Crônicas

Gênese do amor

terça-feira, 17 de dezembro de 2013 Texto de
(Foto: Vicente Melo)

(Fo­to: Vi­cen­te Me­lo)

No sé­ti­mo dia, um se­gun­do an­tes de des­can­sar, Deus olhou em re­dor e de re­pen­te en­tre o si­lên­cio rom­peu-se o som de um ín­fi­mo de­ci­bel, na­da mais, em­bo­ra su­fi­ci­en­te pa­ra ter si­do ou­vi­do por to­dos os con­fins de um mun­do ain­da in­cons­ci­en­te. Deus, na­que­le mo­men­to, ha­via to­ma­do a for­ma de um mi­nús­cu­lo in­se­to e, co­mo se ti­ras­se a po­ei­ra das asas, zum­bia se­gui­da­men­te.

De ci­ma do ga­lho mais al­to da úl­ti­ma ár­vo­re nas­ci­da so­bre a ter­ra, um pen­sa­men­to eco­ou:

- Es­tá tu­do lin­do, mas es­pe­re aí...

Deus en­tão sa­cu­diu-se den­tro do cor­po do in­se­to e nu­ma fra­ção de se­gun­do, se hou­ves­se a pos­si­bi­li­da­de de al­guém ob­ser­var a ce­na, um ma­ca­co pen­du­ra­va-se na gran­de ár­vo­re pe­lo ra­bo. Ba­lan­ça­va-se e ria de si mes­mo.

- Mi­nhas me­lho­res idei­as fo­ram con­ce­bi­das nes­sa po­si­ção...

E sem mais per­der tem­po, en­ca­ra­pi­tou-se de vol­ta ao ga­lho. Con­for­ta­vel­men­te sen­ta­do, ad­mi­rou no­va­men­te sua obra-pri­ma.

- Es­tá tu­do lin­do, lin­do mes­mo, mas que mo­no­to­nia in­su­por­tá­vel!

Vi­ran­do-se pa­ra o chão, acor­dou o an­jo-ta­be­lião, que ron­ca­va en­cos­ta­do ao tron­co com as es­cri­tu­ras pri­mei­ras so­bre as per­nas, abra­çan­do-as co­mo se pu­des­sem rou­bá-las!

- Ve­nha cá, fol­ga­do.

O an­jo-ta­be­lião tra­zia uma ex­pres­são de can­sa­ço, es­fre­ga­va os olhos.

Pen­sou a ele Deus:

- Va­mos re­a­brir o pro­ces­so!

O an­jo-ta­be­lião deu um sal­to pa­ra trás, as­sus­ta­do e con­fu­so.

- Mas, mas...

Ha­via já en­cer­ra­do o li­vro fei­to de fo­lhas, mui­to pa­re­ci­das com a ve­ge­ta­ção se­ca das vi­dei­ras.

- Já, já...

Deus o en­ca­rou de­ti­da­men­te.

- Já, já... até fiz as bor­bo­le­ti­nhas no fim...

Im­pa­ci­en­te com a he­si­ta­ção do an­jo-ta­be­lião, Deus es­ti­cou os bra­ços pe­lu­dos e ar­ca­dos e to­mou de­le o li­vro.

- Tsc, tsc, tsc, vo­cê e su­as ma­ni­as... Mas não há pro­ble­ma, é só in­cluir­mos uma emen­da de­pois das bor­bo­le­ti­nhas.

O an­jo-ta­be­lião mal con­se­guia di­zer pa­la­vra:

- Vai es­tra­gar...

A ima­gem de uma lá­gri­ma pai­rou sob su­as olhei­ras.

- É pa­ra sem­pre, lem­bra?

Deus sus­pi­rou lon­ga­men­te e, an­te­ci­pan­do-se a um fu­tu­ro ape­lo hu­ma­no, re­sig­nou-se.

- Bem, fei­to es­tá...

E de ime­di­a­to, so­bres­sal­ta­do, o an­jo de­sa­bou de no­vo à ter­ra. Ha­via ago­ra di­an­te de si um cor­pu­len­to dra­gão de cu­jas ven­tas des­pren­dia-se al­go se­me­lhan­te a um va­por. E que lo­go se tor­nou uma úni­ca e imen­sa la­ba­re­da que co­briu to­dos os ares do mun­do, sem no en­tan­to cau­sar um da­no se­quer à re­cen­te cri­a­ção.

Pen­sou Deus, sa­tis­fei­to e an­si­o­so:

- Pa­ra is­to não se­rá pre­ci­so re­gis­tro. Não se es­cre­ve. Não se ex­pli­ca. Só se sa­be que es­tá aqui, no ar, de on­de não se­rá pos­sí­vel es­ca­par um só ser vi­vo.

Ex­ta­si­a­do com a for­ma­ção do gran­de fo­go do amor que dei­xou a at­mos­fe­ra im­preg­na­da pa­ra sem­pre, o an­jo-ta­be­lião vol­tou os olhos ao al­to ga­lho e de lá, sem avi­so, um ex­cep­ci­o­nal car­ca­rá ar­re­me­teu-se pe­los ares num voo eter­no e poé­ti­co de di­men­sões in­con­ce­bí­veis.

E a par­tir daí, con­tra­ri­an­do os pró­pri­os es­cri­tos di­vi­nos fir­ma­dos an­tes das bor­bo­le­ti­nhas de­se­nha­das pe­lo an­jo-ta­be­lião, não, não hou­ve, não, ne­nhum des­can­so.

Palavras-chave

Compartilhe