UM LIVRO ESCLARECEDOR
Ludwig Boi­tus: Stelzvö­gel, Go­tin­ga, 1972

Fer­nan­do Sor­ren­ti­no

No con­ci­so pró­lo­go des­sa obra, o pro­fes­sor Franz Klamm nos in­for­ma que o Dr. Ludwig Boi­tus vi­a­jou de Go­tin­ga a Hu­ayl­lén-Naquén com o ex­clu­si­vo pro­pó­si­to de es­tu­dar in lo­co o po­der de atra­ção sim­bió­ti­ca des­sas aves per­nal­tas po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­das co­mo ca­legüi­nas, de­no­mi­na­ção qua­se una­ni­me­men­te acei­ta na bi­bli­o­gra­fia es­pe­ci­a­li­za­da em es­pa­nhol.

Es­sa obra vem pre­en­cher um sen­sí­vel va­zio so­bre o te­ma. An­tes das exaus­ti­vas in­ves­ti­ga­ções do Dr. Boi­tus – cu­ja ex­po­si­ção ocu­pa qua­se um ter­ço do vo­lu­me –, pou­co se sa­bia ci­en­ti­fi­ca­men­te so­bre as ca­legüi­nas. De fa­to, sal­vo os frag­men­ta­dos e as­sis­te­má­ti­cos - e, ge­ral­men­te, po­vo­a­dos de afir­ma­ções fan­ta­si­o­sas ou di­fi­cil­men­te com­pro­vá­veis – es­tu­dos de Bu­lo­vic, de Bal­bón, de Lau­ren­ce­na e ou­tros, fa­zia-se ne­ces­sá­ria, até a da­ta, uma fi­de­dig­na fun­da­men­ta­ção ci­en­tí­fi­ca que per­mi­tis­se in­da­ga­ções mais pro­fun­das.

Nes­se tra­ba­lho, o Dr. Boi­tus par­te da pre­mis­sa - tal­vez ques­ti­o­ná­vel - de que a ca­rac­te­rís­ti­ca pre­do­mi­nan­te das ca­legüi­nas é uma per­so­na­li­da­de po­de­ro­sís­si­ma (en­ten­den­do-se per­so­na­li­da­de no sen­ti­do em­pre­ga­do por Fox e sua es­co­la): a tal pon­to po­de­ro­sa, que, por sua sim­ples pre­sen­ça, as ca­legüi­nas pro­vo­cam nos de­mais se­res vi­vos uma sim­bi­o­se bas­tan­te pro­fun­da à sua pró­pria con­di­ção.

Es­sas aves são en­con­tra­das ex­clu­si­va­men­te na la­goa de Hu­ayl­lén-Naquén. Seu nú­me­ro é mui­to ele­va­do e tal­vez su­pe­re um mi­lhão de exem­pla­res, pois sua ca­ça es­tá proi­bi­da, sua car­ne não é co­mes­tí­vel e su­as pe­nas não têm va­lor co­mer­ci­al. Co­mo é co­mum às aves per­nal­tas, ali­men­tam-se de pei­xes, ba­trá­qui­os, lar­vas de mos­qui­tos e ou­tros in­se­tos.

Em­bo­ra pro­vi­das de asas bem de­sen­vol­vi­das, ra­ra­men­te vo­am e, quan­do o fa­zem, ja­mais ul­tra­pas­sam os li­mi­tes da la­goa. São um pou­co mai­o­res que as ce­go­nhas, mas ao con­trá­rio des­tas, não têm há­bi­tos mi­gra­tó­ri­os. O dor­so e as asas são ne­gros, che­gan­do a ser azuis; a ca­be­ça, o pei­to e o ven­tre, de um bran­co ama­re­la­do; as pa­tas, de um ama­re­lo pá­li­do.

