Crônicas

Uma força estranha

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014 Texto de

Eu o en­con­trei ou­tro dia, já nes­ta épo­ca de tem­pe­ra­tu­ras além da con­ta etc. Fa­zia um bom tem­po que não o via. Pra di­zer a ver­da­de, não é um ami­go, ami­go. É, di­ga­mos, um co­nhe­ci­do que eu res­pei­to. Sem­pre me pa­re­ceu ser boa gen­te, além de car­re­gar con­si­go uma enor­me in­te­li­gên­cia. Ao me­nos es­sa é mi­nha im­pres­são.

Na cal­ça­da, sob o so­lão pós-al­mo­ço, con­vi­dei-o pa­ra to­mar um ca­fé. Mas sem um ca­fé por per­to, re­sol­ve­mos en­trar num bar. Pe­di­mos só água ge­la­da. Não ha­via de mi­nha par­te o me­nor in­te­res­se num pa­po mais lon­go do que uma gar­ra­fi­nha de 500 ml. Foi quan­do eu fiz a per­gun­ta ine­vi­tá­vel co­mo vai a vi­da?

E ele me dis­se.

“Olha, ra­paz, na­da é fá­cil, não é mes­mo? Ou­tro dia en­con­trei um ami­go de lon­ga da­ta que eu não via fa­zia um bom tem­po”, diz-me, “pra di­zer a ver­da­de, não é um ami­go, ami­go. É, di­ga­mos, um co­nhe­ci­do que eu res­pei­to. Pa­po vai pa­po vem”, con­ti­nua ele, “ele me diz que tu­do es­ta­va mui­to com­pli­ca­do, na­da es­ta­va dan­do mui­to cer­to na vi­da de­le, es­sas coi­sas cha­tas de se ou­vir. Até que da­li a pou­co a gen­te se des­pe­diu e eu vi que ele en­trou num bai­ta car­rão, sa­be?”, diz-me ele, “Aí fi­quei me per­gun­tan­do, por­ra, se ele tá mal, e eu en­tão?”.

“Bom”, diz ele de­pois de rir­mos um pou­co, “a ver­da­de é que pou­ca gen­te pa­re­ce es­tar con­ten­te com a vi­da que le­va, vo­cê es­tá?”, per­gun­ta-me, mas não me dá tem­po de res­pon­der, “Não, acho que nin­guém es­tá”, diz ele, “acho que são pou­cos os que es­tão re­al­men­te fe­li­zes, mas is­so é pró­prio do ser hu­ma­no, is­so não quer di­zer que nun­ca es­te­jam fe­li­zes”.

“Eu?”, ele be­be meia gar­ra­fi­nha de água de­pois que eu lhe per­gun­to vo­cê, ele, es­tá? “Már­cio, é uma ques­tão com­pli­ca­da, sa­be por quê?”, per­gun­ta-me, mas só mes­mo pa­ra con­ti­nu­ar sua te­se, “Por­que eu po­de­ria te con­tar um mon­te de coi­sas ruins que me acon­te­ce­ram” e em se­gui­da con­ta um mon­te de coi­sas ruins que lhe acon­te­ce­ram.

E são coi­sas ruins, mes­mo! Vá­ri­os pro­je­tos pro­fis­si­o­nais não em­pla­cam, es­tá de­sem­pre­ga­do, cheio de dí­vi­das, vi­ve qua­se à cus­ta de em­prés­ti­mos, al­guns ban­cá­ri­os, ou­tros fa­mi­li­a­res. Mas o cu­ri­o­so é que ao nar­rar tais me­an­dros de sua vi­da nos úl­ti­mos anos, ele pa­re­ce não en­tre­gar os pon­tos, pe­lo me­nos não tan­to co­mo quan­do diz ter tra­ba­lha­do des­de ce­do, “sem­pre ten­do em vis­ta a cor­re­ção, a éti­ca, o pro­fis­si­o­na­lis­mo, en­fim, sem­pre bus­can­do dar o me­lhor que al­guém po­de dar. E pra quê?”, per­gun­ta-me e con­ti­nua, “Às ve­zes eu me per­gun­to pra quê?”.

Mas, de­pois de um mo­men­to de he­si­ta­ção, ele diz al­go que me cha­ma ain­da mais a aten­ção, di­go ain­da mais por­que eu já me sen­tia so­li­dá­rio di­an­te de su­as di­fi­cul­da­des.

“Már­cio”, diz ele um se­gun­do após en­go­lir o res­ti­nho de água de sua gar­ra­fa, “é in­crí­vel nos­sa ca­pa­ci­da­de de re­sis­tên­cia, vo­cê não acha?”, per­gun­ta-me só pa­ra ele mes­mo res­pon­der. “So­mos uns bi­chos re­sis­ten­tes. Ve­ja mi­nha si­tu­a­ção, cheio de pro­je­tos fra­cas­sa­dos, de­sem­pre­ga­do, sem di­nhei­ro, com dí­vi­das, e mes­mo as­sim há di­as em que eu sin­to uma for­ça in­te­ri­or tão in­ten­sa que fi­co im­pres­si­o­na­do. Cla­ro”, diz ele, “eu gas­to mui­tas ho­ras com la­men­ta­ções, com re­fle­xões a res­pei­to des­ses fra­cas­sos, com pes­si­mis­mo, com uma ideia per­sis­ten­te de que na­da mais vai dar cer­to na mi­nha vi­da, mas vou te di­zer uma coi­sa”, e ele me diz, “às ve­zes vem de al­gum lu­gar aqui den­tro”, e to­ca o pei­to com uma das mãos, “es­sa for­ça que eu te dis­se, não é que eu a cha­me ou mes­mo à quei­ra, por­que quan­do a gen­te es­tá de­pres­si­vo pa­re­ce que na­da va­le a pe­na, mui­to me­nos re­cor­rer a um âni­mo es­con­di­do em al­gu­ma par­te de nos­so cor­po ou de nos­sa al­ma, mas as­sim mes­mo es­sa for­ça vem”, ele me en­ca­ra, “as­sim mes­mo ela vem, Már­cio, não sei de on­de, mas ela vem”.

Fa­la­mos mais al­gu­mas ba­na­li­da­des etc. Saí­mos à rua e nos des­pe­di­mos. Na mai­o­ria dos di­as saio a pé. Não sei se é bo­ba­gem, mas pro­cu­ro evi­tar o uso cons­tan­te do car­ro. Acho que é sau­dá­vel. Pa­ra o cor­po e pa­ra o meio am­bi­en­te. Co­me­cei a ca­mi­nhar pe­la cal­ça­da e na mi­nha ca­be­ça não ha­via a cal­ça­da. Ha­via o ca­mi­nho do sí­tio on­de nas­ci e vi­vi até os se­te anos, ha­via as ár­vo­res e o pé de jas­mim em fren­te à va­ran­da da ca­sa da mi­nha avó, che­guei até a sen­tir seu aro­ma, ha­via a es­tra­da que le­va à ci­da­de, a ro­do­via que li­ga a Bau­ru, as ro­do­vi­as que li­gam a São Pau­lo e a ou­tras tan­tas ci­da­des on­de tra­ba­lhei, ha­via uma es­tra­da des­co­nhe­ci­da tam­bém. Tal­vez pa­ra me mos­trar que ain­da ha­ja tem­po de en­con­trar pe­lo ca­mi­nho es­sa mes­ma for­ça es­tra­nha da qual ele me fa­lou.

Palavras-chave

Compartilhe