Impressões

Manifesto de indignação

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011 Texto de

Há al­go er­ra­do num país on­de o go­ver­no diz que (eu dis­se diz que) vai li­be­rar R$ 780 mi­lhões pa­ra as ci­da­des atin­gi­das pe­las chei­as no Rio e em São Pau­lo, en­quan­to o Con­gres­so Na­ci­o­nal te­rá em 2011 um acrés­ci­mo em sua fo­lha de pa­ga­men­to em tor­no de R$ 860 mi­lhões. Não há al­go er­ra­do?

Há sim.

Sou ge­ral­men­te con­tra com­pa­ra­ções des­se ti­po. Por­que se os sa­lá­ri­os dos par­la­men­ta­res e seus even­tu­ais re­a­jus­tes são exa­ge­ra­dos, a cul­pa tam­bém é nos­sa. Não con­se­gui­mos ado­tar ati­tu­des for­tes no sen­ti­do de im­pe­di-los. Ou, an­tes até, não con­se­gui­mos ele­ger gen­te me­lhor.

O ca­so é que di­an­te da tra­gé­dia das pes­so­as atin­gi­das pe­las en­chen­tes (tra­gé­dia que por si­nal, na mi­nha opi­nião, tam­bém de­ve ser cre­di­ta­da em gran­de par­te a po­lí­ti­cos in­com­pe­ten­tes ou va­ga­bun­dos ou la­drões ou tu­do is­so jun­to), di­an­te des­sa tra­gé­dia é ine­vi­tá­vel olhar pa­ra es­ses dois nú­me­ros.

De um la­do, po­pu­la­ções que per­de­ram tu­do di­vi­di­rão uma ver­ba que nem se po­de ter cer­te­za se vai che­gar in­tei­ra ao seu des­ti­no. E se che­gar, na di­vi­são se­rá uma mer­re­ca. De ou­tro, meia dú­zia de po­lí­ti­cos, que ge­ral­men­te já têm óti­mas con­di­ções de vi­da, em­bol­sa­rão um bo­ca­do a mais do di­nhei­ro que to­das as po­pu­la­ções – in­cluin­do as atin­gi­das pe­las chu­vas – pa­gam de im­pos­tos pa­ra in­clu­si­ve po­der sus­ten­tá-los.

Si­tu­a­ções co­mo es­sa, que pe­ri­o­di­ca­men­te afe­tam des­gra­ça­da­men­te po­pu­la­ções in­tei­ras, não de­vem ser­vir ape­nas pa­ra re­a­vi­var nos­so es­pí­ri­to de so­li­da­ri­e­da­de ou aju­dar a pres­si­o­nar os go­ver­nos pa­ra que ado­tem me­di­das efe­ti­vas de pre­ven­ção nas áre­as de ris­co. Si­tu­a­ções co­mo es­sa de­vem ser­vir tam­bém pa­ra lem­brar a to­dos que ain­da é pre­ci­so co­brar dos po­lí­ti­cos, e de nós mes­mos, pos­tu­ras de com­ba­te à imo­ra­li­da­de que, as­sim co­mo a chu­va, ain­da ala­ga nos­so país.

Compartilhe