Crônicas

A força do silêncio

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013 Texto de
 Mandela em 1961 (Foto: Eli Weinberg)


Man­de­la em 1961 (Fo­to: Eli Wein­berg)

Eu es­ta­va num bar. Pen­san­do: não é fá­cil cur­tir uma so­li­dão. O mun­do não es­tá pre­pa­ra­do pa­ra is­so. Se nu­ma reu­nião pú­bli­ca qual­quer, num am­bi­en­te aber­to, até mes­mo num bar!, vo­cê se iso­la por al­guns ins­tan­tes, é qua­se cer­to o res­ga­te: um ami­go, um gar­çom, um “ma­la”, sei lá quem. A ver­da­de é que as pes­so­as pa­re­cem se in­co­mo­dar quan­do al­guém es­tá so­zi­nho num can­to.

Ou­tro dia vi uma en­tre­vis­ta de um so­ció­lo­go ita­li­a­no. Ele di­zia que é di­fí­cil ex­pli­car, às ve­zes à pró­pria mu­lher, que con­tem­plar a vi­da lá fo­ra atra­vés da ja­ne­la po­de sig­ni­fi­car um ár­duo tra­ba­lho. E é ver­da­de.

Uma vez, uma pes­soa (com to­da sin­ce­ri­da­de, não me lem­bro quem foi) me dis­se que qual­quer dia iria ca­mi­nhar co­mi­go à noi­ti­nha. “As­sim a gen­te con­ver­sa um pou­co”, a pes­soa dis­se com cer­to âni­mo. Mas eu não que­ro is­so, pen­sei. E não que­ro mes­mo! Eu gos­to de an­dar so­zi­nho. Não gos­to de con­ver­sar com nin­guém en­quan­to es­tou cum­prin­do meus dez quilô­me­tros. É nes­se per­cur­so que mi­nhas idei­as pe­ram­bu­lam por des­fi­la­dei­ros que em ou­tros mo­men­tos eu não te­ria co­lhões pa­ra fre­quen­tar ou, sei lá, qual­quer coi­sa des­se ti­po.

E, as­sim co­mo a pes­soa que su­ge­riu a pos­si­bi­li­da­de, não é por mal que fa­ço is­so. É ape­nas uma ques­tão de, de, de... li­ber­da­de.

Bom, vol­tan­do ao bar. En­quan­to eu to­ma­va um cho­pe e es­pe­ra­va o san­duí­che que pe­di pa­ra fa­ze­rem, a no­tí­cia da mor­te de Man­de­la ex­plo­dia mun­do afo­ra. Eu sou­be ape­nas de­pois que che­guei em ca­sa, de­pois que to­mei mais uma cer­ve­ja e co­mi o lan­che. E en­tão fi­quei pen­san­do na so­li­dão de Man­de­la. Ele fi­cou pre­so du­ran­te 27 anos! Não por ter co­me­ti­do cri­mes, mas por ter lu­ta­do con­tra o pi­or dos cri­mes. E as­sim mes­mo ele foi jo­ga­do no si­lên­cio por qua­se três dé­ca­das.

Quer mai­or pro­va de co­mo po­de fun­ci­o­nar um si­lên­cio?

Palavras-chave

Compartilhe