Vo­cê ju­ra que não viu o Sa­ruí­pe por aí?
Fa­bi­a­no Al­cân­ta­ra
Jor­na­lis­ta

Ca­sa on­de Már­cio ABC nas­ceu, no bair­ro ru­ral da La­goa Se­ca, mu­ni­cí­pio de Ca­fe­lân­dia

Tal­vez fos­se a do ma­ca­qui­nho ou a his­tó­ria do sur­do, mas en­quan­to ou­ço seu Ma­ro­lo, nas­ci­do Apa­re­ci­do Fer­rei­ra, con­tar mais um cau­so do tem­po em que di­ri­gia ca­mi­nhões, pen­so em co­mo é bo­ba­gem crer que o êxi­to de Gui­ma­rães Ro­sa em le­var a ora­li­da­de po­pu­lar pa­ra a li­te­ra­tu­ra se­ja uma bar­rei­ra pa­ra ou­tras ex­pe­ri­ên­ci­as do gê­ne­ro, co­mo al­guns crí­ti­cos e au­to­res cre­em.

Seu Ma­ro­lo, mo­to­ris­ta do jor­nal, nas­ceu em Guai­a­nás. Su­as his­tó­ri­as fo­ram re­co­lhi­das em vi­a­gens pe­lo Bra­sil e seu jei­to de fa­lar é a pro­sa vi­va do in­te­ri­or recôn­di­to. O que es­tá em jo­go não é ape­nas o que con­tar, mas co­mo con­tar.

Du­as obras-pri­mas as­som­bram “Des­ru­mo” (No­vo Sé­cu­lo), se­gun­do ro­man­ce de Már­cio ABC, lan­ça­do pe­lo se­lo No­vos Ta­len­tos da Li­te­ra­tu­ra Bra­si­lei­ra. São eles: “Gran­de Ser­tão: Ve­re­das”, do já ci­ta­do Ro­sa, e “La­vou­ra Ar­cai­ca”, de Ra­du­an Nas­sar. O pri­mei­ro, nar­ra­do pe­lo ja­gun­ço Ri­o­bal­do, es­tá en­tre os câ­no­nes da li­te­ra­tu­ra mun­di­al. O se­gun­do, em que o mun­do na­tu­ral e fa­mi­li­ar emer­ge pe­la de­li­ca­de­za sub­je­ti­va do per­so­na­gem An­dré, es­tá ins­cri­to na me­lhor tra­di­ção me­di­ter­râ­nea de ro­man­ces, se­gun­do o crí­ti­co Al­ceu Amo­ro­so Li­ma. “La­vou­ra Ar­cai­ca” vi­rou um fil­me à al­tu­ra, di­ri­gi­do por Luiz Fer­nan­do Car­va­lho. Mas quem po­de­ria im­pe­dir Már­cio ABC, nas­ci­do em La­goa Se­ca, bair­ro ru­ral de Ca­fe­lân­dia, de se­guir o en­si­na­men­to de Li­ev Tols­tói: “Se que­res ser uni­ver­sal, co­me­ça por pin­tar a tua al­deia”.

Si­tu­a­do na fic­tí­cia Ara­çau­a­ma, “Des­ru­mo” con­ta a trans­for­ma­ção de um me­ni­no, Tu­fo, no ho­mem Ataul­fo. É um li­vro fun­da­do na ami­za­de e na nos­tal­gia, da na­tu­re­za e do que a vi­da le­va em­bo­ra. A obra, que co­me­ça pe­lo fim e ter­mi­na pe­lo co­me­ço, é nar­ra­da por meio de 47 car­tas. O au­tor le­vou se­te anos pa­ra es­cre­ver e lan­çá-la.

Quan­do des­cre­ve o chei­ro da co­mi­da da ro­ça, co­mo se a tro­cas­se pe­las ma­de­lei­nes de Proust, ou quan­do faz ana­lo­gi­as com ele­men­tos da na­tu­re­za, o au­tor bus­ca um ar­ran­jo que po­de­ria ser vis­to co­mo ten­ta­ti­va de re­cri­ar um mun­do per­di­do. “A es­cri­ta li­te­rá­ria é pa­ra mim, jor­na­lis­ta, uma es­pé­cie de vál­vu­la de es­ca­pe. Eu não sei se te­ria si­do pos­sí­vel co­me­çar a es­cre­ver li­te­ra­tu­ra fo­ra des­sa am­bi­en­ta­ção mais re­gi­o­na­lis­ta, que aflo­ra meu vín­cu­lo com o uni­ver­so do ho­mem do cam­po. Há es­cri­to­res que con­se­guem es­cre­ver com pro­pri­e­da­de so­bre lu­ga­res que ja­mais vi­ram. Eu não te­nho es­sa ca­pa­ci­da­de. Tal­vez por ser jor­na­lis­ta, eu pre­ci­so ver, sen­tir, apal­par. Sem is­so, não pos­so ir adi­an­te”, afir­ma.

