Colaboradores

Cacarecos do meu Brasil - Texto de Otávio Nunes

quarta-feira, 10 de setembro de 2008 Texto de


Em 1958, che­gou do Rio de Ja­nei­ro o ri­no­ce­ron­te Ca­ca­re­co (fo­to ao la­do pu­bli­ca­da na re­vis­ta “O Cru­zei­ro”), uma das atra­ções da en­tão inau­gu­ra­ção do Zo­o­ló­gi­co de São Pau­lo. O bi­cho fez tan­to su­ces­so na Pau­li­céia que nas elei­ções mu­ni­ci­pais do ano se­guin­te re­ce­beu cer­ca de 100 mil vo­tos pa­ra ve­re­a­dor. Na épo­ca, tal en­xur­ra­da ele­ge­ria qua­se 10 pes­so­as. O su­frá­gio (eta pa­la­vra feia, pi­or que ela só es­cru­tí­nio!) era na mão. Atu­al­men­te, com a ur­na ele­trô­ni­ca, se­ria im­pos­sí­vel a fa­ça­nha do chi­fru­do.

Mas a ex­pres­são vo­to ca­ca­re­co che­gou aos nos­sos di­as. É usa­da, ho­je, pa­ra de­fi­nir a pre­fe­rên­cia do elei­to­ra­do por can­di­da­to, digamos...esquisito, fol­cló­ri­co, en­gra­ça­do e ge­ral­men­te sem cur­rí­cu­lo po­lí­ti­co. Mas, so­zi­nho, ele re­ce­be tan­to vo­to que su­pe­ra o co­e­fi­ci­en­te elei­to­ral: vo­tos vá­li­dos di­vi­di­dos por va­gas no par­la­men­to (vá­li­do pa­ra ve­re­a­do­res e de­pu­ta­dos estaduais/federais). Es­te vo­to é cha­ma­do de pro­por­ci­o­nal, di­fe­ren­te do ou­tro (pa­ra pre­si­den­te, go­ver­na­dor, pre­fei­to e se­na­dor), de­no­mi­na­do ma­jo­ri­tá­rio, em que (ma­cha­di­a­na­men­te) ao ven­ce­dor, as ba­ta­tas. Aliás, o no­me cor­re­to do co­e­fi­ci­en­te é quo­ci­en­te elei­to­ral, por ser re­sul­ta­do de di­vi­são. Ou­tra cor­re­ção: ca­ca­re­co era fê­mea.

Por que tu­do is­so? Pri­mei­ro, pa­ra lem­brar que a elei­ção mu­ni­ci­pal se avi­zi­nha. Cui­da­do com ca­ca­re­cos de plan­tão. Se­gun­do, pa­ra di­zer que “o sis­te­ma elei­to­ral bra­si­lei­ro é dos mais de­mo­crá­ti­cos do mun­do”. Tal afir­ma­ção não é mi­nha, pois tam­bém te­nho dú­vi­das. Ou­vi de um pro­fes­sor de So­ci­o­lo­gia nos meus tem­pos de fa­cul­da­de. Na épo­ca, es­pan­tei-me e o ques­ti­o­nei no cor­re­dor. Ele me dis­se que não ti­nha tem­po pa­ra ex­pli­car, que o pro­cu­ras­se de­pois. Re­sol­vi en­tão, me vi­rar so­zi­nho e fui pes­qui­sar na bi­bli­o­te­ca. Não ha­via In­ter­net. Is­so foi no fi­nal dos anos 80 e a Cons­ti­tui­ção era um re­cém-nas­ci­do. E não é que o pro­fes­sor ti­nha lá su­as ra­zões?

Ve­ja­mos. Con­for­me aci­ma, no Bra­sil a gen­te pra­ti­ca vo­to ma­jo­ri­tá­rio (ape­nas uma va­ga em dis­pu­ta, no ca­so do se­na­dor po­dem ser du­as) pa­ra car­go exe­cu­ti­vo e pro­por­ci­o­nal pa­ra par­la­men­tar. Pon­to pa­ra nós. Há paí­ses su­per­ci­vi­li­za­dos (EUA e In­gla­ter­ra) que es­co­lhem par­la­men­tar por ma­jo­ri­tá­rio (é o cha­ma­do dis­tri­tal sim­ples ou pu­ro), sis­te­ma que cos­tu­ma con­du­zir ao bi­par­ti­da­ris­mo, for­mar oli­gar­qui­as e pre­ju­di­car mi­no­ri­as. O que di­zer do pre­si­den­te ame­ri­ca­no, en­tão, elei­to por co­lé­gio elei­to­ral?

