Honra e consciência | Márcio ABC

Impressões

Honra e consciência

terça-feira, 6 de julho de 2010 Texto de

Hon­ra uru­guaia

Se hou­ves­se a pos­si­bi­li­da­de de al­guém cair em pé, co­mo mui­tas ve­zes se dis­se a res­pei­to de quem per­de com hon­ra, es­te al­guém, ho­je, te­ria si­do o Uru­guai.

Sem a me­lhor téc­ni­ca, que é da Ho­lan­da, que era fa­vo­ri­ta na se­mi, que não se­rá fa­vo­ri­ta na fi­nal qual­quer que se­ja seu ad­ver­sá­rio, os uru­guai­os hon­ra­ram a ca­mi­sa. Hon­ra­ram a Amé­ri­ca do Sul. E po­de­ri­am até ter ven­ci­do. Qua­se vi­rou o jo­go e, na vi­ra­da ho­lan­de­sa, hou­ve gol ir­re­gu­lar.

En­fim, co­mo os uru­guai­os, es­tou sa­tis­fei­to com a ve­lha ce­les­te olím­pi­ca. Co­mo de­ve ser bom es­tar sa­tis­fei­to com sua se­le­ção!

Cons­ci­ên­cia, avan­te!

Pa­ra o Bra­sil, a Co­pa aca­bou. Pa­ra quem gos­ta de fu­te­bol, só aca­ba mes­mo do­min­go. De­pois, da mes­ma ma­nei­ra que a na­ção se reu­niu pa­ra tor­cer, da mes­ma ma­nei­ra que a na­ção so­nhou, se­ria bom a na­ção agir.

Co­pa do Mun­do é uma gran­de fes­ta do es­por­te mun­di­al. E, no fun­do, uma gran­de fes­ta cí­vi­ca. Ve­jam a mo­bi­li­za­ção das po­pu­la­ções dos paí­ses par­ti­ci­pan­tes. É al­go to­can­te. Co­mo já es­cre­vi aqui, ao me­nos no Bra­sil não há na­da pa­re­ci­do. E as­sim tam­bém é em vá­ri­os ou­tros paí­ses.

O ca­so é que a Co­pa aca­ba e a vi­da se­gue. A in­ter­fe­rên­cia da Co­pa em nos­sas vi­das é ape­nas mo­men­tâ­nea. Cau­sa frus­tra­ção ou ale­gria. E, in­de­pen­den­te­men­te de um ou ou­tro es­ta­do de es­pí­ri­to, va­mos adi­an­te.

O mes­mo não se po­de di­zer das elei­ções. Já dis­se­ram mui­tas ve­zes: co­mo se­ria bom se o bra­si­lei­ro des­se às elei­ções a mes­ma aten­ção que dá à Co­pa. Com to­da a cer­te­za, a po­lí­ti­ca na­ci­o­nal es­ta­ria me­lhor. As­sim co­mo o fu­te­bol es­tá.

A se­le­ção bra­si­lei­ra era ti­da, até me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do, co­mo do­na da sín­dro­me do ca­chor­ro vi­ra-la­ta. Abai­xa­va a ca­be­ça di­an­te de sua “re­les in­sig­ni­fi­cân­cia”. Ama­re­la­va li­te­ral­men­te. Mas, afi­nal, es­ta­mos no país do fu­te­bol. E as­sim a pres­são po­pu­lar, as pre­o­cu­pa­ções com a ne­ces­si­da­de de se me­lho­rar nos­so fu­te­bol, as ações pa­ra me­lho­rar nos­so fu­te­bol, tu­do is­so sur­tiu efei­to. Em 52 anos (de 1958 a 2010), o Bra­sil le­van­tou cin­co ta­ças. Ini­gua­lá­vel!

Já a po­lí­ti­ca fi­cou pa­ra trás. É, em sín­te­se, é na es­sên­cia, a mes­ma po­lí­ti­ca do sé­cu­lo pas­sa­do. Mo­der­ni­za­da, é ver­da­de. Mo­der­ni­za­ram o mo­do de lu­di­bri­ar a po­pu­la­ção.

Mas, ver­da­de doí­da es­ta, so­mos nós, nós po­pu­la­ção, os ver­da­dei­ros cul­pa­dos. Por que não da­mos às elei­ções a mes­ma aten­ção que da­mos à Co­pa? Por que não olha­mos pa­ra a ur­na ele­trô­ni­ca co­mo olha­mos pa­ra uma bo­la de fu­te­bol?

É ho­ra de um no­vo jo­go. O jo­go da cons­ci­ên­cia.

Compartilhe