Contos

Questão glútea

segunda-feira, 25 de julho de 2011 Texto de

Nem mes­mo as du­as li­ga­ções te­lefô­ni­cas aten­di­das si­mul­ta­ne­a­men­te fo­ram su­fi­ci­en­tes pa­ra im­pe­dir-me o es­pan­to e lo­go, a cu­ri­o­si­da­de. Do­na Hen­ri­ca ha­via mar­ca­do a con­sul­ta ju­rí­di­ca há dois di­as, li­ga­ra na vés­pe­ra e na­que­la ma­nhã tam­bém, an­tes de di­ri­gir-se ao es­cri­tó­rio on­de ad­vo­go. Ha­via uma ex­tre­ma an­si­e­da­de em seu ros­to quan­do a se­cre­tá­ria, des­cum­prin­do uma or­dem ex­pres­sa de mi­nha par­te, en­fi­ou-a su­bi­ta­men­te sa­la aden­tro. Mi­nha sur­pre­sa, en­tre­tan­to, não re­si­diu em sua ex­pres­são, mas na par­te do cor­po que se­pa­ra as cos­tas das per­nas, ou se­ja, a re­gião glú­tea.

Fa­lan­do um por­tu­guês exa­to, mi­nha cli­en­te sim­ples­men­te não ti­nha a bun­da. Cui­da­do: não con­fun­dir es­sa in­for­ma­ção com ou­tra – a de que ela não ti­nha bun­da. Na ver­da­de, ela não ti­nha a bun­da. A bun­da de Do­na Hen­ri­ca não es­ta­va lá, e es­se era o mo­ti­vo de sua an­gús­tia, qua­se um de­ses­pe­ro. Di­an­te do que con­si­de­rei gra­ve, sus­pen­di de pron­to as du­as li­ga­ções e, res­pei­to­sa­men­te em pé, co­mo é meu cos­tu­me di­an­te de um cli­en­te, con­vi­dei-a a sen­tar-se, ao que ela me res­pon­deu tra­tar-se de al­go im­pos­sí­vel:

- Dou­tor, in­fe­liz­men­te, o se­nhor já de­ve ter per­ce­bi­do mi­nha si­tu­a­ção. Nem me sen­tar eu pos­so.

Des­con­cer­ta­da, Do­na Hen­ri­ca en­cos­tou-se à pol­tro­na di­an­te de mi­nha me­sa:

- To­mei mui­tas re­fe­rên­ci­as, o se­nhor é mi­nha gran­de es­pe­ran­ça pa­ra re­sol­ver es­te as­sun­to.

En­tão, quem por um ins­tan­te pôs-se des­con­cer­ta­do fui eu. Co­mo as­sim? Que re­fe­rên­ci­as? Eu era um ad­vo­ga­do, não um ci­rur­gião plás­ti­co ou se­ja lá que no­me se dá a um es­pe­ci­a­lis­ta des­sa área. Ela in­sis­tiu:

- Acre­di­te o se­nhor, di­nhei­ro não é pro­ble­ma. Fa­ça seu pre­ço, eu pa­go.

De­cer­to que nem sem­pre apa­re­ce um cli­en­te as­sim, tão dis­pos­to a me­ter a mão no bol­so pa­ra pa­gar al­guém que ele mes­mo ge­ral­men­te jul­ga ser um ex­plo­ra­dor de su­as des­gra­ças. Um bom cli­en­te é sem­pre um alen­to em nos­so atri­bu­la­do co­ti­di­a­no, não ne­go, mas ali o que ha­via era uma pa­ci­en­te, is­to sim. Quan­do fui abrir a bo­ca, ela es­cla­re­ceu:

- Dou­tor, mi­nha mal­di­ta bun­da me dei­xou há uma se­ma­na e não vol­tou. Já ten­tei de tu­do, mas na­da. Que­ro que o se­nhor to­me a fren­te nis­so.