“As­sim, quan­do es­cre­vo en­fi­a­do em uni­ver­sos co­nhe­ci­dos, a es­cri­ta tam­bém me ser­ve pa­ra ru­mi­nar so­bre es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as, es­ses co­nhe­ci­men­tos. E is­so é re­al­men­te uma te­ra­pia. Mas não adi­an­ta que sir­va ape­nas pa­ra mim. O lei­tor pre­ci­sa par­ti­ci­par des­sa te­ra­pia.”

É cu­ri­o­so pen­sar que Ge­or­ges Ba­tail­le, da ge­ni­al obra pornô-sur­re­a­lis­ta “A His­tó­ria do Olho” (Co­sac Naify), te­nha co­me­ça­do a es­cre­ver por su­ges­tão de seu psi­ca­na­lis­ta. Em ou­tras en­tre­vis­tas, ABC che­gou a di­zer ter se “li­ber­ta­do” do uni­ver­so ru­ral com “Des­ru­mo”, su­ces­sor do tam­bém am­bi­en­ta­do nes­te uni­ver­so “Pa­ra­ba­la”. O au­tor ago­ra tra­ba­lha em um li­vro ba­se­a­do em se­xo e am­bi­en­ta­do no meio ur­ba­no.

João Ubal­do, au­tor do mag­ní­fi­co “A Ca­sa dos Bu­das Di­to­sos”, dis­se cer­ta vez que ape­nas es­cre­ven­do so­bre se­xo é que se po­de re­al­men­te fa­zer al­go no­vo, uma vez que au­to­res clás­si­cos co­mo Sha­kes­pe­a­re, Tols­tói, Dos­toiévs­ki, Dan­te, Ma­cha­do de As­sis, Cer­van­tes não ti­nham a li­ber­da­de que te­mos ho­je pa­ra fa­lar de qual­quer as­sun­to. Per­gun­ta­do se sua op­ção foi uma ma­nei­ra de se rein­ven­tar co­mo es­cri­tor, Már­cio faz tro­ça. “Eu não pos­so pen­sar em me rein­ven­tar co­mo es­cri­tor. Eu ain­da não es­tou nem in­ven­ta­do (ri­sos). O fa­to é que sim­ples­men­te sur­giu. Eu re­al­men­te pla­ne­jei mi­nha fu­ga – não sei se mo­men­tâ­nea ou de­fi­ni­ti­va – do uni­ver­so re­gi­o­na­lis­ta co­mo vo­cê no­mi­nou. Mas não saí ape­nas pa­ra fa­zer se­xo (ri­sos). Quis sair pa­ra fa­zer al­go di­fe­ren­te sob o pon­to de vis­ta da am­bi­en­ta­ção. ‘Pa­ra­ba­la’ e ‘Des­ru­mo’ são li­vros que aten­de­ram a uma de­ses­pe­ra­do­ra ne­ces­si­da­de: de mer­gu­lhar num cam­po de cer­to mo­do co­nhe­ci­do e acho que fas­ci­nan­te. Es­sa ne­ces­si­da­de me pa­re­ce aten­di­da. Ago­ra, pre­ci­so sair um pou­co, ir pa­ra a ci­da­de, ao me­nos pa­ra dar uma vol­ta e ver o que acon­te­ce”, adi­an­ta.

O jor­na­lis­ta Sér­gio Ben­to, ami­go de in­fân­cia de Már­cio, re­co­nhe­ce pro­xi­mi­da­de de al­gu­mas his­tó­ri­as re­la­ta­das no li­vro com a re­a­li­da­de da ci­da­de si­tu­a­da em uma pla­ní­cie a 425 me­tros, com cer­ca de 16 mil ha­bi­tan­tes, nas­ci­da à mar­gem de um rio, de­sen­vol­vi­da pe­la cul­tu­ra do ca­fé e a Es­tra­da de Fer­ro No­ro­es­te do Bra­sil (NOB, po­pu­lar­men­te o Trem do Pan­ta­nal). Ben­to re­la­ta uma cor­ri­da de char­re­te que to­mou a ave­ni­da Ja­cob Zuc­chi, pas­sou em fren­te à pre­fei­tu­ra e no fim da ave­ni­da en­con­trou um cru­za­men­to em V. Ler o li­vro dá von­ta­de de co­nhe­cer Ca­fe­lân­dia.

