Crônicas

A origem do silêncio

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014 Texto de

Às ve­zes, en­quan­to to­mam umas e ou­tras es­pe­ran­do o sol cair, eles fi­cam em si­lên­cio. Em­bo­ra am­bos se­jam bas­tan­te co­mu­ni­ca­ti­vos, da­que­les ti­pos que dei­xam to­do mun­do bem à von­ta­de – por­que na pre­sen­ça de­les nin­guém pre­ci­sa se pre­o­cu­par com a pro­du­ção do as­sun­to – e, mais que is­so, da­que­les ti­pos que dei­xam to­do mun­do à von­ta­de sem ul­tra­pas­sar os li­mi­tes do de­sa­gra­dá­vel, em­bo­ra se­jam as­sim, às ve­zes, es­pe­ci­al­men­te quan­do es­tão a sós, só os dois, fi­cam em si­lên­cio.

Não que pla­ne­jem o si­lên­cio. Ou que um de­les in­du­za o ou­tro a si­len­ci­ar. Ou que o si­lên­cio im­po­nha sua for­ça me­di­an­te con­di­ções cri­a­das – ou adap­ta­das – pe­la re­la­ção de am­bos, co­mo se am­bos vi­ves­sem sob uma va­cui­da­de oxi­da­da pe­la pas­sa­gem do tem­po, pe­la pas­sa­gem do tem­po em tor­no de­les. Não pla­ne­jam o si­lên­cio. Não in­du­zem ao si­lên­cio. Não cri­am o va­zio pa­ra que o si­lên­cio caia so­bre eles. Mas às ve­zes si­len­ci­am.

Si­len­ci­am co­mo a fo­lha que tan­tas ve­zes ve­mos zan­zar pe­lo ar sem que de seu mer­gu­lho he­si­tan­te pos­sa­mos ex­trair qual­quer avi­so rui­do­so da que­da imi­nen­te. Ou co­mo o pei­xe que, den­tro do aquá­rio, po­de dar cam­ba­lho­tas e mes­mo as­sim pas­sa des­per­ce­bi­do de nos­sa au­di­ção. Ou, se ain­da qui­se­rem, co­mo a po­de­ro­sa le­oa se­gun­dos an­tes do ata­que, cu­jo sig­ni­fi­ca­do pa­re­ce im­plo­dir o pró­prio tem­po em sua se­pul­cral ine­xis­tên­cia de som.

Mas, cla­ro, es­sas são ape­nas abs­tra­ções, abs­tra­ções que po­dem não equi­va­ler ne­ces­sa­ri­a­men­te ao si­lên­cio de­les, ao si­lên­cio de­les na­que­le ins­tan­te em que a tar­de co­me­ça a evo­car, por meio de bre­ves cho­ques elé­tri­cos, o com­ple­xo la­bi­rin­to de nos­sas al­mas. Por­que, de­cer­to, o si­lên­cio de am­bos não tem na­da a ver com fo­lhas que ca­em, com pei­xes pre­sos em vi­dros ou com fe­li­nos ma­ta­do­res. Tal­vez o si­lên­cio de­les não te­nha a ver com ab­so­lu­ta­men­te na­da do que se re­fe­re às coi­sas prá­ti­cas des­ta vi­da.

É que: ve­jam co­mo os olhos de am­bos re­fle­tem uma luz que pa­re­ce ser in­fi­ni­ta. Pres­tem aten­ção ao de­ta­lhe do bri­lho re­fle­ti­do. O bri­lho do olhar de um se cho­ca no bri­lho do olhar do ou­tro. Me­lhor di­zen­do: não se tra­ta de um cho­que, ao me­nos co­mo ge­ral­men­te com­pre­en­de­mos a pa­la­vra cho­que, acho que se­ria me­lhor usar con­fluên­cia, co­mo a con­fluên­cia de águas de dois ri­os, dois ri­os que se jun­tam le­van­do con­si­go, ca­da um dos dois, seu pró­prio bri­lho ao sol, seu pró­prio re­fle­xo, mas as­sim mes­mo am­bos se mis­tu­ram e com­põem um no­vo bri­lho, um no­vo re­fle­xo, uma no­va água.

Acho que é es­se bri­lho, es­se re­fle­xo, es­sa tro­ca, es­sa sim­bi­o­se e, por fim, es­sa me­ta­mor­fo­se, tu­do is­so nu­ma só es­sên­cia, acho que é is­so que re­ver­be­ra e, co­mo num no­vo cor­po, co­mo num no­vo cor­po inex­plo­ra­do, é ca­paz de re­ben­tar num si­lên­cio tão pu­ro. E tão inex­pli­cá­vel.

Palavras-chave

Compartilhe