Sen­tei-me num sus­to. Ime­di­a­ta­men­te, veio-me à men­te o no­tó­rio ca­so do al­to fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co rus­so cu­jo na­riz re­be­lou-se e de­sa­pa­re­ceu por um cer­to tem­po, con­for­me é nar­ra­do por Go­gol. Lem­bran­do-me da si­tu­a­ção hu­mi­lhan­te en­fren­ta­da pe­lo rus­so, sen­ti uma gran­de pe­na de Do­na Hen­ri­ca. Quan­to tem­po ain­da ela fi­ca­ria sem es­sa par­te do cor­po? Se­ria pos­sí­vel, de al­gu­ma ma­nei­ra, con­ven­cê-la a vol­tar? Es­sas e ou­tras dú­vi­das per­cor­re­ram-me co­mo ver­da­dei­ros rai­os, sem me dar des­can­so du­ran­te al­guns mi­nu­tos, até que mi­nha cons­ci­ên­cia atre­veu-se a cu­tu­car-me. Sim, eu não po­de­ria aban­do­nar aque­la po­bre mu­lher ao deus-da­rá. Al­guém pre­ci­sa­va to­mar par­ti­do de sua ter­rí­vel con­di­ção. Além do mais, tra­ta­va-se de um no­vo de­sa­fio pa­ra mi­nha car­rei­ra. Ba­ti o mar­te­lo:

- Mui­to bem, Do­na Hen­ri­ca. Va­mos aos fa­tos.

Mi­nha cli­en­te mos­trou-se tão sa­tis­fei­ta que por pou­co não se es­que­ceu de sua im­pos­si­bi­li­da­de de sen­tar-se. Foi lo­go fa­lan­do:

- Pro­cu­rei um acor­do ami­gá­vel, mas ela es­tá ir­re­du­tí­vel. O se­nhor sa­be co­mo é, to­mou gos­to pe­la li­ber­da­de, co­nhe­ceu pes­so­as que es­tão lhe en­fi­an­do mi­nho­cas... Des­cul­pe-me se is­so pa­re­ce gro­tes­co, dou­tor, mas acho que de­vo lhe di­zer tu­do, es­tá cor­re­to?

Na ver­da­de, a bun­da de Do­na Hen­ri­ca en­con­tra­va-se por aque­les di­as ne­go­ci­an­do seu pas­se com uma emis­so­ra de te­le­vi­são. Pe­lo que mi­nha cli­en­te ha­via es­pe­cu­la­do, ela es­ta­va co­ta­da pa­ra apre­sen­tar um pro­gra­ma de va­ri­e­da­des em ho­rá­rio no­bre, o que na­da mais era do que seu gran­de so­nho ao as­sis­tir ao su­ces­so de tan­tas co­le­gas que con­tam com a co­ni­vên­cia de su­as do­nas. No mes­mo dia, após mar­car um ho­rá­rio por te­le­fo­ne, fo­mos até a emis­so­ra fa­lar com um de seus di­re­to­res, que nos re­ce­beu com mui­ta gen­ti­le­za. A sim­pa­tia, no en­tan­to, tor­nou-se in­qui­e­ta­ção quan­do ele sou­be de nos­so pro­pó­si­to. Me­xeu-se na ca­dei­ra e pôs-se em pé:

- Mas, meu ca­ro dou­tor, o se­nhor e sua cli­en­te es­tão me pe­din­do al­go que fo­ge da mi­nha al­ça­da. Não fo­mos nós que a pro­cu­ra­mos. E, além do mais, as gra­va­ções fei­tas até aqui re­ve­lam um gran­de ta­len­to de nos­sa fu­tu­ra con­tra­ta­da.

Do­na Hen­ri­ca de­ses­pe­rou-se ao meu la­do. O exe­cu­ti­vo vol­tou a sen­tar-se, dei­xan­do ape­nas a po­bre mu­lher em pé, o que de cer­ta for­ma cons­tran­geu-nos a am­bos, mas fa­zer o quê? Na­que­la ho­ra, até pen­sei na pos­si­bi­li­da­de de o di­re­tor da emis­so­ra api­e­dar-se da si­tu­a­ção e fa­ci­li­tar-nos o tra­ba­lho, mas ele não pa­re­cia dis­pos­to a co­la­bo­rar.

- Os de­ta­lhes do con­tra­to tam­bém es­tão em fa­se adi­an­ta­da. Nos­so de­par­ta­men­to co­mer­ci­al já es­tá in­clu­si­ve se pre­pa­ran­do pa­ra le­var a no­vi­da­de ao mer­ca­do.