Seu ha­bi­tat, a la­goa de Hu­ayl­lén-Naquén, é de pou­ca pro­fun­di­da­de, mas bem ex­ten­sa. Co­mo – ape­sar das rei­te­ra­das so­li­ci­ta­ções nes­te sen­ti­do – não há pon­tes so­bre ela, os ha­bi­tan­tes do lo­cal se vêem obri­ga­dos a dar uma gran­de vol­ta pa­ra al­can­çar a ou­tra mar­gem, o que tem pro­vo­ca­do, além de con­tí­nu­as quei­xas do úni­co jor­nal lo­cal, que a co­mu­ni­ca­ção en­tre as du­as mar­gens se­ja pou­co freqüen­te.

Cla­ro que, apa­ren­te­men­te, com mais ra­pi­dez e fa­ci­li­da­de po­de­ri­am atra­ves­sar a la­goa com a sim­ples uti­li­za­ção de per­nas-de-pau e até sem es­tas, já que em seu lo­cal mais pro­fun­do a água não ul­tra­pas­sa o ní­vel da cin­tu­ra de um ho­mem de es­ta­tu­ra me­di­a­na. Mas co­mo – mes­mo de um mo­do tal­vez in­tui­ti­vo – os ha­bi­tan­tes co­nhe­cem o po­der sim­bió­ti­co das ca­legüi­nas, o fa­to é que pre­fe­rem não ten­tar a tra­ves­sia e op­tam, co­mo já men­ci­o­na­do, por ro­de­ar a la­goa que, por sua vez, é cer­ca­da por um ex­ce­len­te ca­mi­nho as­fal­ta­do.

Es­ta cir­cuns­tân­cia, en­tre­tan­to, não im­pe­de, e tal­vez até fa­vo­re­ça – e is­so se po­de jus­ti­fi­car, em vir­tu­de dos pou­cos re­cur­sos de sub­sis­tên­cia ofe­re­ci­dos pe­la re­gião – que o alu­guel de per­nas-de-pau pa­ra os tu­ris­tas se­ja o ne­gó­cio mais ren­tá­vel de Hu­ayl­lén-Naquén. A fal­ta de uma con­cor­rên­cia sé­ria e a ine­xis­tên­cia de nor­mas ofi­ci­ais a es­se res­pei­to têm fei­to com que o pre­ço do alu­guel das per­nas-de-pau se­ja, evi­den­te­men­te, mui­to ele­va­do, ape­sar de, sem dú­vi­da, tal exor­bi­tân­cia ser a úni­ca saí­da pa­ra os co­mer­ci­an­tes se res­sar­ci­rem de sua ine­vi­tá­vel per­da.

O que exis­te é uma lei da pro­vín­cia cu­jo al­can­ce, bas­tan­te li­mi­ta­do, exi­ge que nos lo­cais on­de se alu­gam per­nas-de-pau ha­ja, bem vi­sí­vel e com le­tras gar­ra­fais, um car­taz com a ad­ver­tên­cia de que seu uso po­de pro­vo­car al­te­ra­ções psi­cos­so­má­ti­cas de cer­ta gra­vi­da­de nos usuá­ri­os.

Em ge­ral, os tu­ris­tas pre­fe­rem des­co­nhe­cer tal avi­so e até rir-se de­le, se bem que não se po­de as­se­gu­rar que to­dos o lei­am, mes­mo quan­do é ine­gá­vel que os co­mer­ci­an­tes cum­pri­ram ri­go­ro­sa­men­te a exi­gên­cia de exi­bir o car­taz em lu­gar bem vi­sí­vel, e sa­be-se que as au­to­ri­da­des são in­fle­xí­veis quan­to a es­se as­pec­to, em­bo­ra se­ja pou­co freqüen­te a fis­ca­li­za­ção, sem­pre pre­ce­di­da de um avi­so, ape­sar de es­te cos­tu­mar che­gar pou­cos mi­nu­tos an­tes do fis­cal que, en­tre­tan­to, cum­pre fi­el­men­te sua ta­re­fa, se bem que não se co­nhe­çam ca­sos em que al­gum co­mer­ci­an­te te­nha si­do mul­ta­do.

