Impressões

O fio das missangas

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011 Texto de

Aten­den­do a uma re­co­men­da­ção de quem en­ten­de do ris­ca­do, li “O fio das mis­san­gas” (Com­pa­nhia das Le­tras), do mo­çam­bi­ca­no Mia Cou­to. De­le tam­bém, eu ti­nha li­do o ro­man­ce “An­tes de nas­cer o mun­do”. E já ti­nha gos­ta­do mui­to.

“O fio das mis­san­gas” é um li­vro de con­tos fan­tás­ti­cos (em to­da a imen­si­dão do ter­mo), mas tal­vez uma das obras mais poé­ti­cas que já li den­tro des­se gê­ne­ro. A ges­ta­ção de pa­la­vras (com ins­pi­ra­ção con­fes­sa em Gui­ma­rães Ro­sa, um ído­lo de Mia Cou­to), a in­ten­si­da­de das fra­ses, o sen­ti­do am­plo de ca­da nar­ra­ti­va, a es­pé­cie de des­cons­tru­ção de lu­ga­res-co­muns ou con­ven­ções, co­mo qui­se­rem, tu­do is­so dá uma pro­fun­di­da­de in­co­mum ao li­vro quan­do se jun­ta àque­la sen­sa­ção que nos to­ma ao sen­tir­mos que há no que es­ta­mos len­do um gri­to de co­ra­ção.

Eu gos­to de ler con­tos en­tre li­vros mais “pe­sa­dos”. Por exem­plo: es­tou len­do “Dez di­as que aba­la­ram o mun­do” e si­mul­ta­ne­a­men­te pe­guei “O fio...”. O cu­ri­o­so é que vo­cê não per­de o fio. Há na obra de Mia Cou­to uma amar­ra­ção das pa­la­vras com um mun­do afri­ca­no e tão ime­mo­ri­al que é pos­sí­vel nos ima­gi­nar­mos à bei­ra dos acon­te­ci­men­tos. E às ve­zes até den­tro de­les.

Não en­ten­do tan­to do ris­ca­do, mas tam­bém re­co­men­do.

Abai­xo, um tre­cho:

Quan­do me vi­e­ram cha­mar, nem acre­di­tei:

- É Zu­zé­zi­nho! Es­tá cain­do do pré­dio.

E as gen­tes, em vol­ta, se de­pres­sa­vam pa­ra o su­ce­di­do. Me jun­tei às cor­re­ri­as, a per­gun­ta za­ran­ze­an­do: o ho­mem es­ta­va cain­do? Aque­le ge­rún­dio era um des­man­do nas gra­ves leis da gra­vi­da­de: quem cai, já caiu.

En­quan­to cor­ria, meu co­ra­ção se cons­trin­gia. An­te­via meu ve­lho ami­go es­ta­te­la­do na cal­ça­da. Que su­ce­de­ra pa­ra se sui­ci­dar, de­sa­bis­ma­do? Que tro­pe­ção der­ru­ba­ra a sua vi­da? Po­dia ser tu­do: os tem­pos de ho­je são li­xí­via, des­co­lo­rin­do os en­can­tos.

Me apro­xi­ma­va do pré­dio e já me ara­nha­va na mul­ti­dão. Coi­sa de ina­cre­di­tar: olha­vam to­dos pa­ra ci­ma. Quan­do fi­tei os céus, ain­da mais me per­tur­bei: lá es­ta­va, pai­ran­do co­mo águia re­al, o Zu­zé Ne­to. O pró­prio Jo­sé An­tu­nes Mar­ques Ne­to, em ar­tes de ae­ro-an­jo. Es­ta­va cain­do? Se sim, vi­nha mais len­to que o pla­nar do pla­ne­ta pe­los céus.

Compartilhe