Crônicas

Show particular

terça-feira, 6 de outubro de 2015 Texto de

Pen­sou as­sim: co­mo é que po­de al­guém di­zer tan­ta coi­sa bo­ni­ta? Ah, a de­si­gual­da­de é re­al, e co­mo é! Per­ce­beu que ele aper­ta­va sua mão e aos pou­cos a le­va­va pa­ra pou­sar so­bre sua co­xa es­quer­da, sen­tiu aque­le ar­re­pio de sem­pre na nu­ca, um ar­re­pio que, fei­to có­li­ca de rim, vo­cê não sa­be di­rei­to on­de es­tá, sa­be? To­ma vo­cê in­tei­ra, não dá tem­po de con­cluir so­bre ori­gens e con­sequên­ci­as, é só mes­mo o rom­pan­te do fenô­me­no. E pron­to. Pra que ex­pli­car?

No ins­tan­te se­guin­te, tal­vez um mi­nu­to a mais, tal­vez dois, sa­be-se lá, te­ve a im­pres­são de que ele ha­via, sem que ela ti­ves­se per­ce­bi­do, avan­ça­do um pou­qui­nho além na sua pro­pos­ta de um con­ta­to mais ín­ti­mo. Mas, pra di­zer a ver­da­de, fi­ca­va qua­se em êx­ta­se sem­pre que ou­via to­das aque­las pa­la­vras chei­as de um não sei quê. Pa­re­ci­am im­preg­na­das, as pa­la­vras, de al­gu­ma es­sên­cia ca­paz de im­por ao mun­do um no­vo sen­ti­do ou à Ter­ra, uma no­va ro­ta­ção.

Fá­bu­las apai­xo­nan­tes, his­tó­ri­as de amor, con­cei­tos so­ci­ais, crí­ti­cas po­lí­ti­cas, o que mais ha­ve­ria de in­te­res­san­te em tu­do aqui­lo que ele di­zia? Per­gun­ta­va-se e per­gun­ta­va-se em meio a um en­le­vo que a dei­xa­va mu­da en­quan­to sob a mão pul­sa­va aque­le vo­lu­me quen­te que ela agar­ra­va qua­se in­vo­lun­ta­ri­a­men­te, aper­tan­do-o com um sor­ri­so de sa­tis­fa­ção es­tam­pa­do na fa­ce. Tam­bém não sa­bia de on­de vi­nha o sor­ri­so, co­mo nun­ca se sa­be de on­de vêm os sor­ri­sos sin­ce­ros.

Os olhos ver­des, o ca­be­lo en­ca­ra­co­la­do, o cor­po ain­da es­guio, o jei­to de li­dar com ela, tu­do con­ti­nu­a­va tão ní­ti­do des­de a pri­mei­ra vez. Se­ria im­pres­são ou a mão ago­ra es­ta­va mo­lha­da?

Es­que­ceu-se dis­so, es­que­ceu-se do po­bre­zi­nho do na­mo­ra­do bem ali ao seu la­do, es­que­ceu-se de tu­do. En­tre­gou-se a um ím­pe­to in­con­tro­lá­vel e er­gueu-se da pol­tro­na pa­ra aplau­dir o Chi­co quan­do ou­viu Não, não fu­ja não, fin­ja que ago­ra eu era o seu brin­que­do, eu era o seu pião, o seu bi­cho pre­fe­ri­do, vem, me dê a mão e, pron­ta pa­ra dar a ele sua mão e tu­do o mais que ele qui­ses­se, pron­ta as­sim é que, bo­ba­men­te, co­me­çou a cho­rar.

Compartilhe