Contos

Minicontos sem ter um porquê

sábado, 14 de setembro de 2013 Texto de

O fi­lho dis­tan­te
Às ve­zes, vi­nha-lhe à ca­be­ça a hi­pó­te­se as­sus­ta­do­ra de que ao fi­car ve­lho, inú­til e, quem sa­be, pa­ra­lí­ti­co, não ha­ve­ria um fi­lho pa­ra bar­beá-lo. Ou ago­ra mes­mo, um pai que se pre­o­cu­pas­se com seu pa­ra­dei­ro.

No fim
Do­na Zo­zó não ti­nha pa­ci­ên­cia pa­ra no­ve­las na te­le­vi­são. Que­ria que as coi­sas se de­sen­ro­las­sem lo­go! Por is­so, pre­fe­ria não as­sis­tir e pron­to. Mas fi­ca­va pu­ta da vi­da se não avi­sas­sem que ho­je se­ria o úl­ti­mo ca­pí­tu­lo. Não re­sis­tia àque­la ten­ta­ção de ver tu­do dar cer­to pa­ra po­der cho­rar com ale­gria.

Aque­le ve­lho
Per­to das ár­vo­res gran­des. Tre­zen­tos me­tros an­tes da fron­tei­ra do po­en­te. Sam­sung, di­zi­am. Não a mul­ti­na­ci­o­nal de tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção. Tal­vez Sam­sung uma va­ri­a­ção de sem sun­ga, sem­sun­ga, sem­sung, sam­sung no so­ta­que de­les. Sam­sung vi­via nu. E ti­nha as gen­gi­vas tão ruins que pas­sou a vi­da in­tei­ra sem sor­rir. Até que, já de­bi­li­ta­do, aban­do­na­do, sem mais nin­guém, en­tre­gou-se a um pra­zer des­co­nhe­ci­do qua­tro se­gun­dos an­tes de mor­rer: sor­riu com a bo­ca es­can­ca­ra­da até sen­tir o ven­to var­rer-lhe a ti­mi­dez. Até ho­je, per­to das ár­vo­res gran­des, o sol se põe fe­liz. Por res­pei­to ao ve­lho.

Palavras-chave

Compartilhe