Impressões

Futebol bonito

domingo, 2 de maio de 2010 Texto de

San­tos x San­to An­dré foi uma das me­lho­res fi­nais de cam­pe­o­na­to dos úl­ti­mos anos. Gols, ten­são, dra­ma. To­dos os in­gre­di­en­tes pa­ra uma de­ci­são. Uma aná­li­se fria do jo­go in­di­ca, em mi­nha opi­nião, pa­ra um re­sul­ta­do in­jus­to.

As du­as bo­las man­da­das na tra­ve e o gol le­gí­ti­mo que o juiz anu­lou mos­tram que o San­to An­dré me­re­cia a van­ta­gem de dois gols, que pre­ci­sa­va pa­ra le­van­tar o tí­tu­lo.

Mas, ain­da se­guin­do nes­sa “aná­li­se fria”, na­da mais jus­to do que o tí­tu­lo ter fi­ca­do com o San­tos. Foi, sem dú­vi­da, o me­lhor ti­me do Pau­lis­tão, prin­ci­pal­men­te por for­ça de seu ata­que. Con­so­li­dou o apa­re­ci­men­to de no­vos jo­vens cra­ques. Deu show. Jo­gou um fu­te­bol bo­ni­to etc etc etc.

Fa­zia me­ses que eu não via um jo­go in­tei­ro. An­dei en­jo­a­do de fu­te­bol (já es­cre­vi so­bre is­so aqui mes­mo). Mas nes­te do­min­go, por aca­so, aca­bei acom­pa­nhan­do os no­ven­ta mi­nu­tos. E lá pe­las tan­tas fiz um co­men­tá­rio com as pes­so­as com quem vi a par­ti­da: eu dis­se que se o San­tos per­des­se, vol­ta­ria a ve­lha la­dai­nha de que “fu­te­bol bo­ni­to não ga­nha jo­go”.

De to­do mo­do, o pró­prio San­to An­dré tam­bém mos­trou du­ran­te o cam­pe­o­na­to sua vo­ca­ção pa­ra o ata­que, pa­ra o fu­te­bol ale­gre. E is­so fi­cou evi­den­te nos dois jo­gos da fi­nal.

Num ano de Co­pa do Mun­do, em que mais uma vez os tor­ce­do­res es­tão des­con­fi­a­dos da se­le­ção bra­si­lei­ra, San­tos e San­to An­dré mos­tra­ram a Dun­ga que fu­te­bol bo­ni­to tam­bém ga­nha jo­go.

Amor

Eu vi um dia des­ses na ca­pa de uma re­vis­ta, ex­pos­ta na bo­ca do cai­xa de um su­per­mer­ca­do, que uma atriz (acho que a Ma­ri­a­na Xi­me­nes) es­tá pron­ta pa­ra um no­vo amor. Es­se, aliás, era o tí­tu­lo prin­ci­pal. Fi­quei pen­san­do, en­quan­to pa­ga­va a con­ta, se é pos­sí­vel al­go as­sim. Ou se­ja, al­guém se pre­pa­rar pa­ra um no­vo amor.

O amor não “acon­te­ce”?

No jor­na­lis­mo, nós pro­cu­ra­mos se­pa­rar o “acon­te­ce” do “se­rá re­a­li­za­do”. Pa­ra nós, um jo­go não acon­te­ce­rá, o jo­go se­rá re­a­li­za­do. Já um aci­den­te acon­te­ce. Ele não es­tá pre­vis­to.

Tal­vez en­ges­sa­do em meus pa­râ­me­tros jor­na­lís­ti­cos, fi­quei ima­gi­nan­do coi­sas: o amor não “acon­te­ce”? Acho que sim. O amor não “se­rá re­a­li­za­do”. O amor, quem sa­be, po­de­rá “acon­te­cer” em al­gum mo­men­to. Não dá pa­ra pre­pa­rar o amor co­mo se pre­pa­ra uma jo­ga­da de cra­que.

Por­tan­to, co­mo po­de al­guém se pre­pa­rar pa­ra um no­vo amor, se um no­vo amor não po­de ser “pla­ne­ja­do”?

Bem, tal­vez nes­tes di­as bas­tan­te su­per­fi­ci­ais on­de fo­mos nos me­ter ha­ja lu­gar pa­ra um amor pla­ne­ja­do. Quem sou eu pa­ra ques­ti­o­nar as no­vas pos­si­bi­li­da­des dos no­vos tem­pos?

Pa­ra ter­mi­nar es­ta pu­nhe­ta­ção: não acre­di­to em pla­ne­ja­men­to pa­ra o amor por­que não há co­mo pla­ne­jar o des­co­nhe­ci­do, não dá pa­ra pla­ne­jar o in­fin­do, o que não tem co­me­ço ou fim.

Compartilhe