Geral

Conheça o romance “Parabala”

sábado, 16 de maio de 2009 Texto de

O que es­tá es­cri­to na ore­lha de Pa­ra­ba­la

A rus­ti­ci­da­de dos per­so­na­gens e as tin­tas cru­as com as quais se de­li­nei­am Pa­ra­ba­la po­dem, a prin­cí­pio, su­ge­rir um ro­man­ce po­li­ci­a­les­co; no má­xi­mo, uma obra de sus­pen­se. Po­rém, à me­di­da que a nar­ra­ti­va se de­sen­ro­la, per­ce­be-se que a ação é, na ver­da­de, um pa­no de fun­do pa­ra a ex­pres­são de fi­gu­ras hu­ma­nas, mí­ni­mas e, ao mes­mo tem­po, sin­gu­la­res, di­an­te dos seus me­dos, so­nhos, de­se­jos, su­as dú­vi­das, es­pe­ran­ças e ilu­sões.

O cen­tro ner­vo­so é o rap­to de uma jo­vem, bran­ca, ri­ca e bem for­ma­da, por um tra­ba­lha­dor da fa­zen­da de seu pai – ne­gro, po­bre e in­cul­to. Al­mi­nha e Pa­ra­ba­la, pi­la­res do ro­man­ce, re­pre­sen­tam o ga­ti­lho da con­tra­di­ção so­bre a qual a fic­ção se ali­cer­ça. Eles trans­for­mam a ro­ti­na de to­dos, pro­vo­can­do a em­prei­ta­da da “ca­ça”, que é sin­te­ti­za­da pe­la ten­ta­ti­va de sal­va­ção da jo­vem e pe­la pu­ni­ção im­pla­cá­vel ao seu rap­tor.

É um rap­to po­de­ro­so. Va­li­da­do co­mo re­fe­rên­cia à or­ga­ni­za­ção do ro­man­ce, di­vi­de a ação em três tem­pos: an­tes, du­ran­te e de­pois do fei­to de Pa­ra­ba­la. Apre­sen­ta­dos de for­ma não-li­ne­ar, es­ses três tem­pos des­ven­dam a psi­co­lo­gia dos per­so­na­gens. Não são se­res ex­tra­or­di­ná­ri­os, mui­to pe­lo con­trá­rio: são su­jei­tos co­muns, que, en­quan­to lu­tam pe­la so­bre­vi­vên­cia, ten­tam im­pri­mir um sen­ti­do às su­as vi­das. A des­cri­ção des­sas vi­das, mer­gu­lha­das em me­mó­ri­as, pres­sá­gi­os e im­pres­sões, su­ge­re um que­bra-ca­be­ça ao lei­tor, que é con­vi­da­do a com­por pe­ça por pe­ça, até en­con­trar seu prin­cí­pio de co­e­rên­cia: aque­le que lhe per­mi­te agre­gar e or­de­nar es­se con­jun­to de ele­men­tos.

O di­fe­ren­ci­al de Pa­ra­ba­la é que a me­di­a­ção do au­tor não pro­vo­ca o dis­tan­ci­a­men­to dos per­so­na­gens. Me­di­a­ção tão ho­nes­ta que ou­tor­ga ao lei­tor o di­rei­to de jul­gar ou pres­cre­ver su­as sen­ten­ças. Pa­ra­ba­la é pon­to de che­ga­da e pon­to de par­ti­da. A des­pei­to dos dra­mas fa­mi­li­a­res, dos mis­té­ri­os sangüi­no­len­tos e das bru­tais per­se­gui­ções, o ro­man­ce sus­ten­ta-se, an­tes de tu­do, na in­sis­ten­te in­ci­ta­ção à bus­ca da fe­li­ci­da­de. Tal­vez en­cer­re-se nes­se par­ti­cu­lar seu mé­ri­to mais im­por­tan­te: en­tre tan­tas mor­tes, re­luz, so­be­ra­na, a de­fe­sa in­tran­si­gen­te da opor­tu­ni­da­de que de­ve­mos à vi­da.

O que es­tá es­cri­to no ver­so da ca­pa

Um ho­mem e uma mu­lher. Uma pai­xão im­pos­sí­vel. Um seqües­tro e um mun­do de mis­té­ri­os. Uma exu­be­ran­te his­tó­ria de amo­res, em­ba­tes, te­mo­res e ilu­sões. No co­me­ço do sé­cu­lo pas­sa­do, em meio à rus­ti­ci­da­de do cam­po, um jor­ro ins­ti­gan­te de emo­ções vis­ce­rais ex­plo­de na Fa­zen­da Rio Com­pri­do. É lá que vi­vem Al­mi­nha e Pa­ra­ba­la, pro­ta­go­nis­tas in­ci­den­tais de uma his­tó­ria sim­ples. E que, por ser sim­ples, res­sal­ta a sen­si­bi­li­da­de, a te­na­ci­da­de e a gran­de­za de uma ver­da­de uni­ver­sal: a bus­ca do sig­ni­fi­ca­do da vi­da.

