Crônicas

Quando Franco Nero me salvou

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014 Texto de

Tí­nha­mos en­fren­ta­do uma tar­de pe­sa­dís­si­ma na­que­le ve­rão do ano 2000. Tal­vez uma das pi­o­res de nos­sas vi­das pro­fis­si­o­nais. Ha­vía­mos par­ti­ci­pa­do de uma reu­nião em que foi fei­to o co­mu­ni­ca­do ofi­ci­al do fe­cha­men­to do jor­nal on­de tra­ba­lhá­va­mos. O no­me até sim­bo­li­za um pou­co aque­la da­ta: “Dia D”, pu­bli­ca­ção que se se­guiu ao “Diá­rio de Bau­ru” por al­guns me­ses.

Era a ten­ta­ti­va de­ses­pe­ra­da de evi­tar o nau­frá­gio fi­nal. Mas não deu, co­mo to­dos sa­bem.

Bem, re­sol­ve­mos afo­gar as má­go­as num bar da ave­ni­da Na­ções Uni­das. Fo­mos pa­ra lá à tar­de­zi­nha. Pe­lo meio da ma­dru­ga­da ain­da res­ta­vam meia dú­zia de pro­fis­si­o­nais in­con­for­ma­dos com a pe­ça que o des­ti­no nos ti­nha pre­ga­do. Já tí­nha­mos fa­la­do de mo­men­tos mar­can­tes, de si­tu­a­ções en­gra­ça­das, de co­le­gas, de en­tre­vis­ta­dos, de ma­té­ri­as, de fu­ros, de ca­pas, de fo­tos, de char­ges. Já tí­nha­mos nos di­ver­ti­do com tan­tas lem­bran­ças! E cho­ra­do tam­bém.

A cer­ta al­tu­ra, fa­lá­va­mos de ci­ne­ma e ten­tá­va­mos lem­brar o no­me do ator de “Djan­go”, fil­me de 1966, aque­le em que ele che­ga ao vi­la­re­jo ar­ras­tan­do um mis­te­ri­o­so cai­xão de de­fun­to. Al­guém dis­se Giu­li­a­no Gem­ma, mas não era. Es­se era o Rin­go. Sur­gi­ram ou­tros no­mes, mas na­da. Não eram eles. Não eram! As­sim, en­quan­to tra­tá­va­mos de to­mar a sai­dei­ra nú­me­ro vin­te e cin­co, no­vos te­mas cir­cu­la­ram pe­la me­sa sob os olha­res de fa­ro­es­te dos gar­çons que de­se­ja­vam que fôs­se­mos em­bo­ra.

Mas eis que num re­lan­ce me veio o no­me. Não sei quem es­ta­va com a pa­la­vra, mas eu a cor­tei com um ber­ro: Fran­co Ne­ro!!!

Fi­ca­mos al­guns se­gun­dos em si­lên­cio. Os gar­çons nos olha­ram co­mo se fôs­se­mos lou­cos. E en­tão caí­mos na gar­ga­lha­da ge­ral.

Foi um gri­to que mis­tu­rou rai­va, sa­tis­fa­ção e de­sa­ba­fo. Acho que ti­nha a ver com aque­les di­as que es­tá­va­mos vi­ven­do, na an­tes­sa­la do fe­cha­men­to do jor­nal que ado­rá­va­mos fa­zer. Lem­bro que me sen­ti mais le­ve. Qua­se fe­liz. Uma bo­ba­gem que nos fez rir em vol­ta da me­sa.

De vez em quan­do, es­sa his­tó­ria me vem à ca­be­ça. E sem­pre me di­vir­to com ela. Tam­bém gos­to de con­tá-la quan­do pos­so.

Há mo­men­tos em que es­tou pu­to da vi­da com al­gu­ma si­tu­a­ção e me pe­go fa­lan­do em voz al­ta: Fran­co Ne­ro!!! Co­mo se fos­se um man­tra. Uma voz que vem de den­tro e me sal­va de an­gús­ti­as. Fran­co Ne­ro!!!

Palavras-chave

Compartilhe