Balas, chamadas e outras perdas | Márcio ABC

Colaboradores

Balas, chamadas e outras perdas

domingo, 5 de abril de 2009 Texto de

Abro o ce­lu­lar e lá es­tá o avi­so de 4 cha­ma­das per­di­das. Pro­va­vel­men­te ami­gos que me pro­cu­ra­ram pa­ra con­ver­sar ou sim­ples­men­te di­zer que es­tão vi­vos e que­ren­do me ou­vir. Ou o fun­ci­o­ná­rio de uma te­lefô­ni­ca, pro­va­vel­men­te que­ren­do me mos­trar as ma­ra­vi­lhas da em­pre­sa que ele re­pre­sen­ta e de co­mo eu se­ria mui­to mais fe­liz se mu­das­se mi­nha con­ta pa­ra ela. Não im­por­ta. Fo­ram cha­ma­das per­di­das e não ou­vi os ami­gos... mas es­ca­pei da pro­pa­gan­da.

Na mes­ma ho­ra, che­go em ca­sa e es­tra­nho que a obra do fim da rua ain­da es­te­ja em ati­vi­da­de, pois dá pra ou­vir o ba­ru­lho al­to e se­co das pe­dras sen­do cor­ta­das e pas­san­do pe­los tu­bos que as le­vam pa­ra bai­xo. E eu acre­di­to mes­mo que o tal ba­ru­lho se­co é das pe­dras. To­li­nha... São, is­so sim, ti­ros va­ri­a­dos de fu­zis, es­co­pe­tas e es­pin­gar­das, mais o ruí­do do he­li­cóp­te­ro da po­lí­cia so­bre­vo­an­do meu pré­dio por­que a tal obra do fim da rua foi ape­nas uma eta­pa da fu­ga de mar­gi­nais vin­do de uma fa­ve­la de Co­pa­ca­ba­na e al­can­çan­do mi­nha rua pe­la re­ser­va flo­res­tal (ain­da!) do mor­ro da­li. E en­tão ou­ço pe­lo rá­dio que al­guns tra­fi­can­tes fo­ram mor­tos e ou­tros pre­sos, mas ain­da res­ta­ram al­guns fu­gi­ti­vos es­con­di­dos no ma­to, de­pois de mui­to ti­ro­teio e de al­gu­mas ba­las per­di­das.

Eu dis­se per­di­das? E as pes­so­as que des­ci­am ou su­bi­am mi­nha la­dei­ra na ho­ra do va­mos-ver? E as que es­ta­vam em ca­sa e vi­ram ba­las en­tran­do por su­as ja­ne­las, três ou qua­tro ru­as adi­an­te da mi­nha? De per­di­das es­sas ba­las não ti­nham na­da, fo­ram en­con­tra­das bem ali, no seu mu­ro, na sua pa­re­de e no cor­po de al­guém que pas­sa­va des­pre­o­cu­pa­do e que pô­de cons­ta­tar ao vi­vo a ba­le­la das “ba­las per­di­das”.

E aí ve­jo que as tais cha­ma­das no meu ce­lu­lar eram de ami­gos ou da fa­mí­lia, de­pois de ou­vi­rem que a ce­na de fa­ro­es­te lar­ga­men­te no­ti­ci­a­da nos te­le­jor­nais, des­sa vez te­ve a mi­nha rua co­mo ce­ná­rio, e de­vi­am es­tar pre­o­cu­pa­dos com a mi­nha se­gu­ran­ça. Is­so é que é bom. En­tão não fo­ram cha­ma­das per­di­das. Me al­can­ça­ram por ou­tras vi­as que não o te­le­fo­ne, che­ga­ram a mim pe­los fi­os do ca­ri­nho. Pes­so­as mui­to que­ri­das que se pre­o­cu­pam com ami­gos, com a se­gu­ran­ça e o bem-es­tar de­les no meio de tan­ta ba­la su­pos­ta­men­te per­di­da, já que os do­nos do pe­da­ço, os ad­mi­nis­tra­do­res (?) da ci­da­de e do es­ta­do, es­ses sim, es­tão per­di­di­nhos da sil­va. Fa­zer o quê? Com seus pa­lá­ci­os e car­ros blin­da­dos não há ba­la que os en­con­tre, eles po­dem se dar ao lu­xo de fi­car alhei­os às ta­re­fas de cui­dar de seus ter­ri­tó­ri­os. Os tra­fi­can­tes e a po­lí­cia que se en­ten­dam. Ou não.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Palavras-chave

Compartilhe