Colaboradores

Querem roubar meu jacaré

domingo, 18 de Janeiro de 2009 Texto de

É por es­sas e ou­tras que te­nho hor­ror a mo­dis­mo. Quan­do sur­ge um, mes­mo quem não tem a me­nor afi­ni­da­de com ele, se dei­xa le­var e ado­ta-o pa­ra não fi­car de fo­ra da on­da. Aliás, é jus­ta­men­te so­bre on­das, mas do mar, que que­ro pôr a bo­ca no trom­bo­ne.

Ou­vi no rá­dio que es­tão re­lan­çan­do a mo­da­li­da­de de “pe­gar ja­ca­ré” nas prai­as do Rio, e que es­ta mo­da­li­da­de não de­ve ser con­fun­di­da com “sur­fe sem pran­cha”. Pa­ra mi­nha sur­pre­sa, es­tão de­fi­nin­do o “sur­fe sem pran­cha” co­mo o ver­da­dei­ro no­me do au­tên­ti­co ja­ca­ré da mi­nha in­fân­cia, ale­gan­do que o “ja­ca­ré” era fei­to com uma tá­bua nas mãos.

Nas mãos de quem, ca­ra-pá­li­da? Ga­ran­to que quem in­ven­tou es­sa de­fi­ni­ção não fre­quen­ta­va o Ar­po­a­dor nos anos 1950 e 1960, quan­do nós, a ga­ro­ta­da da­que­la épo­ca, des­cía­mos as on­das de pei­to aber­to, só com o cor­po des­li­zan­do nas on­das e ba­ten­do os pés. Ah, tam­bém pe­gá­va­mos ja­ca­ré de cos­tas, e ain­da dá­va­mos aque­la vol­ti­nha de ar­re­ma­te no fi­nal, quan­do che­gá­va­mos na areia. Is­so era pe­gar ja­ca­ré, fo­ras­tei­ros. E não po­dia ser cha­ma­do de sur­fe sem pran­cha sim­ples­men­te por­que pran­cha era coi­sa que en­tão só exis­tia no Ha­vaí.

No tem­po em que a Ave­ni­da Fran­cis­co Bhe­ring, no Ar­po­a­dor, não era ex­clu­si­va dos car­ros de mo­ra­do­res, mi­nha mãe es­ta­ci­o­na­va nos­so Dod­ge 49 no Pos­to 7 e o sal­va-vi­das já vi­nha aju­dá-la a de­sem­bar­car cri­an­ças, ba­bá, bar­ra­ca e boia de pneu, nas quais às ve­zes pas­sá­va­mos da úl­ti­ma pe­dra do Ar­po­a­dor. Mais tar­de, já cres­ci­di­nhos, co­me­ça­mos a des­cer nas on­das na au­tên­ti­ca mo­da­li­da­de de ja­ca­ré. Sem na­da nas mãos!

Não gos­tei nem um pou­co des­sa apro­pri­a­ção in­dé­bi­ta do ja­ca­rá da mi­nha in­fân­cia e ado­les­cên­cia. Sur­fe sem pran­cha po­de ser mais bo­ni­to e mo­der­no de se di­zer, mas não tra­duz nem de lon­ge aque­la sen­sa­ção in­subs­ti­tuí­vel no meio das on­das, no tem­po em que pa­ra­fi­na, pran­cha de fi­bra de vi­dro e ou­tros ape­tre­chos de sur­fis­tas só se­ri­am usa­dos pe­la ge­ra­ção se­guin­te, e olhe lá. Que­ro meu ja­ca­ré de vol­ta a seu lu­gar!

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe