Re­pi­to aqui crô­ni­ca que pu­bli­quei em abril de 2010.

A pri­mei­ra Te­ta que vi, cla­ro, foi a da mi­nha mãe. Aliás, fo­ram as pri­mei­ras te­tas. Por­que, afi­nal, elas são du­as. Mas eu não me re­cor­do, em­bo­ra eu te­nha ma­ma­do até 4 anos de ida­de (eu sei, um ab­sur­do!) e mi­nhas lem­bran­ças te­nham ori­gem bem an­tes dis­so – aos 2 anos.

Cu­ri­o­sa­men­te, na­que­la épo­ca pro­nun­ci­ar “te­ta” era qua­se di­zer um pa­la­vrão. E pen­san­do bem até ho­je ela é pou­co usu­al (di­go a pa­la­vra - rs­s­ss), mes­mo sen­do an­tes de mais na­da nos­sa pri­mei­ra fon­te de ali­men­to.

Mas uma coi­sa é cer­ta: sua pre­sen­ça en­tre nós, sob o pon­to de vis­ta das re­fe­rên­ci­as psi­co-se­xu­ais (exis­te?), é de uma com­ple­xi­da­de mag­ní­fi­ca. Tal­vez a úni­ca coi­sa ca­paz de der­ro­tá-la nes­se as­pec­to se­ja o pê­nis. Aliás, o Pin­to (pa­ra aqui igua­lar a ter­mi­no­lo­gia ao mes­mo pa­ta­mar de Te­ta).

E mes­mo as­sim por­que es­se ser mi­to­ló­gi­co (o Pin­to) é ob­je­to de nu­me­ro­sos es­tu­dos da psi­ca­ná­li­se e afins, en­quan­to a Te­ta aca­ba, por mo­ti­vos ób­vi­os, sen­do de cer­ta ma­nei­ra pre­ser­va­da no sen­ti­do de que ela é co­mo uma de­li­ci­o­sa rai­nha: nos­sas fan­ta­si­as fi­cam es­con­di­das sob o res­pei­to que de­ve­mos a ela.

A pri­mei­ra vez (que eu me lem­bre) que vi uma – aliás, du­as – foi no meio de um ca­fe­zal per­to de on­de nas­ci, na La­goa Se­ca, em Ca­fe­lân­dia. Era uma mo­ça de pe­le mo­re­na, tal­vez uma ado­les­cen­te. Não sei mais quem era. Ela es­ta­va tra­ba­lhan­do na ro­ça e, sem per­ce­ber que ha­via al­guém olhan­do, er­gueu a ca­mi­sa e li­vrou-se do su­tiã (que de­via es­tar in­co­mo­dan­do).

Eu era um ga­ro­to que fa­zia pou­co ti­nha aca­ba­do de ser des­ma­ma­do. Tam­bém não sei mais o que sen­ti. Mas uma coi­sa fi­cou pra sem­pre na mi­nha ca­be­ça: inex­pli­ca­vel­men­te, um bei­ja-flor a son­dou bem de per­to, acho até que o pe­que­no bi­co do pás­sa­ro atre­vi­do apro­xi­mou-se tan­to tan­to de um de seus ma­mi­los bem es­cu­ros, que a fez ar­re­pi­ar-se e pro­te­ger as te­tas com as mãos en­quan­to ves­tia de no­vo a ca­mi­sa lis­tra­da.

Compartilhe