Crônicas

Sou do tempo que...

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015 Texto de

Sou do tem­po que, pa­ra fa­lar com os ami­gos, a gen­te só ti­nha al­gu­mas op­ções: te­le­fo­ne, te­le­fo­ne ce­lu­lar, sky­pe, twit­ter, fa­ce­bo­ok, what­sapp...

Sou do tem­po que a gen­te es­ta­va lu­tan­do con­tra es­sa ba­ba­qui­ce de nor­te, nor­des­te, su­des­te, sul e cen­tro-oes­te.

Sou do tem­po que a gen­te po­dia li­gar a te­le­vi­são com um sim­ples to­que no con­tro­le re­mo­to ou com o pró­prio tom de voz e, se não gos­tas­se do que es­ti­ves­se pas­san­do, era só es­co­lher um ca­nal de mú­si­ca pra ou­vir dei­ta­do no so­fá.

Sou do tem­po que a gen­te se pre­o­cu­pa­va e lu­ta­va con­tra a de­vas­ta­ção das nos­sas flo­res­tas.

Sou do tem­po que pa­ra be­ber uma cer­ve­ja ge­la­da era só ir ao pró­prio fre­e­zer, sa­car de lá uma gar­ra­fa ou uma la­ti­nha e man­dar ba­la.

Sou do tem­po que nos­sos car­ros só fal­ta­vam fa­lar.

Sou do tem­po que pa­ra ir de um la­do ao ou­tro de uma gran­de ci­da­de era só se es­pre­mer en­tre ou­tros se­res hu­ma­nos e pe­gar um trem ve­lo­cís­si­mo cha­ma­do me­trô.

Sou do tem­po que a gen­te es­ta­va co­me­çan­do a ter uma cons­ci­ên­cia am­bi­en­tal e por is­so mes­mo se­pa­ra­va o li­xo or­gâ­ni­co do re­ci­clá­vel.

Sou do tem­po que, de vez em quan­do, a gen­te se pro­gra­ma­va e con­se­guia com­prar bi­lhe­te aé­reo pe­lo pre­ço de uma pas­sa­gem de ôni­bus.

Sou do tem­po que a gen­te po­dia des­cer o ca­ce­te no juiz ba­ba­ca que da­va voz de pri­são pa­ra quem des­res­pei­tas­se o seu des­res­pei­to.

Sou do tem­po que o fi­lho da mu­lher que tra­ba­lha­va lá em ca­sa po­dia es­tu­dar na Unesp e es­ta­va qua­se se for­man­do em al­gu­ma des­sas pro­fis­sões que os ir­mãos da gen­te não pu­de­ram so­nhar.

Sou do tem­po que, em vez de to­mar sor­ve­te der­re­ti­do de car­ri­nho na rua, a gen­te abria o con­ge­la­dor e en­con­tra­va tu­do o que que­ria.

Sou do tem­po que a gen­te fi­ca­va pu­to da vi­da e de­nun­ci­a­va os va­ga­bun­dos que des­res­pei­ta­vam fai­xas de pe­des­tre, sar­je­tas re­bai­xa­das, va­gas pa­ra ido­sos e de­fi­ci­en­tes e ou­tras con­quis­tas da gen­te.

Sou do tem­po que a gen­te po­dia com­prar li­vros mais ba­ra­tos pe­la in­ter­net ou en­tão bai­xar tu­do quan­to era obra his­tó­ri­ca.

Sou do tem­po que as mu­lhe­res se re­la­ci­o­na­vam de igual pa­ra igual com os ho­mens.

Sou do tem­po que a gen­te to­ma­va Co­ca-co­la ou gua­ra­ná quan­do bem en­ten­dia e não ape­nas em di­as de fes­ta.

Sou do tem­po que, em vez de se re­trair, a gen­te fa­la­va bes­tei­ras pra mãe e ela, ao in­vés de cen­su­rar, ria com a gen­te.

Sou do tem­po que, ao in­vés de se fe­char em co­pas, a gen­te saía com os fi­lhos pra to­mar cer­ve­ja e con­ta­va pra eles coi­sas ma­lu­cas da pró­pria ado­les­cên­cia.

Sou do tem­po que as pes­so­as, em vez de se tran­ca­rem em ca­sa com me­do de fan­tas­mas in­cer­tos, saíam às ru­as pa­ra pro­tes­tar con­tra as in­jus­ti­ças do mun­do.

Sou do tem­po que os ami­gos gays po­di­am se di­ver­tir com a gen­te sem se es­con­der da pa­tru­lha so­ci­al de épo­cas pas­sa­das.

Sou do tem­po que a gen­te, em vez de es­pe­rar o anún­cio de quem se­ria o go­ver­na­dor ou pre­si­den­te, ia pa­ra a ur­na es­co­lher quem a gen­te acha­va me­lhor.

Sou do tem­po que des­res­pei­tar mi­no­ri­as pi­so­te­a­das por sé­cu­los e sé­cu­los de re­pres­são po­dia aca­bar em pro­ces­so, em ca­deia, em por­ra­da mo­ral na ca­be­ça dos pre­con­cei­tu­o­sos fi­lhos das pu­tas.

Sou do tem­po que, em vez de obe­de­cer ce­ga­men­te ao pai ou à mãe, a gen­te pen­sa­va e dis­cu­tia com eles o que a gen­te acha­va ser me­lhor.

Sou do tem­po que a gen­te ti­nha cons­ci­ên­cia de to­dos os me­dos, e exa­ta­men­te por is­so a gen­te os en­fren­ta­va.

Sou do tem­po que a gen­te po­dia cri­ti­car quem quer que fos­se, até mes­mo o go­ver­na­dor ou o pre­si­den­te, sem que por cau­sa dis­so fos­se pre­so, es­pan­ca­do, tor­tu­ra­do e mor­to.

Sou do tem­po que a gen­te que­ria por­que que­ria re­cu­pe­rar uma coi­sa le­gal que es­ta­va de­sa­pa­re­cen­do da fa­ce da ter­ra: a hu­ma­ni­da­de a que to­dos es­ta­mos con­de­na­dos.

Sou do me­lhor tem­po em que se pô­de vi­ver até ho­je.

Palavras-chave

Compartilhe