Até o ma­jo­ri­tá­rio no Bra­sil é mais jus­to. Em lo­ca­li­da­de com mais de 200 mil ha­bi­tan­tes te­mos se­gun­do tur­no, ex­ce­to pa­ra se­na­do­res. Há paí­ses que ado­tam mai­o­ria sim­ples, fa­zen­do com que um su­jei­to do exe­cu­ti­vo se­ja elei­to por 25% a 30% dos vo­tos. O se­gun­do tur­no ga­ran­te mai­o­ria ab­so­lu­ta e fim de pa­po. Pon­to pa­ra nós.

No pro­por­ci­o­nal, o bra­si­lei­ro vo­ta em lis­ta aber­ta. Ou se­ja: di­re­ta­men­te no can­di­da­to. É co­mo se hou­ves­se uma lis­ta em nos­sa fren­te e a gen­te pin­ças­se nos­so can­di­da­to de den­tro de­la. “É vo­cê que eu que­ro, meu fo­fo.” So­men­te Bra­sil e Fin­lân­dia ado­tam lis­ta aber­ta. Nos ou­tros paí­ses, a re­la­ção de can­di­da­tos é fe­cha­da e o elei­tor es­co­lhe so­men­te par­ti­do ou co­li­ga­ção. Os elei­tos são os pri­mei­ros da lis­ta. Se o par­ti­do ou co­li­ga­ção ti­ver di­rei­to a 10 ve­re­a­do­res ou de­pu­ta­dos, se­rão au­to­ma­ti­ca­men­te os 10 pri­mei­ros da re­la­ção, fei­ta an­te­ri­or­men­te pe­los par­ti­dos. O elei­tor não po­de es­co­lher can­di­da­tos, ape­nas o par­ti­do. No Bra­sil, não. Nós es­co­lhe­mos o su­jei­to lá den­tro, na lis­ta aber­ta. Mais um pon­to pa­ra nós.

Nos­so quo­ci­en­te elei­to­ral é ma­te­ma­ti­ca­men­te jus­to: nú­me­ro de vo­tos vá­li­dos di­vi­di­dos pe­lo nú­me­ro de ca­dei­ras no par­la­men­to. Há paí­ses que cal­cu­lam o quo­ci­en­te usan­do o nú­me­ro to­tal de elei­to­res ou da po­pu­la­ção. Não é jus­to, pois nem to­do mun­do vo­ta, e vo­ta vá­li­do. O jus­to é con­si­de­rar ape­nas os vá­li­dos. Ou­tro pon­to pa­ra nós. No Bra­sil, bran­co e nu­lo só ser­vem pa­ra es­ta­tís­ti­ca.

Vol­te­mos ao ca­ca­re­co. Mui­tos cri­ti­cam o sis­te­ma pro­por­ci­o­nal bra­si­lei­ro por per­mi­tir o ca­ca­re­co, que so­zi­nho ul­tra­pas­sa o quo­ci­en­te elei­to­ral vá­ri­as ve­zes e le­va três ou qua­tro can­di­da­tos inex­pres­si­vos jun­tos co­mo ele.

É es­qui­si­to, mas não in­jus­to. Que cul­pa tem a lei se o elei­tor vo­ta no ca­ca­re­co? A lei le­va em con­ta o vo­to, sem­pre. Se o su­jei­to vo­tou em al­guém, sua von­ta­de é res­pei­ta­da. Se o vo­to é vá­li­do, va­le, des­cul­pem o ple­o­nas­mo. Quem in­ter­pre­ta tal can­di­da­to co­mo ca­ca­re­co so­mos nós, não a lei. O le­gis­la­dor, ao ela­bo­rar tal nor­ma, es­ta­va im­buí­do de ra­zão. Qual­quer que se­ja o vo­to (vá­li­do) tem de ser com­pu­ta­do.