Já de pos­se de su­as per­nas-de-pau, os tu­ris­tas, so­zi­nhos, em pa­res, ou em ale­gres e rui­do­sos gru­pos de três, cin­co ou dez pes­so­as, se in­ter­nam na la­goa de Hu­ayl­lén-Naquén, com o pro­pó­si­to de al­can­çar o po­vo­a­do da mar­gem opos­ta, on­de po­dem ad­qui­rir, a pre­ços re­du­zi­dís­si­mos, exó­ti­cos pei­xes em con­ser­va, cu­ja ven­da cons­ti­tui o prin­ci­pal meio de vi­da des­sa po­pu­la­ção ri­bei­ri­nha.

Du­ran­te os pri­mei­ros du­zen­tos ou tre­zen­tos me­tros, os tu­ris­tas avan­çam ju­bi­lo­sos, tro­can­do brin­ca­dei­ras en­tre eles e es­pan­tan­do, com seus gri­tos e ri­sa­das, as ca­legüi­nas que, co­mo to­das as aves per­nal­tas, são ex­tre­ma­men­te as­sus­ta­di­ças. Mas, à me­di­da que se in­ter­nam ca­da vez mais na la­goa, su­as ma­ni­fes­ta­ções de ale­gria e exul­ta­ção tor­nam-se mais tê­nu­es, ao mes­mo tem­po em que au­men­ta a den­si­da­de de ca­legüi­nas por me­tro qua­dra­do.

Ago­ra são tan­tas e tan­tas, que só com mui­ta di­fi­cul­da­de os tu­ris­tas con­se­guem abrir ca­mi­nho en­tre elas. Por ou­tro la­do, pa­re­ce que, pro­te­gi­das por seu gran­de nú­me­ro, elas per­dem qual­quer te­mor, em­bo­ra a ra­zão de sua qui­e­tu­de tal­vez pos­sa ser en­con­tra­da na im­pos­si­bi­li­da­de con­cre­ta de se mo­ve­rem. Se­ja por que mo­ti­vo for, o cer­to é que os gri­tos já não são su­fi­ci­en­tes pa­ra afas­tá-las, de mo­do que é mis­ter re­cor­rer a pau­la­das ou ta­pas e, mes­mo as­sim, é pou­co o es­pa­ço ce­di­do pe­las ca­legüi­nas.

É nes­te mo­men­to que, em ge­ral, os tu­ris­tas se ca­lam: já não há brin­ca­dei­ras nem ri­sa­das. En­tão – e só en­tão - per­ce­bem um pe­sa­do mur­mú­rio que co­bre a la­goa to­da e que nas­ce de mi­lha­res de gar­gan­tas de mi­lha­res de ca­legüi­nas. Em re­la­ção ao tim­bre, tal mur­mú­rio não é mui­to di­fe­ren­te do que cos­tu­mam emi­tir os pom­bos, só que de mui­to mai­or in­ten­si­da­de.

Pe­ne­tra, as­sim, nos ou­vi­dos e nos cé­re­bros dos tu­ris­tas tão pro­fun­da­men­te, que qua­se che­ga a fa­zer par­te de­les, até o pon­to em que, pou­co a pou­co, tam­bém os tu­ris­tas co­me­çam a emi­tir o mes­mo som: no iní­cio, de um mo­do evi­den­te­men­te bas­tan­te im­per­fei­to, mas lo­go já se tor­na im­pos­sí­vel dis­tin­guir en­tre a voz dos hu­ma­nos e a das ca­legüi­nas.

Qua­se si­mul­ta­ne­a­men­te, os tu­ris­tas per­ce­bem, com uma sen­sa­ção in­ter­na de as­fi­xia, que, até on­de o olhar al­can­ça, tu­do são ca­legüi­nas: já não po­dem dis­tin­guir a ter­ra fir­me nem a água da la­goa. À sua fren­te e atrás, à di­rei­ta e à es­quer­da, vis­lum­bram um con­tí­nuo e mo­nó­to­no de­ser­to, em bran­co e em pre­to, de asas, bi­cos, pa­tas e pe­nas.