Leia aqui o pri­mei­ro ca­pí­tu­lo de Pa­ra­ba­la

DEPOIS
O ba­fo quen­te do de­ses­pe­ro

O que se vê não se vê, con­fun­de-se a vi­vên­cia
Diz-se do que é o que não é; sa­be-se, mas não
Su­ce­de aqui­lo que não nos ocor­re
Acon­te­ci­men­tos ca­pi­tu­lam sob olha­res que não olham
Não trans­põem, só pe­cam na su­per­fí­cie da es­sên­cia
Sur­ge-nos a ver­da­de, dis­tan­te, em pos­tas
Ir­re­co­nhe­cí­vel e, en­fim, não re­co­men­dá­vel
Ne­la es­tão nos­sos olhos, pre­ga­dos à cruz
Da cru­za­da ao co­nhe­ci­do des­co­nhe­ci­do da ilu­são
Pe­que­no uni­ver­so en­car­na­do em nos­sas cos­tas
As cos­tas en­ver­ga­das, ta­ma­nha imen­si­dão
De acon­te­ci­men­tos des­fei­tos
En­can­ta­do­res ver­sos de uma far­sa ver­da­dei­ra
Que, no fim, ex­põe-se ver­da­de cru­el
É a jus­ta pa­ga por tor­pe vi­são

Ci­ta­ção de po­e­ta des­co­nhe­ci­do, anô­ni­mo, ce­go que não sa­bia ler, pe­ram­bu­la­va com po­e­mas, po­e­si­as, ver­sos sol­tos em seu re­per­tó­rio de pa­la­vras guar­da­das, au­ten­ti­ca­das, so­be­ra­nas na ra­zão de sua emo­ção. Ia e vol­ta­va, dia des­ses foi e não vol­tou. Veio de on­de nin­guém se im­por­tou sa­ber. Não era ele a his­tó­ria, eram de­le as his­tó­ri­as, ras­ga­das fei­to pi­ca­dão, plan­ta­das co­mo ro­ça, co­lhi­das na pal­ma da mão.
Con­ta-se que se pas­sou num fe­ve­rei­ro do co­me­ço dos mil e no­ve­cen­tos, en­tre os vin­te e os trin­ta, em di­as des­ses de o sol es­tar a ver­ter fo­go so­bre nos­sas ca­be­ças. Atí­lio Se­ve­ri­no da Vir­gem Ma­ria das Se­te Com­pa­nhi­as, um ne­gro pos­san­te com qua­se dois me­tros de al­tu­ra, cin­ti­lou de­bai­xo da bo­la dou­ra­da do fir­ma­men­to re­lu­zen­te e en­trou pe­la por­ta da fren­te da ca­sa de Al­ma Ele­o­no­ra, a Al­mi­nha, cha­ma­da as­sim des­de ce­do na Fa­zen­da Rio Com­pri­do; num ins­tan­te­zi­nho só, num lap­so em que se em­pre­en­deu a ori­gem de tu­do, o mo­vi­men­to co­ti­di­a­no da mãe e dos dois pe­que­nos, ali den­tro da es­pa­ço­sa cons­tru­ção, deu lu­gar a uma qui­e­tu­de abrup­ta, mes­mo mo­dor­ren­ta, mas de­pois pro­fun­da, e que, tão lo­go re­vi­ra­das as su­as en­tra­nhas, mar­ca­ria pa­ra sem­pre aque­las gen­tes do ba­ten­te e dos ter­ços, da em­prei­ta e da boa pro­sa, do jei­to bom de se le­var a ei­to o mun­do no pei­to.

