Crônicas

A terceira vértebra

quinta-feira, 10 de julho de 2014 Texto de
Neymar caído após levar joelhada nas costas durante jogo da Copa do Mundo (Foto: FABRIZIO BENSCH / AFP)

Ney­mar caí­do após le­var jo­e­lha­da nas cos­tas du­ran­te jo­go da Co­pa do Mun­do (Fo­to: FABRIZIO BENSCH / AFP)

O acir­ra­men­to das dis­pu­tas elei­to­rais pro­me­te a par­tir de ago­ra, com o fim da Co­pa, ex­por o ma­ni­queís­mo cul­ti­va­do por boa par­te de par­ti­dá­ri­os pe­tis­tas e tu­ca­nos. Vem aí mais uma gran­de guer­ra en­tre o bem e o mal, la­dos an­tagô­ni­cos cu­jas co­res se al­te­ram con­for­me a ori­gem dos ata­ques. E no meio do fo­go cru­za­do do in­sa­no bes­tei­rol que jor­ra­rá de fon­tes va­ri­a­das o elei­tor tam­bém faz mui­to pou­co pa­ra mu­dar seu des­ti­no de ga­do en­cur­ra­la­do.

Bas­ta aces­sar as re­des so­ci­ais ou apu­rar a au­di­ção per­to de uma ou ou­tra ro­di­nha de ci­da­dãos dis­pos­tos a dis­cu­tir os ru­mos do país pa­ra com­pre­en­der um pou­co de nos­sa es­tag­na­ção po­lí­ti­ca. Os de­ba­tes são qua­se sem­pre ra­sos e vol­ta­dos a de­ter­mi­na­das fi­gu­ras pú­bli­cas, can­di­da­tos ou go­ver­nan­tes. A ve­lha cren­ça de sal­va­do­res da pá­tria não mor­re.

É co­mo se o ma­es­tro pu­des­se to­car ao mes­mo tem­po to­dos os ins­tru­men­tos da or­ques­tra.

A Co­pa aca­ba de nos dar um exem­plo em­ble­má­ti­co des­se com­por­ta­men­to ain­da en­rai­za­do, de mo­do ge­ral, à cul­tu­ra la­ti­no-ame­ri­ca­na. Ney­mar era a so­lu­ção de to­dos os nos­sos pro­ble­mas fu­te­bo­lís­ti­cos. Só ele po­de­ria nos sal­var de uma cam­pa­nha ve­xa­tó­ria. E quan­do hou­ve a le­são de sua ter­cei­ra vér­te­bra, foi co­mo se o ti­me in­tei­ro ti­ves­se se do­bra­do a uma dor con­ta­gi­an­te.

As­sim co­mo na se­le­ção, on­de a re­a­li­da­de atu­al do fu­te­bol não per­mi­te mais a fór­mu­la do “cra­que e mais dez”, tam­bém na po­lí­ti­ca a con­cep­ção do cau­di­lho de­ve­ria es­tar de­vi­da­men­te se­pul­ta­da. Já é tem­po de aban­do­nar a de­fe­sa ce­ga de can­di­da­tos que vão nos de­cep­ci­o­nar ali na fren­te. Pre­ci­sa­mos dis­cu­tir pro­je­tos. E en­tão es­co­lher bons no­mes pa­ra to­cá-los.

Pou­co im­por­ta a fi­gu­ra in­di­vi­du­al do po­lí­ti­co des­de que ele se­ja elei­to por su­as idei­as. Ho­je, en­tre­tan­to, ca­mi­nha­mos con­tra o ven­to. Ba­si­ca­men­te nos im­por­ta seu com­por­ta­men­to, sua re­li­gião, sua ca­ri­nha sim­pá­ti­ca e até sua for­ma fí­si­ca! Não sa­be­mos qua­se na­da de su­as idei­as.

Uma se­le­ção de fu­te­bol ou um país só evo­lui com bo­as tá­ti­cas. Não há mais Pe­lés ou Gar­rin­chas e mui­to me­nos za­guei­ros bo­bos que fa­ci­li­tam a gló­ria dos cra­ques. As­sim co­mo não há mais es­pa­ço pa­ra dis­cur­sos cen­tra­dos nu­ma en­ga­no­sa ca­pa­ci­da­de in­di­vi­du­al de can­di­da­tos que se lan­çam ao ata­que sem qual­quer pro­je­to po­lí­ti­co, fin­ca­dos em pa­la­vras va­zi­as que mur­cham tão lo­go eles che­gam ao po­der.

A ter­cei­ra vér­te­bra de Ney­mar lo­go es­ta­rá co­la­da. O ve­xa­me dos 7 a 1, não. No fu­te­bol ou na po­lí­ti­ca, pa­ra a se­le­ção ou pa­ra o país, po­de ser trá­gi­co con­fi­ar nu­ma úni­ca co­lu­na cer­vi­cal. Che­ga de le­var jo­e­lha­da nas cos­tas!

Compartilhe