Do­na Hen­ri­ca to­mou a pa­la­vra:

- O se­nhor me des­cul­pe, mas eu não con­si­go com­pre­en­der co­mo uma emis­so­ra de te­le­vi­são po­de se in­te­res­sar por uma apre­sen­ta­do­ra com­ple­ta­men­te des­co­nhe­ci­da. Que au­di­ên­cia ela po­de atrair?

Nis­so, um sor­ri­so de âni­mo abriu-se no ros­to do exe­cu­ti­vo:

- Eu mes­mo pre­sen­ci­ei um dos tes­tes. Ela tem um al­to grau de ex­pres­si­vi­da­de, sa­be dan­çar mui­to bem, tem óti­ma apa­rên­cia e tam­bém é bas­tan­te ou­sa­da quan­to ao fi­gu­ri­no.

De es­gue­lha, sen­ti mi­nha cli­en­te en­ru­bes­cer-se, mas ela não se deu por ven­ci­da:

- Eu não gos­ta­ria de en­trar em as­sun­tos par­ti­cu­la­res, mas do jei­to que as coi­sas an­dam, não es­tou ven­do ou­tra saí­da. Sai­ba o se­nhor que ela tem óti­ma apa­rên­cia gra­ças ao si­li­co­ne im­plan­ta­do há al­guns me­ses. E ain­da fa­lan­do so­bre apa­rên­ci­as, aca­ba­mos de vol­tar de uma vi­a­gem pe­lo ve­rão gre­go. O tom vi­vo lo­go vai de­sa­pa­re­cer, não te­nha dú­vi­da dis­so.

O exe­cu­ti­vo ajei­tou-se na ca­dei­ra:

- Mi­nha ca­ra Do­na Hen­ri­ca, eu en­ten­do sua si­tu­a­ção, mas re­al­men­te é al­go que fo­ge ao meu do­mí­nio. Os tes­tes de on­tem ti­ve­ram a par­ti­ci­pa­ção do pú­bli­co e a apro­va­ção foi mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va. Es­ta­mos con­vic­tos de que o te­les­pec­ta­dor da­rá a sus­ten­ta­ção ne­ces­sá­ria à nos­sa no­va apre­sen­ta­do­ra.

Mi­nha cli­en­te não pô­de evi­tar um rom­pan­te de rai­va. Aos ber­ros, di­ri­giu-se ao di­re­tor:

- É de se ad­mi­rar que uma emis­so­ra de te­le­vi­são dê tan­to va­lor as­sim a uma bun­da mi­se­rá­vel e sem ca­rá­ter co­mo es­sa! Vo­cês não têm coi­sa mais im­por­tan­te pa­ra pôr no ar?

O exe­cu­ti­vo mos­trou cer­ta agi­ta­ção, mas não che­gou a se en­fu­re­cer:

- Mi­nha se­nho­ra, se o po­vo quer a bun­da, nós te­mos que dar a bun­da ao po­vo...

Per­ce­bi que a dis­cus­são es­ta­va ru­man­do pa­ra ân­gu­los obs­ce­nos:

- Por fa­vor, por fa­vor, va­mos man­ter a ca­be­ça no lu­gar. Se­ria pos­sí­vel ao me­nos con­ver­sar­mos com ela, ten­tar­mos ex­por a gra­vi­da­de do pro­ble­ma?

O di­re­tor não viu in­con­ve­ni­en­te al­gum em meu pe­di­do. Da­li a pou­co, aten­den­do a um cha­ma­do seu, lá es­ta­va a exu­be­ran­te bun­da de Do­na Hen­ri­ca. De­vo con­fes­sar que re­al­men­te ela ti­nha pre­sen­ça. Ao con­trá­rio de sua ex-com­pa­nhei­ra, ela pô­de sen­tar-se con­for­ta­vel­men­te ao meu la­do, após cum­pri­men­tar-nos e dis­pen­sar a Do­na Hen­ri­ca um olhar fa­bri­ca­do en­tre a des­con­fi­an­ça e o ci­nis­mo. Quan­do fiz a pro­pos­ta, eu já ti­nha em men­te um pla­no que, a des­pei­to das ter­rí­veis di­fi­cul­da­des apre­sen­ta­das até ali, po­de­ria ser con­sen­su­al. Sem ro­dei­os, fui lo­go ao as­sun­to:

- Bem, pe­lo vis­to, to­dos aqui têm po­si­ções mui­to cla­ras e dis­tin­tas a res­pei­to des­sa ques­tão glú­tea. A emis­so­ra já fez tes­tes e apos­ta no su­ces­so da no­va apre­sen­ta­do­ra, que po­de­rá am­pli­ar a au­di­ên­cia e con­se­quen­te­men­te tra­zer mais re­cei­tas à em­pre­sa. Do­na Hen­ri­ca se sen­te traí­da, pois sem avi­so pré­vio, co­mu­ni­ca­do ofi­ci­al ou qual­quer sa­tis­fa­ção, sua bun­da a dei­xou. Além dis­so, sua con­di­ção fí­si­ca se tor­nou pre­cá­ria. Já a bun­da de Do­na Hen­ri­ca vis­lum­bra a pos­si­bi­li­da­de de re­a­li­zar seu gran­de so­nho atra­vés de um ou­sa­do pro­je­to pro­fis­si­o­nal. De mi­nha par­te, sou fran­co a di­zer que ca­da ca­so re­sol­vi­do re­pre­sen­ta pon­to po­si­ti­vo pa­ra mi­nha car­rei­ra e di­nhei­ro no meu bol­so. Des­sa ma­nei­ra, acre­di­to que um li­tí­gio en­tre as par­tes de­man­da­ria ta­ma­nha dor de ca­be­ça pa­ra to­dos que não va­le­ria a pe­na. A emis­so­ra cor­re­ria o ris­co de sus­pen­der a es­treia do pro­gra­ma por or­dem ju­di­ci­al, Do­na Hen­ri­ca se­gui­ria hu­mi­lha­da mo­ral­men­te e to­lhi­da em sua per­for­man­ce fí­si­ca, a bun­da de Do­na Hen­ri­ca fi­ca­ria no es­ta­lei­ro por um tem­po im­pre­vi­sí­vel, sem po­der con­cre­ti­zar seu so­nho de vi­da e re­ce­ber por is­so, e eu te­ria de le­var adi­an­te um pro­ces­so tra­ba­lho­so cu­jo ine­di­tis­mo exi­gi­ria um es­for­ço des­co­mu­nal que ja­mais po­de­ria ser de­vi­da­men­te pa­go por mi­nha cli­en­te. Sen­do as­sim, pro­po­nho às par­tes al­go per­fei­ta­men­te viá­vel, que se re­su­me na vol­ta da bun­da ao seu lu­gar de ori­gem e na ime­di­a­ta con­tra­ta­ção de Do­na Hen­ri­ca pe­la emis­so­ra. Pa­ra a em­pre­sa, se­ria van­ta­jo­so por­que se­ri­am du­as pro­fis­si­o­nais con­tra­ta­das pe­lo pre­ço de uma, pois te­nho cer­te­za de que nes­se ca­so Do­na Hen­ri­ca e sua bun­da não se­ri­am in­fle­xí­veis e sa­be­ri­am tra­tar com jus­ti­ça os as­pec­tos con­tra­tu­ais. Mi­nha cli­en­te sa­be que na­da po­de ser pi­or do que con­ti­nu­ar sem bun­da, e sua bun­da, con­for­me já foi ex­pos­to, quer ape­nas fa­zer su­ces­so na te­le­vi­são, as­sim co­mo mui­tas co­le­gas. Eu mes­mo pos­so am­pa­rá-las no sen­ti­do de ela­bo­rar es­se do­cu­men­to. Se to­dos es­ti­ve­rem de acor­do, po­de­mos re­sol­ver is­so tu­do ago­ra mes­mo.

Em re­su­mo, a pro­pos­ta foi acei­ta e da­qui a um mês o no­vo pro­gra­ma es­tre­a­rá com o in­te­res­san­te no­me que eu mes­mo su­ge­ri: “Hen­ri­ca mos­tra a bun­da”. Ló­gi­co que o te­or já é bas­tan­te co­nhe­ci­do de to­dos, mas o no­me cer­ta­men­te atrai­rá a cu­ri­o­si­da­de do pú­bli­co pa­ra mais um pro­gra­ma de gran­de pe­ne­tra­ção da te­le­vi­são bra­si­lei­ra.

Palavras-chave

Compartilhe