Com per­so­na­gens com­ple­xos, avan­ço em re­la­ção à li­ne­a­ri­da­de de “Pa­ra­ba­la”, e idas e vin­das na li­nha do tem­po, é pos­sí­vel em­pres­tar te­o­ri­as jun­gui­a­nas, se­mió­ti­cas ou psi­ca­na­lí­ti­cas pa­ra ana­li­sar “Des­ru­mo”. Tam­bém é pos­sí­vel fi­li­ar o li­vro, par­ti­cu­lar­men­te do trio de me­ni­nos Tu­fo, Du­que e Fu­rão, den­tro da tra­di­ção que os ger­ma­nó­fi­los clas­si­fi­cam co­mo bil­dungs­ro­man (ro­man­ce de for­ma­ção ou apren­di­za­gem), de obras co­mo “A Mon­ta­nha Má­gi­ca”, de Tho­mas Mann.

Már­cio ju­ra que não sa­be de na­da dis­so. “Às ve­zes eu leio crí­ti­cas li­te­rá­ri­as tão apro­fun­da­das em de­ter­mi­na­da obra que é di­fí­cil ima­gi­nar que um au­tor pen­se em tan­tos as­pec­tos quan­do es­tá es­cre­ven­do um ro­man­ce”, in­da­ga.

E re­ve­la seu gos­to pes­so­al e co­mo jul­ga um li­vro: “O que eu gos­to mes­mo é de uma boa his­tó­ria. Se o au­tor con­se­gue con­tá-la bem, é dis­so que eu gos­to ne­le, in­de­pen­den­te­men­te se ele o fez com ir­re­ve­rên­cia, com dra­ma­ti­ci­da­de, com si­su­dez e por aí vai. Acho que is­so ocor­re co­mi­go por­que não te­nho co­nhe­ci­men­to téc­ni­co su­fi­ci­en­te pa­ra des­nu­dar uma obra ou um au­tor sob o pon­to de vis­ta de sua es­tru­tu­ra li­te­rá­ria. Te­nho um ami­go es­cri­tor, pa­ra quem de­di­co ‘Des­ru­mo’, Le­o­nar­do Bra­si­li­en­se, que tem uma gran­de ca­pa­ci­da­de de ler ori­gi­nais e sa­car ra­pi­da­men­te qua­li­da­des e de­fei­tos. Eu não sei co­mo fa­zer is­so. Eu di­go a ele que meu ne­gó­cio é ler com o co­ra­ção. Eu sei di­zer se gos­to ou não gos­to. Ago­ra, ex­pli­car o porquê, aí já são ou­tros qui­nhen­tos.”

Per­gun­to pa­ra Már­cio que li­vro gos­ta­ria de ter es­cri­to e por quê? Ele ele­ge “O Ve­lho e o Mar”, de Er­nest He­mingway. “Co­mo al­guém po­de es­cre­ver um li­vro com ta­ma­nha sim­pli­ci­da­de e com im­pres­si­o­nan­te pro­fun­di­da­de ao mes­mo tem­po? A nar­ra­ti­va de He­mingway nes­se ca­so é qua­se inex­pli­cá­vel. É al­go co­mo se no bre­ve mo­men­to de um or­gas­mo al­guém ca­pri­cho­sa­men­te pe­gas­se no seu bra­ço e des­se um be­lis­cão que pro­vo­cas­se uma dor in­su­por­tá­vel. Mes­mo as­sim, vo­cê go­za­ria. Não se­ria pos­sí­vel, por cau­sa do be­lis­cão, vo­cê sus­pen­der o go­zo. Se­ria um pra­zer do­lo­ri­do. ‘O Ve­lho e o Mar’ é as­sim pa­ra mim: um pra­zer acom­pa­nha­do de dor e, tal­vez por is­so, ir­re­sis­tí­vel.”

Há um mi­to ti­be­ta­no so­bre a cos­mo­go­nia da deu­sa Ta­ra Bran­ca, que te­ria nas­ci­do do olho es­quer­do de Ava­lo­ki­tesh­va­ra, ra­ra re­pre­sen­ta­ção de Bu­da co­mo mu­lher, e bodhi­satt­va, que re­pre­sen­ta a su­pre­ma com­pai­xão de to­dos os bu­das. Pa­ra os se­gui­do­res de Ava­lo­ki­tesh­va­ra, no man­tra Om ma­ni pad­me hung es­tá con­ti­do o sig­ni­fi­ca­do es­sen­ci­al dos 84 mil en­si­na­men­tos de Bu­da. Is­to que é con­ci­são.

No ôni­bus vin­do de Bau­ru, che­gan­do em So­ro­ca­ba, leio as úl­ti­mas li­nhas de “Des­ru­mo”. Uma lá­gri­ma ro­la do meu olho es­quer­do. Ao que cons­ta, ne­nhu­ma deu­sa nas­ceu. Foi só um li­vro.

Compartilhe