Nin­guém po­de­ria ima­gi­nar co­mo tu­do se deu, mas o cer­to é que Atí­lio Se­ve­ri­no, rá­pi­do co­mo re­lâm­pa­go que cla­reia os céus em noi­tes es­cu­ras, le­vou con­si­go uma mu­lher ca­sa­da - bem ca­sa­da, co­mo se di­zia – e seus dois fi­lhos, um ra­pa­zi­nho ali pe­los seus 3 anos e uma gu­ri­a­zi­nha que ha­via aca­ba­do de dar os pri­mei­ros pas­sos. Na fren­te da ca­sa, ha­via uma bem-cui­da­da pas­sa­gem de char­re­tes e car­ros-de-boi. À ter­ra do lu­gar, co­ber­ta de uma areia qua­se bran­ca, gos­to­sa pa­ra se pi­sar quan­do des­cal­ço, in­cor­po­rou-se na­que­la ma­nhã ra­di­an­te o sig­ni­fi­ca­do bru­tal dos bu­ra­cos fun­dos ca­va­dos pe­las bo­tas do su­jei­to. Por al­guns me­tros, até che­gar on­de dois ca­va­los pron­tos pas­ta­vam à es­pe­ra da cor­re­ria que se fa­ria da­li a pou­co, ele car­re­gou su­as pre­sas so­bre o lom­bo gros­so pin­gan­do su­or. Não ha­via na­que­le chão, ago­ra la­va­do pe­las lá­gri­mas de Do­na Fi­lo­me­na e pe­lo ódio do Dou­tor Do­lí­rio, qual­quer mar­ca dos fi­nos e le­ves pés de Al­mi­nha, quan­to mais de An­to­ni­nho e Ro­sá­lia, no­mes fa­cul­ta­dos às cri­an­ças em ho­me­na­gem aos bi­sa­vós pa­ter­nos. Do epi­só­dio, res­tou pa­ra os ve­lhos ape­nas o tes­te­mu­nho de um dos em­pre­ga­dos da fa­zen­da, que ro­ça­va ali per­to uma plan­ta­ção de man­di­o­ca, mas de tão sim­pló­rio, nem mes­mo in­ter­rom­peu o ser­vi­ço pa­ra ver o que se pas­sa­va na ca­sa da pa­troa. Só mes­mo quan­do per­ce­beu que to­dos a pro­cu­ra­vam, e as cri­an­ças, é que se deu con­ta do epi­só­dio, ali foi que lhe veio à ca­be­ça o ocor­ri­do - os dois ca­va­los ar­re­a­dos, os al­for­jes chei­os, a con­ver­sa de não se cha­mar aten­ção, a dis­pa­ra­da, um cho­ro dis­tan­te.

- Ou­vi um cho­ri­nho da me­ni­na, pa­trão, e foi só. Mon­ta­ria na fa­zen­da é que nem ti­ri­ri­ca quan­do cho­ve, tem tan­ta que a gen­te nem que aten­ta. Nem que bo­tei re­pa­ro em quem era que ca­val­ga­va.

Do ins­tan­te do epi­só­dio até a des­co­ber­ta da ou­sa­dia do ne­gro, já mais de três ho­ras ha­vi­am se pas­sa­do, tem­po de­mais pa­ra le­var-se a ca­bo uma per­se­gui­ção pe­lo meio da­que­les pas­tos ver­des, bem ali­men­ta­dos pe­las chu­vas que ti­nham des­pen­ca­do em qua­se to­dos os di­as de ja­nei­ro, ta­pe­te rús­ti­co de gra­ma al­ta, gra­ma de pê­lo, du­ra de se ar­ran­car, fi­a­pos re­sis­ten­tes, que pi­ni­cam quan­do se dei­ta. O co­nhe­ci­do Dou­tor Do­lí­rio, ho­mem es­tu­da­do de ler li­vros e gen­te de boa paz, pro­cu­ra­va, em meio à sur­pre­sa e à in­dig­na­ção, en­sai­ar mui­to bem a em­pre­sa. De sú­bi­to, ocor­ria-lhe sair ime­di­a­ta­men­te à ca­ça, mas, de to­do mo­do, ir pa­ra on­de sem ru­mo?

Os qua­tro can­tos eram dis­tan­tes
Os qua­tro can­tos per­di­am-se lá lon­ge
Ma­ta fe­cha­da, pas­tos aber­tos
Bai­xa­das re­ga­das, ca­mi­nhos in­cer­tos
Ho­ri­zon­tes sem fim

Des­de que se fi­xa­ra de vez na re­gião pa­ra plan­tar ca­fé, há pou­co mais de qua­tro dé­ca­das, ele se di­fe­ren­ci­a­va da mai­o­ria dos do­nos de ter­ras da vi­zi­nhan­ça. Nas su­as an­dan­ças pe­la fa­zen­da de mais de mil al­quei­res - com­pra­da a pre­ço de ba­na­na, des­bra­va­da e trans­for­ma­da num imen­so mar ver­de de ca­fé - ou pe­las vi­las mais pró­xi­mas, nun­ca dei­xa­va de ser cum­pri­men­ta­do, por gen­te miú­da ou gen­te graú­da, tan­to fa­zia. Boa pes­soa era o que era, di­zia-se en­tão. Mas, na­que­la ho­ra, a úni­ca fi­lha, cri­a­da Deus sa­be co­mo, nas­ci­da tão raquí­ti­ca e do­en­te, le­va­da em­bo­ra, e sor­di­da­men­te com o que ha­via pa­ra ele de mais pre­ci­o­so em seu mag­ní­fi­co cam­po ca­fe­ei­ro - os dois ne­tos -, fi­ca­va mes­mo di­fí­cil se man­ter den­tro de li­mi­tes pon­de­ra­dos pa­ra um res­pei­tá­vel se­nhor de 65 anos, ain­da mais di­an­te da an­gús­tia da mu­lher. Além de tu­do, pu­nha-se, in­vo­lun­ta­ri­a­men­te, pen­du­ra­do à es­quer­da – vol­ta­vam a fus­ti­gá-lo, lo­go na­que­la ho­ra, incô­mo­das agu­lha­das nos rins, a ame­a­ça ine­xo­rá­vel da ve­lha có­li­ca que de anos em anos o sur­pre­en­dia nos pi­o­res mo­men­tos.

