Crônicas

Alguém viu por aí?

segunda-feira, 14 de Janeiro de 2013 Texto de

 

 

Pri­mei­ro, es­tra­nhei a over­do­se do ver­bo “co­lo­car”, um ver­da­dei­ro cu­rin­ga da lín­gua por­tu­gue­sa nos di­as atu­ais. Não se põem mais os pin­gos nos ii, não se tam­pam as pa­ne­las, não se ves­te a ca­mi­sa nem se cal­ça a san­dá­lia, não se acres­cen­ta o azei­te à sa­la­da, não se adi­ci­o­na um te­le­fo­ne à agen­da do ce­lu­lar nem se guar­da o di­to cu­jo na mo­chi­la. E mui­to me­nos se pu­bli­ca uma no­tí­cia no jor­nal nem se apre­sen­ta uma opi­nião, por­que ago­ra tu­do se co­lo­ca.  Ex­pe­ri­men­te acom­pa­nhar uma re­cei­ta na TV ou di­cas de ma­qui­a­gem, de de­co­ra­ção, as­sis­ta a con­ver­sas so­bre ci­ne­ma, fu­te­bol ou li­te­ra­tu­ra ser­vo-cro­a­ta e po­de­rá con­fir­mar: o ver­bo co­lo­car es­tá lá, oni­pre­sen­te nas 11 po­si­ções.

De­pois, pro­cu­rei nos no­ti­ciá­ri­os de rá­dio e TV sinô­ni­mos pa­ra “com­pli­ca­do”.  Em vão. A de­ci­são po­lê­mi­ca, a si­tu­a­ção de­li­ca­da, o trá­fe­go con­fu­so, o pro­ble­ma di­fí­cil, a lu­ta dra­má­ti­ca dos mo­ra­do­res do mu­ni­cí­pio X a ca­da tem­pes­ta­de de ve­rão, as trá­gi­cas con­sequên­ci­as da omis­são ofi­ci­al em to­dos os se­to­res... Na­da dis­so, ca­ra pá­li­da. Por in­crí­vel que pa­re­ça, em­bo­ra as si­tu­a­ções se­jam de im­por­tân­cia e in­ten­si­da­de di­fe­ren­tes, li­qui­di­fi­ca­ram to­dos es­ses ad­je­ti­vos num só: ago­ra, tu­do é com­pli­ca­do...

Re­sol­vi, en­tão, ten­tar sa­ber por on­de an­da a pre­po­si­ção “a” em cer­tas cons­tru­ções, já que vol­ta e meia al­guém diz que “O re­sul­ta­do do exa­me es­tá pron­to da­qui 3 di­as - ou da­qui 2 se­ma­nas ou da­qui 1 ho­ra” (A ex­pres­são usu­al não era “da­qui a”?); ou “Co­me­cei fa­zer as pro­vas ao meio-dia” (an­ti­ga­men­te não se di­zia “Co­me­cei a fa­zer”?); ou “O ge­ren­te já res­pon­deu seu e-mail?” (Nos­sa, co­mo sou an­ti­ga, no meu tem­po a per­gun­ta se­ria se o ge­ren­te já res­pon­deu ao seu e-mail).

En­fim, não sei se pen­so “Ah, dei­xa pra lá”, is­so acon­te­ce com lín­guas vi­vas, elas vão se mo­di­fi­can­do con­for­me o uso etc ou se con­ti­nuo co­men­tan­do so­bre es­se se­ques­tro ge­ne­ra­li­za­do de pa­la­vras do nos­so idi­o­ma, nem que se­ja pa­ra ver se ain­da es­tou, mes­mo, fa­lan­do Por­tu­guês ou se in­ven­tei ou­tro pa­ra meu uso par­ti­cu­lar. Mas na­tu­ral ou não, tu­do in­di­ca que o vo­ca­bu­lá­rio vi­gen­te dos bra­si­lei­ros an­da bem es­cas­so e a re­la­ção en­tre eles e sua Lín­gua, bem com­pli­ca­da, oops, bem pre­cá­ria.

Palavras-chave

Compartilhe