Se al­guém me­xer nes­ta ca­rac­te­rís­ti­ca, pa­ra evi­tar o ca­ca­re­co, der­ru­ba to­do o sis­te­ma pro­por­ci­o­nal. É a ba­se de­le. Aliás, as van­ta­gens des­ta me­to­do­lo­gia são mai­o­res que as des­van­ta­gens. Tem gen­te que de­fen­de o dis­tri­tal sim­ples pa­ra car­go par­la­men­tar. É con­tro­ver­so, co­mo tu­do nes­te mun­do, mas mui­tos as­se­gu­ram que o dis­tri­tal pu­ro, por ser ma­jo­ri­tá­rio, con­duz ao bi­par­ti­da­ris­mo e pre­ju­di­ca as mi­no­ri­as que não têm di­nhei­ro pa­ra in­ves­tir na cam­pa­nha e fi­cam de fo­ra. Di­ga­mos que o dis­tri­to (bair­ro) de San­to Ama­ro, cá na Ca­pi­tal, te­nha di­rei­to a 10 ve­re­a­do­res. Pro­va­vel­men­te, pe­lo vo­to ma­jo­ri­tá­rio, se­rão elei­tos os 10 mais ri­cos. Te­mos de re­co­nhe­cer, po­rém, que o dis­tri­tal pu­ro apre­sen­ta uma se­nho­ra van­ta­gem em re­la­ção ao nos­so pro­por­ci­o­nal de ho­je. Te­o­ri­ca­men­te, va­mos ele­ger al­guém pró­xi­mo a nós e co­nhe­ce­dor dos pro­ble­mas de nos­so dis­tri­to.

Há quem de­fen­da o dis­tri­tal mis­to, cri­a­ção ge­ni­al dos ale­mães após a Se­gun­da Guer­ra, mas mui­to com­pli­ca­do pa­ra ex­pli­car e pi­or pa­ra en­ten­der. Mas em su­ma é o se­guin­te: dos 10 de San­to Ama­ro, me­ta­de se­ria elei­ta por ma­jo­ri­tá­rio e ou­tra pe­lo pro­por­ci­o­nal. As­sim, con­ser­va-se a van­ta­gem do ve­re­a­dor ser do nos­so bair­ro e re­duz a des­van­ta­gem de for­mar oli­gar­qui­as, be­ne­fi­ci­an­do a mi­no­ria. A des­van­ta­gem do cri­a­ti­vo sis­te­ma ale­mão é a di­fí­cil exe­cu­ção e uma ini­fi­ni­da­de de va­ri­a­ções: po­dem ser 50% a 50%, 70 a 30, 60 a 40, 90 a 10 e vai por aí. O elei­tor te­ria de su­fra­gar (de no­vo es­te ver­bo hor­ro­ro­so?) du­as ve­zes. Ima­gi­nem a di­fi­cul­da­de pa­ra en­ten­der tal prá­ti­ca se o nos­so pro­por­ci­o­nal já cau­sa tan­ta ce­leu­ma?

Se o sis­te­ma elei­to­ral bra­si­lei­ro é dos mais de­mo­crá­ti­cos, mes­mo por­que é re­cen­te e foi fei­to com ba­se no que já exis­tia no mun­do, di­fe­ren­te de ou­tros paí­ses que ado­ta­ram re­gras, por si só, há sé­cu­los, por que so­fre­mos tan­to com nos­sos po­lí­ti­cos? Res­pon­da co­mo achar me­lhor, meu ami­go. O pro­ble­ma, tal­vez, não es­te­ja no sis­te­ma (a lei) mas na qua­li­da­de. Na qua­li­da­de do elei­tor e do elei­to. E pa­ra is­to, o úni­co re­mé­dio é o tem­po, que fa­rá (tal­vez) do bra­si­lei­ro um elei­tor mais crí­ti­co. O vo­to fa­cul­ta­ti­vo tam­bém po­de­ria co­la­bo­rar pa­ra au­men­tar a qua­li­da­de e re­du­zir o ca­ca­re­co.

Vol­ta­rei mais tar­de com al­gu­mas re­fle­xões so­bre o sis­te­ma nor­te-ame­ri­ca­no. Aí que eu que­ro ver se vo­cês con­ti­nu­a­rão a achar nos­so sis­te­ma elei­to­ral in­jus­to. Vo­cês vão mor­rer de rir com os ian­ques. Co­mo é que a mai­or po­tên­cia do pla­ne­ta, o po­vo mais prag­má­ti­co da ter­ra, que se ufa­na de sua de­mo­cra­cia bi-cen­te­ná­ria, ado­ta um sis­te­ma tão ana­crô­ni­co, bu­ro­crá­ti­co e com­pli­ca­do? É o em­ba­te en­tre tra­di­ção e lei. Eles car­re­gam a tra­di­ção de ca­da Es­ta­do, des­de Washing­ton e Jef­fer­son, e nós bra­si­lei­ros vo­ta­mos ba­se­a­dos nu­ma lei fe­de­ral. Que va­le mais? A lei ou a sa­be­do­ria dos an­ces­trais?

E-mail: otanunes@gmail.com

Compartilhe