo são as tou­ra­das pa­ra os es­pa­nhóis. Por is­so, mi­nha so­li­da­ri­e­da­de à co­ra­gem da autô­no­ma Ca­ta­lu­nha, ten­tan­do fa­zer va­ler a proi­bi­ção das tou­ra­das em su­as ter­ras a par­tir de 2012. Da­qui, do ou­tro la­do do Atlân­ti­co, en­vio aos ca­ta­lães meu to­tal apoio e mi­nha ad­mi­ra­ção.

Um dia, quem sa­be, to­da a Es­pa­nha tam­bém acor­da­rá pa­ra o que uma cor­ri­da de to­ros re­pre­sen­ta. Não é uma lu­ta le­al en­tre ho­mem e ani­mal pe­lo ali­men­to ou pa­ra pro­te­ger as res­pec­ti­vas ni­nha­das. É a mor­te anun­ci­a­da des­de o mo­men­to em que se abrem as por­tas da pra­ça. O ob­je­ti­vo do em­ba­te é a mor­te do tou­ro, não sem an­tes o tou­rei­ro es­go­tá-lo, es­pe­tá-lo, fe­ri-lo e san­grá-lo até a mor­te, sob o in­cen­ti­vo e os aplau­sos da pla­teia. E não sa­tis­fei­tos com is­so, os fa­ná­ti­cos es­pec­ta­do­res ain­da pe­dem a ore­lha ou a cau­da do ani­mal co­mo sou­ve­nir do “gran­de fei­to” do tou­rei­ro, o he­rói da fes­ta.

Vi­va a Ca­ta­lu­nha, que, co­mo sem­pre, par­te na fren­te do res­to da Es­pa­nha, da qual faz ques­tão de ser autô­no­ma, e ten­ta ba­nir de su­as ter­ras uma bar­bá­rie tra­ves­ti­da de fes­ta na­ci­o­nal.

Ins­pi­ra­da nes­sa ati­tu­de, a Es­pa­nha po­de­ria re­pen­sar sua fa­tí­di­ca Cor­ri­da de San Fer­mín, quan­do anu­al­men­te, em ju­lho, tou­ros são sol­tos pe­las ru­as de Pam­plo­na, que dis­pa­ram as­sus­ta­dos en­quan­to são sur­ra­dos, seus ra­bos pu­xa­dos e mal­tra­ta­dos pe­los que ali es­tão ape­nas pa­ra is­so. E tu­do vis­to co­mo di­ver­são. Fe­liz­men­te, nem to­dos em Pam­plo­na pen­sam as­sim, e há al­guns anos al­gu­mas as­so­ci­a­ções de pro­te­ção aos ani­mais vêm se ma­ni­fes­tan­do pe­la abo­li­ção des­sa tra­di­ção de mau gos­to e de cru­el­da­de ex­plí­ci­ta.

No mes­mo pa­co­te, nos­sos ca­ta­ri­nen­ses lú­ci­dos po­de­ri­am con­ti­nu­ar seu apoio à Lei Fe­de­ral nº 9.605, de 1998, que proí­be uma es­tu­pi­dez se­me­lhan­te, cha­ma­da Far­ra do Boi. Du­ran­te a Far­ra, os ani­mais tam­bém são sol­tos pe­las ru­as pa­ra se­rem pro­vo­ca­dos, es­pan­ca­dos e até in­cen­di­a­dos, tor­tu­ra­dos de to­das as ma­nei­ras que o ser hu­ma­no sa­be tão bem ima­gi­nar e pôr em prá­ti­ca, mos­tran­do às su­as cri­an­ças o que se faz com ani­mais in­de­fe­sos.

Os “far­ris­tas” – a fa­vor da con­ti­nui­da­de – ten­tam a to­do cus­to re­vi­ver a ma­ni­fes­ta­ção, que em al­guns lo­cais ain­da per­sis­te, sob as vis­tas gros­sas de quem po­de­ria im­pe­dir. Co­mo es­sa ma­ni­fes­ta­ção já é uma tra­di­ção há 200 anos, os de­fen­so­res da bar­bá­rie ar­gu­men­tam que não se eli­mi­nam tra­di­ções por de­cre­to ou re­pres­são.

É ver­da­de, mas lei, de­cre­to e si­mi­la­res po­dem ser um pri­mei­ro pas­so. A Ca­ta­lu­nha deu o seu, que San­ta Ca­ta­ri­na já ti­nha da­do, e não se po­de pre­ver até on­de vão es­ses pas­sos. Mas eles mos­tra­ram a ca­ra e vão en­fren­tar a re­sis­tên­cia a es­se ti­po de bar­ba­ris­mo pri­mi­ti­vo, que al­guns ain­da in­sis­tem em pre­ser­var com o no­me de tra­di­ção.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe