Crônicas

O enterro (de João Marcos Blanco Dias)

terça-feira, 5 de Março de 2013 Texto de

Foi meu ir­mão quem in­ven­tou o pla­no: “va­mos dis­pen­sar o car­ri­nho de ro­das e le­var o Mar­cos no bra­ço”. Da sa­la de ve­ló­rio ao tú­mu­lo, uns du­zen­tos me­tros, dos quais a me­ta­de em su­bi­da ín­gre­me. De­pois de con­sul­tar­mos um quó­rum mí­ni­mo de seis, mais dois ou três pa­ra o re­ve­za­men­to, tu­do apro­va­do.

Du­as da tar­de, mui­to sol em São Pau­lo. Sob for­te emo­ção, saí­mos com o cai­xão. Quan­do vo­cê pe­ga uma ge­la­dei­ra, um ar­má­rio ou uma cai­xa pe­sa­da, sua for­ça con­den­sa-se num ob­je­ti­vo úni­co: car­re­gar. Quan­do vo­cê pe­ga a al­ça de um cai­xão e den­tro vai al­guém que vo­cê ama, sua for­ça, ao in­vés de con­den­sar-se, es­par­ra­ma-se: na co­mo­ção, na tris­te­za, nas lem­bran­ças, no aper­to de seu co­ra­ção des­tro­ça­do.

Sua for­ça he­si­ta, os­ci­la e por fim va­ci­la. Mas é pre­ci­so le­var o pla­no até o fim. Vo­cê en­tão re­cons­ti­tui a for­ça com­ba­li­da. Es­ta­mos ini­ci­an­do a su­bi­da ín­gre­me. A mai­o­ria com a par­te fí­si­ca des­pre­pa­ra­da fun­ga dis­far­ça­da­men­te.

Lo­go atrás vem o som de pés que se ar­ras­tam, que sus­ten­tam cor­pos de­bi­li­ta­dos pe­lo so­fri­men­to da per­da, al­mas an­gus­ti­a­das que se en­chem de per­gun­tas sem res­pos­tas. Mas é pre­ci­so le­var o pla­no até o fim, até o fim!

O pe­lo­tão res­pi­ra pe­no­sa­men­te, as mãos su­a­das es­cor­re­gam nas al­ças li­sas, os pas­sos tor­nam-se pe­sa­dos, fal­tam pou­cos me­tros, nós que­re­mos che­gar, es­ta­mos na re­ta fi­nal de uma ho­me­na­gem que qui­se­mos pres­tar, nos­sos co­ra­ções ago­ra ba­tem a to­da, o ja­zi­go aber­to es­tá lo­go ali, as flo­res bri­lhan­do ao sol, a ter­ra aguar­dan­do pa­ra sua em­bos­ca­da fi­nal, uma le­ve bri­sa pas­san­do pe­las fo­lhas das ár­vo­res e lam­ben­do nos­sos ros­tos re­so­lu­tos.

Va­mos até lá, até o va­zio es­cu­ro, va­mos até on­de for pre­ci­so por­que em nos­so ín­ti­mo re­ben­ta a im­po­tên­cia ine­xo­rá­vel so­bre o juí­zo da vi­da e, in­con­for­ma­dos com is­so, que­re­mos ao me­nos mos­trar que com aque­le car­ri­nho fi­lho da pu­ta nós po­de­mos.

Não, car­ri­nho! Nós é que va­mos car­re­gar o Mar­cos pa­ra seu so­no eter­no, pa­ra sua ou­tra vi­da ou pa­ra o des­co­nhe­ci­do. Por­que vo­cê, car­ri­nho, é só um mon­te de fer­ros e plás­ti­cos. E nós so­mos de car­ne e os­so. De san­gue e sen­ti­men­to. De cor­po e al­ma. E nos­sa frá­gil hu­ma­ni­da­de é o que nos faz que­rer es­sa pe­que­na vin­gan­ça so­bre vo­cê. Nós o es­co­lhe­mos, nós o de­sa­fi­a­mos.

Che­ga­mos! E um co­chi­cho unís­so­no em nos­sos pen­sa­men­tos per­pas­sa o gra­ma­do ver­de do ce­mi­té­rio e nos traz de vol­ta o do­mí­nio da si­tu­a­ção: por­que nós o em­ba­la­mos, Mar­cos. E is­so nos bas­ta.

Nem qua­se olha­mos mais pa­ra o car­ri­nho, a es­sa al­tu­ra só uma es­tru­tu­ra bo­ba que aca­ba­mos de der­ro­tar com nos­so amor.

Palavras-chave

Compartilhe