Colaboradores

Bizarrices morais

quarta-feira, 16 de novembro de 2011 Texto de

In­te­res­san­te o que ocor­re nu­ma so­ci­e­da­de on­de o rou­bo, a en­ga­na­ção com­pul­si­va e o mau ca­rá­ter são mo­e­da cor­ren­te em to­dos os es­tra­tos so­ci­ais e pro­fis­sões: os atos de ho­nes­ti­da­de e de­so­nes­ti­da­de pro­vo­cam re­a­ções sin­gu­la­res en­tre a po­pu­la­ção.

Nes­se ti­po de so­ci­e­da­de, jus­ta­men­te por­que epi­só­di­os de fal­ta de ca­rá­ter são co­muns e até vis­tos co­mo “um tra­ço cul­tu­ral”, qual­quer ato de ho­nes­ti­da­de pas­sa a ser con­si­de­ra­do um fenô­me­no. Se um ga­ri as­sa­la­ri­a­do en­con­tra uma car­tei­ra re­che­a­da de di­nhei­ro no meio do li­xo e re­sol­ve en­tre­gá-la nu­ma de­le­ga­cia, no mes­mo dia ele se tor­na pau­ta de re­por­ta­gens, en­tre­vis­tas, ho­me­na­gens. Por­que nes­sa tal so­ci­e­da­de, o cor­ri­quei­ro é guar­dar pa­ra si a gra­na, es­cu­da­do pe­la ve­lha fi­lo­so­fia de que “acha­do não é rou­ba­do”. Mas co­mo es­se pro­fis­si­o­nal se sen­tiu cons­tran­gi­do de se apos­sar de di­nhei­ro alheio e fez o que sua cons­ci­ên­cia man­dou, vi­rou man­che­te. Ou­vir a cons­ci­ên­cia dá man­che­te e cha­ma­das em te­le­jor­nais.

Tam­bém o po­li­ci­al que re­cu­sa di­nhei­ro de su­bor­no, o que de­ve­ria ser nor­mal pa­ra um po­li­ci­al, tam­bém é con­si­de­ra­do um he­rói. Por­que na tal so­ci­e­da­de es­sa ati­tu­de é ra­rís­si­ma e pe­ga a to­dos de sur­pre­sa – até mes­mo quem lhe ofe­re­ceu di­nhei­ro. O usu­al é fi­car com o agra­do, co­mo ou­tros de seus co­le­gas fa­zem to­do dia, im­pu­ne­men­te. Mas a in­te­gri­da­de e os va­lo­res do po­li­ci­al fa­la­ram mais al­to e is­so tam­bém dá man­che­te, por inu­si­ta­do.

Por ou­tro la­do, se pes­so­as pú­bli­cas são acu­sa­das de de­li­tos se­riís­si­mos, mes­mo ne­gan­do até o fim e ju­ran­do que são ví­ti­mas de ar­ma­ção, ape­sar de to­das as pro­vas em con­trá­rio, es­sas qua­se nun­ca são con­de­na­das, pre­sas ou obri­ga­das a de­vol­ver o pro­du­to de seus rou­bos. No iní­cio, quan­do a im­pu­ni­da­de é des­co­ber­ta, ou­ve-se o co­ro dos des­con­ten­tes cla­man­do por jus­ti­ça; mas ra­pi­da­men­te os cúm­pli­ces po­de­ro­sos tra­tam de afas­tar os sus­pei­tos dos ho­lo­fo­tes da mí­dia e prin­ci­pal­men­te dis­trair a me­mó­ria po­pu­lar e, quan­do me­nos se es­pe­ra, olha eles de vol­ta à vi­da pú­bli­ca, de ca­ras la­va­das e mui­to mais ri­cos, can­di­da­tan­do-se no­va­men­te, sen­do elei­tos, no­me­a­dos ou acla­ma­dos por seus iguais. Im­pu­nes e pron­tos pra ou­tra. E a his­tó­ria se re­pe­te, co­mo se fos­se ine­vi­tá­vel.

Es­sas dis­tor­ções cha­mam a aten­ção de ou­tras so­ci­e­da­des nas quais a ho­nes­ti­da­de só tem uma ca­ra e atos ín­te­gros não pre­ci­sam ser fes­te­ja­dos nem re­ce­bi­dos co­mo um fenô­me­no ex­tra­ter­res­tre. Afi­nal, es­tá bem cla­ro em su­as res­pec­ti­vas cons­ti­tui­ções e có­di­gos pe­nais o que o ci­da­dão de­ve ou não, po­de ou não fa­zer pa­ra vi­ver em paz e dei­xar os ou­tros em paz, e é as­sim que a ban­da to­ca. Se o ci­da­dão va­ci­lar, dan­ça, qual­quer que se­ja seu so­bre­no­me, sal­do ban­cá­rio ou sta­tus so­ci­al. De­li­tos e “mal­fei­tos” há em to­das as par­tes do mun­do, vol­ta e meia se ou­ve fa­lar de al­gum. Mas em mui­tas ou­tras so­ci­e­da­des, a pu­ni­ção che­ga rá­pi­do e é exem­plar.

Co­mo dis­se uma vez a di­re­to­ra de um co­lé­gio da Zo­na Sul do Rio, um fur­to de 5 re­ais de um co­le­ga ou a des­co­ber­ta de uma co­la num tes­te de­vem ser exem­plar­men­te pu­ni­dos, tan­to quan­to o fur­to de 500 re­ais ou a có­pia de um tex­to da in­ter­net, as­si­na­da por um alu­no co­mo se de sua au­to­ria fos­se.
Rou­bo é rou­bo.

Compartilhe