Crônicas

O jornalismo como ele era

sexta-feira, 10 de Janeiro de 2014 Texto de

A me­sa es­ta­va cheia de pa­péis.

Em tor­no de­la dis­cu­tía­mos pau­tas e... a me­lhor so­lu­ção pa­ra o mun­do.

Nes­sas oca­siões sem­pre ha­via pro­gres­sis­tas, re­tró­gra­dos, es­quer­dis­tas, di­rei­tis­tas.

Às ve­zes o tom su­bia, as idei­as de­sem­bes­ta­vam, a bo­ca es­quen­ta­va.

De­pois, to­dos se acal­ma­vam.

Is­so não re­sol­ve na­da, di­zia al­guém.

O mais im­por­tan­te era o me­lhor en­ca­mi­nha­men­to da pau­ta.

As ide­o­lo­gi­as, bem... as ide­o­lo­gi­as es­ta­ri­am sem­pre ali, pre­sen­tes, dis­cu­ti­das, de­fen­di­das, opri­mi­das...

Não ha­via te­le­fo­nes ce­lu­la­res pa­ra con­ver­sar. Con­ver­sá­va­mos en­tre nós, mes­mo.

E de mi­nu­tos em mi­nu­tos, sob o si­lên­cio e a ex­pec­ta­ti­va dos de­mais, um de nós vol­ta­va a er­guer a voz pa­ra di­tar o ru­mo das coi­sas:

- Che­fia, des­ce mais du­as ge­la­das pra gen­te.

A me­sa es­ta­va cheia de pa­péis. De vez em quan­do, o gar­çom re­co­lhia tu­do.

Palavras-chave

Compartilhe