- Que pu­nha­la­da a vi­da me dá, Fi­lo­me­na!

Aque­la do­ce se­nho­ra de pou­co mais de seis dé­ca­das nas cos­tas olha­va pa­ra o ma­ri­do de­sen­can­ta­da, de­ten­do-se à tez aquo­sa re­ver­be­ran­do sob a quen­tu­ra do mor­ma­ço e ao sem­blan­te vi­o­len­ta­do, es­cor­ra­ça­do, fe­ri­do mo­ral­men­te. Ela nun­ca o ti­nha vis­to as­sim, fo­ra de sua ra­zão, des­con­cer­ta­do por uma si­tu­a­ção inu­si­ta­da, cru­el de­mais pa­ra ser ab­sor­vi­da sem o ba­que vi­go­ro­so da­que­le ins­tan­te.

Do­na Fi­lo­me­na, com­pa­nhei­ra do Dou­tor Do­lí­rio há qua­se qua­ren­ta anos, ti­nha tu­do pa­ra car­re­gar o pe­so de tri­bu­la­ções do pas­sa­do. Ex­pul­sa de ca­sa pe­lo pai, um ho­mem ator­men­ta­do in­ca­paz de acei­tar a fi­lha grá­vi­da an­tes do ca­sa­men­to, nun­ca de­mons­tra­ra, nem mes­mo ao ma­ri­do, qual­quer re­vol­ta com o pe­sa­de­lo que a tres­pas­sou ao co­nhe­cê-lo - a po­bre mãe ras­te­jan­do por­ta afo­ra, es­ti­can­do-se pa­ra agar­rá-la de­pois de ter si­do agre­di­da pe­lo ma­ri­do, foi a úl­ti­ma ima­gem guar­da­da de sua fa­mí­lia. Nem es­sa lem­bran­ça da lon­gín­qua noi­te chu­vo­sa, em que foi lan­ça­da sob hu­mi­lha­ção a um mun­do des­co­nhe­ci­do, ou mes­mo o des­gos­to de lo­go ter per­di­do, por aque­les pri­mei­ros ca­mi­nhos in­ten­sa­men­te tor­tu­o­sos e do­lo­ri­dos, a pri­mei­ra vi­da que car­re­ga­va no ven­tre, im­pe­diu-a de ser fe­liz. Mais du­as vi­das efê­me­ras ain­da lhe fo­ram tra­ga­das nos pri­mei­ros anos, até que a es­pe­ran­ça, por um fio, re­no­vou-se com o nas­ci­men­to de Al­mi­nha. Mes­mo ten­do es­ta­do boa par­te de seu ca­sa­men­to abra­ça­da à mor­te, pre­fe­ria sem­pre se de­bru­çar so­bre a vi­da, e agra­de­cer pe­las ale­gri­as que ela traz, mas ago­ra ... uma amar­gu­ra pro­fun­da se aba­tia so­bre ela.

Às ve­zes, per­de-se a cal­ma
Âma­go re­vol­to
Re­de­moi­nhos d’alma

Além da­que­le seqües­tro sem sen­ti­do e da vi­são de um ma­ri­do que ela não ha­via ain­da co­nhe­ci­do, fu­ri­o­so e ir­ra­ci­o­nal, caíam co­mo lan­ças bem afi­a­das as re­mi­nis­cên­ci­as que du­ran­te lon­gos anos con­se­gui­ra en­clau­su­rar num can­to até en­tão ina­ces­sí­vel, mas que ago­ra lhe pa­re­cia tão per­to e ame­a­ça­dor. Por al­guns ins­tan­tes, ma­ri­do e mu­lher se bus­ca­ram, ad­mi­ra­dos, um ao ou­tro e ti­ve­ram a ní­ti­da im­pres­são de ter en­ve­lhe­ci­do ali, so­bre a areia em bra­sa do meio-dia e no olho de um ba­fo quen­te de ve­rão, qua­se o res­to de su­as vi­das.

Co­mo com­prar o li­vro
Vo­cê po­de so­li­ci­tá-lo pe­lo e-mail aqui do blog, ao cus­to de R$ 24,00 mais as des­pe­sas pos­tais.

Compartilhe