Crônicas

Modernos

terça-feira, 4 de Maio de 2010 Texto de

Mo­der­no 1

De­fi­ni­ti­va­men­te, não sou da­que­les que vi­vem com­pa­ran­do o pas­sa­do ao pre­sen­te pa­ra fa­lar dos “bons tem­pos”. Acho per­fei­ta­men­te pos­sí­vel, mes­mo pa­ra quem não ti­ra um pé das coi­sas de an­ti­ga­men­te, en­cai­xar os “bons tem­pos” aos “tem­pos mo­der­nos”.

Mas uma coi­sa é cer­ta: é pre­ci­so que o mo­der­no se­ja efi­ci­en­te, o que não ocor­re com frequên­cia. Exem­plo: ao com­prar um mó­vel ho­je, vo­cê pas­sa por um ver­da­dei­ro cal­vá­rio até que pos­sa fa­zer uso do pro­du­to. Na lo­ja, tu­do pa­re­ce sim­ples e fá­cil. Mas não é bem as­sim.

Vo­cê com­pra e os ca­ras vão en­tre­gar em “até cin­co di­as úteis”. Com jei­ti­nho, dá pa­ra acer­tar uma da­ta que não atra­pa­lhe mui­to seu co­ti­di­a­no. Mas não tem ho­ra. Tem pe­río­do. É das tan­tas às tan­tas. Vo­cê, por fa­vor, de­ve aguar­dar no lo­cal in­di­ca­do.

Che­gou o mó­vel. Os en­tre­ga­do­res o le­vam até sua re­si­dên­cia. E dei­xam tu­do ar­ru­ma­di­nho lá: den­tro da cai­xa. Aí, vem o se­gun­do tem­po da en­cren­ca. Os mon­ta­do­res vão li­gar pra vo­cê. Mais cin­co di­as úteis.

Às ve­zes, não li­gam. Vo­cê, en­tão, te­le­fo­na pa­ra a lo­ja e se quei­xa. Da­li a pou­co, vem a res­pos­ta. O mon­ta­dor po­de ir tal dia, das tan­tas às tan­tas. Lá vai vo­cê es­pe­rá-los. De­pois de tu­do mon­ta­do, vo­cê faz as con­tas e per­ce­be que le­vou dez di­as pa­ra po­der usar o pro­du­to. Não é in­crí­vel?

Meu pri­mei­ro em­pre­go com car­tei­ra as­si­na­da foi nu­ma lo­ja de mó­veis. O cli­en­te com­pra­va de ma­nhã e re­ce­bia tu­do à tar­de, e já mon­ta­do, em ca­sa. Eu po­de­ria di­zer que eram “bons tem­pos”, mas não di­go. Por­que não dá pa­ra com­pa­rar épo­cas.

Ho­je, di­an­te do cres­ci­men­to do con­su­mo e das pró­pri­as ne­ces­si­da­des do con­su­mi­dor, to­dos os se­to­res es­tão seg­men­ta­dos com o ob­je­ti­vo de um aten­di­men­to pa­dro­ni­za­do que le­ve em con­ta fa­ci­li­tar o ser­vi­ço e dei­xar o com­pra­dor sa­tis­fei­to.

Mas, às ve­zes, é pre­ci­so pa­rar e re­to­car pro­ce­di­men­tos, o que nem sem­pre é fei­to nes­ta épo­ca em que mui­tos acham que mo­der­ni­za­ção é tor­nar a vi­da im­pes­so­al, ro­bo­ti­zan­do o aten­di­men­to e dei­xan­do o cli­en­te sem op­ções de sol­tar a voz.

Mo­der­no 2

Ve­jam, por exem­plo, o que acon­te­ce com as ope­ra­do­ras de te­le­fo­nia. Pas­sei um dia des­ses por uma ex­pe­ri­ên­cia ab­sur­da.

Re­ce­bi uma li­ga­ção na qual a mo­ça me fa­lou da pos­si­bi­li­da­de de eco­no­mi­zar nas li­ga­ções a lon­ga dis­tân­cia. Pa­ra is­so, bas­ta­ria usar não o XX, mas o YY.

Bem, eu dis­se a ela, se for pa­ra gas­tar me­nos, pas­sa­rei a fa­zer is­so.

Em cin­co mi­nu­tos, re­ce­bi um tor­pe­do da mi­nha ope­ra­do­ra: “Pa­ra­béns por ad­qui­rir o ser­vi­ço tal por tan­to”. Ina­cre­di­tá­vel! Eu não ha­via com­pra­do qual­quer no­vo pa­co­te.

Pri­mei­ra di­fi­cul­da­de: não é pos­sí­vel res­pon­der ao tor­pe­do que me foi en­vi­a­do pe­la mi­nha ope­ra­do­ra!!!

En­trei no si­te, fiz a re­cla­ma­ção. Re­ce­bi uma men­sa­gem au­to­má­ti­ca: a mi­nha res­pos­ta se­ria da­da em três di­as úteis.

In­con­for­ma­do, li­guei pa­ra a ope­ra­do­ra. Dis­se­ram que iri­am ava­li­ar mi­nha si­tu­a­ção. Mi­nha si­tu­a­ção! Eles de­ve­ri­am ava­li­ar a si­tu­a­ção de­les!

Re­su­min­do: de­pois de dez di­as do iní­cio de to­da a ce­leu­ma, por e-mail, a ope­ra­do­ra co­mu­ni­cou que a con­tra­ta­ção do ser­vi­ço es­ta­va can­ce­la­da. Sim, can­ce­la­da! Can­ce­la­ram al­go que nun­ca exis­tiu. De to­do mo­do, fo­ra o in­con­ve­ni­en­te, na con­ta se­guin­te, a ope­ra­do­ra co­brou pe­los di­as da con­fu­são. Não é in­crí­vel?

Mo­der­no 3

Ban­cos. Co­mo é bom ter tu­do à mão. Car­tões de dé­bi­to. Car­tões de cré­di­to. Que be­le­za, co­mo diz o lo­cu­tor es­por­ti­vo. Mas eu per­gun­to: por que de vez em quan­do eu pre­ci­so pa­gar mi­co quan­do a mal­di­ta ma­qui­ni­nha diz que não es­tá au­to­ri­za­do o cré­di­to?

O cré­di­to es­tá lá. Mas não es­tá au­to­ri­za­do. Por que há um ano eu pe­ço pa­ra au­men­ta­rem o li­mi­te de re­ti­ra­da em cai­xa ele­trô­ni­co, há um ano o ban­co diz que tu­do bem, sem pro­ble­mas, e há um ano meu pro­ble­ma per­sis­te?

Não sei a res­pos­ta, meu ban­co não sa­be e nin­guém, nes­tes tem­pos mo­der­nos, sa­be me di­zer. Pa­re­ce coi­sa dos Simp­sons, não pa­re­ce? Uma tra­móia do Bart, tal­vez.

Pra mim, os “bons tem­pos” ain­da es­tão por vir. E não se­rá den­tro des­te con­cei­to de mo­der­ni­da­de que es­tá sen­do pro­pa­ga­do por aí.

Mo­der­no 4

Só pa­ra não dei­xar pas­sar a opor­tu­ni­da­de: não dá mais pa­ra atu­rar em al­guns pro­gra­mas es­por­ti­vos as com­pa­ra­ções en­tre o fu­te­bol dos “bons tem­pos” e o fu­te­bol de ho­je. Que sa­co!

Compartilhe