Colaboradores

Passando adiante

sexta-feira, 2 de outubro de 2009 Texto de

Dia des­ses me veio à ca­be­ça o an­ti­go jo­gui­nho Es­cra­vos de Jó, em que as pe­ças são pas­sa­das de par­cei­ro em par­cei­ro, rit­ma­da e au­to­ma­ti­ca­men­te, en­quan­to to­dos can­ta­ro­lam a mú­si­ca que acom­pa­nha a brin­ca­dei­ra. E as­sim, as mes­mas pe­ças aca­bam vol­tan­do às mes­mas mãos, num ro­dí­zio in­ter­mi­ná­vel. Lem­brei-me de­le di­an­te da ci­ran­da de men­sa­gens e ane­xos que di­a­ri­a­men­te che­gam às cai­xas de cor­reio de­pois de na­ve­ga­rem pe­la re­de. Lá pe­las tan­tas, as men­sa­gens aca­bam vol­tan­do à ori­gem e o cír­cu­lo se fe­cha.

E nes­sas idas e vin­das, um fenô­me­no sem­pre me cha­ma a aten­ção: os tex­tos ane­xa­dos, su­pos­ta­men­te as­si­na­dos por au­to­res co­nhe­ci­dos, mas que cla­ra­men­te não têm na­da das ca­rac­te­rís­ti­cas des­ses au­to­res. Quan­do co­men­to is­so com a pes­soa que me en­ca­mi­nhou o fal­so tex­to di­zen­do que não se pa­re­ce em na­da com o au­tor ver­da­dei­ro, re­ce­bo qua­se sem­pre a mes­ma res­pos­ta “Eu tam­bém achei, mas já re­ce­bi as­sim e pas­sei adi­an­te.” Pa­rei de co­men­tar.

Me as­sus­ta a fa­ci­li­da­de com que se pas­sam adi­an­te in­for­ma­ções, fo­fo­cas, es­cân­da­los e de­nún­ci­as sem a me­nor crí­ti­ca. Sim­ples­men­te por­que a men­sa­gem che­gou a uma cai­xa de cor­reio, tem que ser pas­sa­da adi­an­te, exa­ta­men­te co­mo as pe­ci­nhas dos Es­cra­vos de Jó: au­to­ma­ti­ca­men­te. E to­me de tex­tos de “Ve­rís­si­mo”, “Martha Me­dei­ros”, “Ja­bor” e até de “Drum­mond”, na­ve­gan­do de cai­xa em cai­xa, sem con­tar que tex­tos ori­gi­nais vol­ta e meia vêm as­si­na­dos por ou­tros. O mais re­cen­te que re­ce­bi cons­ta­va co­mo sen­do de uma co­nhe­ci­da es­ti­lis­ta, que ofe­re­cia di­cas de bo­as ma­nei­ras em re­la­ci­o­na­men­tos amo­ro­sos, mas que fa­ri­am a pro­fis­si­o­nal se des­ca­be­lar ao ver o que es­tá cir­cu­lan­do em seu no­me. E o mais gra­ve é que mes­mo os que sa­bem ou des­con­fi­am que o tex­to não é au­tên­ti­co, con­ti­nu­am pas­san­do-o adi­an­te, por pu­ra au­to­ma­ção.

Além da le­vi­an­da­de im­plí­ci­ta nes­sa com­pul­são de re­en­vio de tex­tos apó­cri­fos, exis­te um com­po­nen­te de cru­el­da­de em cer­tos ca­sos. O epi­só­dio re­cen­te de uma can­to­ra que se atra­pa­lhou ao can­tar o Hi­no Na­ci­o­nal bra­si­lei­ro ou a trá­gi­ca mor­te do pa­dre que ten­tou vo­ar, sus­pen­so por ba­lões de ar fo­ram exaus­ti­va­men­te ex­plo­ra­dos e iro­ni­za­dos du­ran­te mui­to tem­po na re­de, en­tre ou­tros epi­só­di­os de go­za­ção com a des­gra­ça alheia.

Os pa­pa­raz­zi vir­tu­ais têm plan­tão per­ma­nen­te, es­pe­ran­do o mo­men­to exa­to pa­ra dar o bo­te e di­vul­gar a cal­ci­nha da mo­de­lo, o bei­jo do ca­sal vip, o ve­xa­me não sei de quem e pa­ra brin­car com tex­tos alhei­os. E pa­ra is­so con­tam com a par­ce­ria en­tu­si­as­ta dos Es­cra­vos de Jó ci­ber­né­ti­cos.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Palavras-chave

Compartilhe