Impressões

O velho e o mar

sábado, 24 de julho de 2010 Texto de

Ca­pa do li­vro edi­ta­do pe­la Ber­trand Bra­sil

Nel­son Ro­dri­gues ti­nha uma re­cei­ta pe­cu­li­ar a res­pei­to dos li­vros: ler pou­cos e mui­to. Ou se­ja, pa­ra ele, era pre­ci­so re­ler mui­tas ve­zes os mes­mos li­vros. Já es­cre­vi aqui no blog que não con­cor­do, mas se eu ti­ves­se de es­co­lher al­guns li­vros pa­ra se­guir a re­cei­ta, um de­les se­ria, sem dú­vi­da, “O ve­lho e o mar”.

Aca­bo de re­ler a ma­ra­vi­lho­sa obra de Er­nest He­mingway (edi­ção da Ber­trand Bra­sil que ga­nhei da mi­nha se­gun­da mãe – do­na Ri­ta).

Uma das ci­ta­ções da ore­lha (do es­cri­tor e crí­ti­co Cy­ril Con­nolly, que mor­reu na dé­ca­da de 1970) diz as­sim: “... Com­pre o li­vro, leia-o ime­di­a­ta­men­te, dei­xe pas­sar al­guns di­as, leia-o no­va­men­te, e irá ve­ri­fi­car que ne­nhu­ma pá­gi­na des­ta be­la obra-pri­ma po­de­ria ter si­do es­cri­ta me­lhor ou de for­ma di­fe­ren­te.”

A ob­ser­va­ção é de uma fe­li­ci­da­de ím­par.

O li­vro, que co­la­bo­rou mui­to pa­ra que He­mingway con­quis­tas­se o Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra em 1954, é da­que­les tex­tos que pa­re­cem pe­ne­trar em nos­sos po­ros de mo­do a nos fa­zer sen­tir o chei­ro do mar, o chei­ro de praia de pes­ca­do­res, o chei­ro de res­tos de pei­xes e de uma na­tu­re­za que, a des­pei­to de nos­so des­pre­zo, vi­ve ge­ne­ro­sa­men­te em nos­so âma­go.

O em­ba­te do ve­lho San­ti­a­go com o ina­cre­di­tá­vel pei­xe que ele con­se­gue fis­gar e com a fal­ta de sor­te que o per­se­gue há qua­se três me­ses é o em­ba­te que tra­va­mos to­dos os di­as com nos­sos me­dos e in­cer­te­zas, é a per­so­ni­fi­ca­ção da es­pe­ran­ça ca­paz de nos mo­ver adi­an­te qual­quer que se­ja a cir­cuns­tân­cia.

A re­la­ção do ve­lho San­ti­a­go com o me­ni­no que o aju­da e o ad­mi­ra é a cer­te­za de que o ho­mem po­de mais. Mui­to mais.

He­mingway, o au­tor da obra-pri­ma de 1952

Compartilhe