Às ve­zes, so­bre­tu­do quan­do o gru­po de tu­ris­tas é nu­me­ro­so, cos­tu­ma ha­ver en­tre eles um mais lú­ci­do ou me­nos exal­ta­do, que in­tui a con­ve­ni­ên­cia de re­gres­sar, de­sis­tin­do do pro­je­to de ad­qui­rir a pre­ços re­du­zi­dos os ra­ros pei­xes em con­ser­va ven­di­dos na mar­gem opos­ta. Mar­gem opos­ta: mas qual é a mar­gem opos­ta? Co­mo vol­tar, se já per­de­ram to­da no­ção so­bre de on­de vêm e pa­ra on­de vão? Co­mo vol­tar se, com efei­to, já não há pon­tos de re­fe­rên­cia, se tu­do, em pre­to e em bran­co, é um con­tí­nuo e mo­nó­to­no de­ser­to de asas, bi­cos, pa­tas e pe­nas? E olhos: dois mi­lhões de olhos que pis­cam inex­pres­si­va­men­te.

Ape­sar da evi­dên­cia de que já não é mais pos­sí­vel vol­tar atrás, aque­le tu­ris­ta mais lú­ci­do ou me­nos exal­ta­do di­ri­ge-se a seus com­pa­nhei­ros e pa­te­ti­ca­men­te lhes diz: “Ami­gos! Vol­te­mos por on­de vi­e­mos!”. Mas seus com­pa­nhei­ros já não en­ten­dem seus es­tri­den­tes gras­na­dos, tão di­fe­ren­tes do mur­mú­rio an­te­ri­or. E, ape­sar de eles tam­bém res­pon­de­rem com gras­na­dos, ain­da têm cons­ci­ên­cia de que con­ti­nu­am sen­do hu­ma­nos.

O me­do to­ma con­ta de­les, já não po­dem ra­ci­o­ci­nar com cla­re­za e to­dos que­rem fa­lar ao mes­mo tem­po. O co­ro de gras­na­dos é inin­te­li­gí­vel, não con­se­guem se en­ten­der e, em­bo­ra quei­ram, não po­dem avi­sar uns aos ou­tros que to­dos já são ca­legüi­nas. As ou­tras ca­legüi­nas, as mais an­ti­gas da­que­la co­mu­ni­da­de, que até en­tão ha­vi­am per­ma­ne­ci­do no si­lên­cio in­di­fe­ren­te do es­pec­ta­dor que co­nhe­ce a tra­ma, ir­rom­pem to­das jun­tas, elas tam­bém, a gras­nar agu­da­men­te, com to­das as su­as for­ças.

É um gras­nar ge­ral, uma ex­plo­são de triun­fo e de con­quis­ta que, par­tin­do des­se pri­mei­ro e es­trei­to cír­cu­lo, es­ten­de-se rá­pi­da e tem­pes­tu­o­sa­men­te por to­da a lar­gu­ra e ex­ten­são de Hu­ayl­lén-Naquén, até ul­tra­pas­sar seus li­mi­tes e al­can­çar as ca­sas mais afas­ta­das do vi­la­re­jo. Os ha­bi­tan­tes ta­pam os ou­vi­dos com os de­dos e sor­ri­em. Por sor­te, a al­ga­zar­ra não du­ra mais do que cin­co mi­nu­tos e, so­men­te quan­do ces­sa com­ple­ta­men­te, os co­mer­ci­an­tes do lu­gar co­me­çam a fa­bri­car tan­tos pa­res de no­vas per­nas-de-pau quan­tos fo­ram os tu­ris­tas que se in­ter­na­ram na la­goa.

Tra­du­ção de Ana Flo­res
[De El me­jor de los mun­dos po­si­bles, Bu­e­nos Ai­res, Edi­to­ri­al Plus Ul­tra, 1976]

Compartilhe