Colaboradores

Para sempre amigos

terça-feira, 9 de setembro de 2008 Texto de

Na ja­ne­la am­pla da sa­la de au­la via uma ár­vo­re se­ca; dan­ça­va e me con­vi­da­va, eu não po­dia; ti­nha uma au­la im­por­tan­te, mas con­ti­nu­a­va ob­ser­van­do-a. Es­cre­vi até um con­to ins­pi­ra­do ne­la:

...não que­ro sa­ber de sua ver­da­de não ar­ro­te sua so­ber­ba em ci­ma de mim vou em­bo­ra pe­go a es­tra­da não que­ro ou­vir ve­jo a mon­ta­nha ela me cha­ma não agüen­to fi­car aqui me sin­to en­clau­su­ra­do en­con­tre ou­tro alu­no to­mei oje­ri­za do que quer me en­si­nar de­se­jo sen­tir no­va­men­te a água ge­la­da da ca­cho­ei­ra ob­ser­var a dan­ça do ven­to com a ve­ge­ta­ção da flo­res­ta a mú­si­ca que em­ba­la é o ba­ru­lho da ca­cho­ei­ra que­ro re­en­con­trar So­fia an­dar de bi­ci­cle­ta co­mer uma tor­ta gos­to­sa num ca­fé ca­le a bo­ca não que­ro sa­ber de sua ver­da­de seu na­riz em­pi­na­do me ins­pi­ra idéi­as as­sas­si­nas vou em­bo­ra ve­jo a mon­ta­nha sem­pre ti­ve cu­ri­o­si­da­de de es­ca­lá-la se­rá que en­con­tra­rei du­en­des e fa­das? Há uma len­da de que um po­e­ta apai­xo­nou-se por uma fa­da e su­biu à mon­ta­nha nun­ca nin­guém mais o en­con­trou So­fia vo­cê é uma fa­da? vou em­bo­ra ca­le a bo­ca não que­ro sa­ber de sua ver­da­de...

Às ve­zes, a voz do pro­fes­sor es­ta­va lon­ge e pre­ci­sa­va en­fi­ar a pon­ta do lá­pis na pal­ma da mão, pa­ra re­tor­nar à au­la. O cam­pus era per­to da Baía, se fos­se lim­pa mer­gu­lha­ria em su­as águas ne­gras e con­vi­da­ria a ár­vo­re-se­ca-dan­ça­ri­na a na­dar co­mi­go. Co­men­tei com uma co­le­ga, que se afas­tou de mim, dis­se a to­dos que sou lou­co. Meus pais me for­ça­ram a ir ao psi­có­lo­go. Fui, seu no­me era Ma­ri­nil­da Ma­ria, di­zia que já viu gno­mos e até fez pi­que­ni­que com eles; com­bi­na­mos lan­char no cam­pus.

Os gno­mos apa­re­ce­ram e ape­sar da mi­nha ami­ga ár­vo­re ser um pou­co tí­mi­da, veio. Con­ver­sá­va­mos so­bre tu­do. Ma­ri­nil­da le­van­tou a blu­sa e re­ve­lou que de­se­ja­va co­lo­car si­li­co­ne; to­dos nós con­cor­da­mos que não pre­ci­sa­va, seus sei­os eram lin­dos. Ela fi­cou fe­liz, mas re­a­fir­mou que iria ope­rar; mi­nha ami­ga con­fes­sou que que­ria bo­tar sei­os gran­des tam­bém e Ma­ri­nil­da a apoi­ou; os gno­mos dis­se­ram que ia fi­car mais be­la. Eu con­cor­dei meio em dú­vi­da, re­al­men­te, uma ár­vo­re com sei­os fi­ca­ria mui­to es­tra­nho pa­ra mim.

Um dia, Ma­ri­nil­da Ma­ria de­sa­pa­re­ceu. O mal­di­to pai psi­qui­a­tra a in­ter­nou e a dei­xou bo­ba, por cau­sa dos cho­ques na ca­be­ça. Li­gou pa­ra os meus pais pa­ra fa­zer a mes­ma coi­sa co­mi­go. Fu­gi com a ár­vo­re-se­ca-dan­ça­ri­na e os gno­mos.

Vi­ra­mos mam­bem­bes e des­bra­va­re­mos to­dos os can­tos da Amé­ri­ca la­ti­na.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe