Lanz­mann ain­da jo­vem (à es­quer­da) acom­pa­nha­do de Si­mo­ne de Be­au­voir e Je­an-Paul Sar­tre na ca­pa do li­vro

Um co­ro­nel do exér­ci­to po­lo­nês, ex-agu­lhei­ro au­xi­li­ar da es­ta­ção de So­bi­bor, um dos cam­pos de ex­ter­mí­nio de ju­deus du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, con­tou “que cer­ta vez, quan­do fa­zia a vi­gi­lân­cia no­tur­na, ba­te­ram ener­gi­ca­men­te na ja­ne­la, um ucra­ni­a­no que lhe pa­re­ceu imen­so exi­giu um li­tro de vod­ca ofe­re­cen­do em tro­ca um pa­co­te pe­sa­do e fe­di­do, tos­ca­men­te en­ro­la­do em jor­nal. Ele não te­ve co­mo não acei­tar, dis­se, e se pôs a vo­mi­tar ao abrir o pa­ga­men­to de sua gar­ra­fa...” Tra­ta­va-se de “um ma­xi­lar san­gui­no­len­to con­ten­do den­tes de ou­ro”, re­ti­ra­do do ca­dá­ver de um ju­deu que fo­ra le­va­do re­cen­te­men­te pa­ra a câ­ma­ra de gás. A pas­sa­gem es­tá em “A le­bre da Pa­tagô­nia” (Com­pa­nhia das Le­tras, 472 pá­gi­nas), li­vro de me­mó­ri­as do in­te­lec­tu­al fran­cês Clau­de Lanz­mann, uma fan­tás­ti­ca vi­a­gem por di­ver­sas fa­ces do sé­cu­lo vin­te a par­tir de sua riquís­si­ma ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al.

Lanz­mann, jor­na­lis­ta e ci­ne­as­ta, di­re­tor da re­vis­ta fran­ce­sa “Les Temps Mo­der­nes”, fun­da­da pe­lo fi­ló­so­fo Je­an-Paul Sar­tre, nas­ceu em 1925, mas trans­mi­te a vi­ta­li­da­de de um jo­vem ao dis­cor­rer so­bre sua vi­da de re­sis­tên­cia ao na­zis­mo, de vi­a­gens ma­lu­cas com a aman­te Si­mo­ne de Be­au­voir e com o pró­prio Sar­tre, e prin­ci­pal­men­te a res­pei­to de sua pai­xão lan­ci­nan­te pe­lo ci­ne­ma. O li­vro, aliás, tem co­mo um gran­de pi­lar os bas­ti­do­res das fil­ma­gens de “Sho­ah”, lon­go do­cu­men­tá­rio de mais de no­ve ho­ras so­bre o ex­ter­mí­nio dos ju­deus pe­los na­zis­tas, cu­ja pro­du­ção, cer­ca­da de di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras e po­lí­ti­cas, le­vou anos a fio até que fos­se con­cluí­da e al­ças­se o au­tor à fa­ma mun­di­al.

É ad­mi­rá­vel co­mo Lanz­mann con­se­gue, ao con­tar su­as me­mó­ri­as, dis­tan­ci­ar-se com ra­zoá­vel isen­ção de tan­tos as­pec­tos re­vol­tan­tes da guer­ra. Mo­men­tos de pro­fun­da emo­ção ou de exa­cer­ba­da re­pul­sa são apre­sen­ta­dos ao lei­tor den­tro de pa­râ­me­tros im­pres­cin­dí­veis a uma obra que po­de­ria se afun­dar nu­ma nar­ra­ti­va som­bria e me­lan­có­li­ca. Mas não. Sob uma des­nor­te­an­te ca­pa­ci­da­de de se afas­tar do epi­cen­tro on­de mui­tas ve­zes es­te­ve co­mo um dos prin­ci­pais per­so­na­gens, con­se­gue emer­gir da po­dri­dão hu­ma­na re­ve­la­da pe­lo na­zis­mo e, co­mo ele mes­mo es­cre­ve, en­con­trar-se com uma ale­gria sel­va­gem, a mes­ma ale­gria sel­va­gem que dei­xa trans­pa­re­cer no de­cor­rer de sua obra.

Não há, con­tu­do, co­mo ne­gar a for­ça que a guer­ra, acom­pa­nha­da de su­as nu­an­ces ar­re­ba­ta­do­ras, im­pri­me ao li­vro. Lanz­mann con­ta, por exem­plo, de­ta­lhes im­pres­si­o­nan­tes de su­as en­tre­vis­tas e fil­ma­gens com ju­deus que es­ca­pa­ram mi­la­gro­sa­men­te do ho­lo­caus­to. Há, por exem­plo, o re­la­to mi­nu­ci­o­so da gra­va­ção com o bar­bei­ro Abraham Bom­ba, obri­ga­do a cor­tar o ca­be­lo das mu­lhe­res ju­di­as já den­tro das câ­ma­ras de gás pa­ra en­ga­ná-las no pe­núl­ti­mo ins­tan­te de su­as vi­das, “le­van­do-as a acre­di­tar”, es­cre­ve Lanz­mann, “pe­lo uso de te­sou­ras e pen­tes, e não de uma má­qui­na de tos­qui­ar, que se tra­ta de um cor­te nor­mal...” Bom­ba em­pre­en­de­ra uma fu­ga ina­cre­di­tá­vel do cam­po de Tre­blin­ka, tam­bém na Polô­nia.

Lanz­mann gra­vou o de­poi­men­to de­le nu­ma bar­be­a­ria do su­búr­bio de Tel Aviv, em Is­ra­el. Tor­nou-se um dos mo­men­tos mais emo­ci­o­nan­tes do fil­me. Na ce­na, Bom­ba si­mu­la cor­tar o ca­be­lo de um ami­go que ele pró­prio es­co­lhe­ra. O ci­ne­as­ta de­se­ja­va as­sim fil­mar seus ges­tos de bar­bei­ro, cla­ro com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do con­tex­to em que, no cam­po de con­cen­tra­ção, ele via as mu­lhe­res en­tran­do nu­as e de­ses­pe­ra­das, “em for­na­das de se­ten­ta, na câ­ma­ra de gás on­de as es­pe­ra­vam de­zes­se­te ca­be­lei­rei­ros pro­fis­si­o­nais, que as fa­zi­am sen­tar em ban­cos de ma­dei­ra dis­pos­tos es­pe­ci­al­men­te e as des­po­ja­vam de sua ca­be­lei­ra in­tei­ra em qua­tro te­sou­ra­das”.

A cer­ta al­tu­ra, per­gun­ta­do pe­lo ci­ne­as­ta a res­pei­to de seus sen­ti­men­tos ao ver “apa­re­cer na câ­ma­ra de gás to­das aque­las mu­lhe­res nu­as, e aque­las cri­an­ças, tam­bém nu­as”, Abraham Bom­ba res­pon­de: “Ah, sa­be, ‘sen­tir’, lá... Era du­ro sen­tir qual­quer coi­sa: ima­gi­ne, tra­ba­lhar dia e noi­te no meio dos mor­tos, dos ca­dá­ve­res, os sen­ti­men­tos su­mi­am, vo­cê es­ta­va mor­to pa­ra os sen­ti­men­tos, mor­to pa­ra tu­do”. Em se­gui­da, Lanz­mann re­la­ta a sequên­cia da en­tre­vis­ta com o bar­bei­ro:

E en­tão acres­cen­tou: “Vou con­tar uma coi­sa que acon­te­ceu en­quan­to eu tra­ba­lha­va na câ­ma­ra de gás, quan­do che­ga­ram mu­lhe­res da mi­nha ci­da­de na­tal, que eu co­nhe­cia, que me co­nhe­ci­am...” Nes­se exa­to mo­men­to, aque­le mor­to pa­ra os sen­ti­men­tos foi sub­mer­gi­do pe­lo sen­ti­men­to com uma vi­o­lên­cia tal que ele não con­se­guia ir adi­an­te, fez com a mão um pe­que­no ges­to ex­pres­san­do tan­to a fu­ti­li­da­de e im­pos­si­bi­li­da­de de con­ti­nu­ar con­tan­do, co­mo tam­bém, o que dá na mes­ma, a im­pos­si­bi­li­da­de, a pre­sun­ção de en­ten­der. A ce­na fi­cou co­nhe­ci­da, Abraham en­xu­ga com uma pon­ta de to­a­lha as lá­gri­mas que bro­tam em seus olhos, en­cer­ra-se no si­lên­cio en­quan­to con­ti­nua a gi­rar, te­sou­ra na mão, em vol­ta da ca­be­ça do ami­go e, en­quan­to ten­ta se re­fa­zer, fa­lan­do em ií­di­che em voz de con­fi­dên­cia, ins­tau­ra-se en­tão en­tre mim e ele o diá­lo­go de dois su­pli­can­tes, ele me pe­din­do pa­ra pa­rar, eu exor­tan­do-o fra­ter­nal­men­te a con­ti­nu­ar por­que con­si­de­ro aqui­lo nos­sa mis­são co­mum, nos­so de­ver par­ti­lha­do.

Pa­ra sa­ber mais so­bre o li­vro no si­te da edi­to­ra, cli­que aqui

Compartilhe