Colaboradores

Quero crer

terça-feira, 13 de Janeiro de 2009 Texto de

QUERO CRER

Sei que is­to não é le­gal, mas des­con­fio de to­dos. Não sei se es­tão di­zen­do a ver­da­de ou re­pre­sen­tan­do. Às ve­zes, pe­go-me a si­mu­lar co­mo um ator de quin­ta; na te­le­vi­são, quan­do al­guém le­van­ta uma cau­sa ou ex­põe sua via, fi­co res­sa­bi­a­do e in­da­gan­do qual a van­ta­gem que ele le­va. Re­a­fir­mo, não que­ro pen­sar que as pes­so­as sem­pre es­tão com se­gun­das in­ten­ções. A mi­nha mãe sem­pre diz que há in­di­ví­du­os que jul­gam to­dos la­drões, por­que se res­pal­dam em su­as per­so­na­li­da­des obs­cu­ras. Não que­ro ser as­sim, dá-me ar­re­pi­os. En­tre­tan­to, ao ob­ser­var a tv aber­ta, acho tu­do tão es­pe­ta­cu­lo­sa­men­te tos­co e de­su­ma­no que fi­ca di­fí­cil acre­di­tar na ino­cên­cia e na ge­ne­ro­si­da­de da nos­sa so­ci­e­da­de.

AMBIGUIDADE

Sem­pre es­tá nu, mas a al­ma ves­te tra­jes gros­sei­ros.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe