Impressões

‘A origem’ e ‘Um doce olhar’

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011 Texto de

Le­o­nar­do Di­Ca­prio em ce­na de “A ori­gem”

Vi on­tem em DVD os dois fil­mes. Ve­jam co­mo a de­sin­for­ma­ção po­de le­var a equí­vo­cos. Por coin­ci­dên­cia, eu ti­nha li­do mui­to pou­co so­bre “A ori­gem”. Não mais que tal­vez uma si­nop­se des­sas que di­zem qua­se na­da. Não sei por que mo­ti­vo fi­quei com a im­pres­são que se­ria mais um fil­me de ação sem me­di­da de Hollywo­od: bom­bas, ex­plo­sões, ti­ro­tei­os e coi­sas do gê­ne­ro. O tem­po pas­sou e ago­ra, ven­do o DVD na pra­te­lei­ra da lo­ca­do­ra, me deu na te­lha.

É, sem dú­vi­da, um dos me­lho­res fil­mes de ação que já fi­ze­ram. Por­que não é uma ação sem sen­ti­do. Sim, tem bom­bas, ex­plo­sões, ti­ro­tei­os e coi­sas do gê­ne­ro, mas a pro­fun­di­da­de do ro­tei­ro é fas­ci­nan­te. Um fil­me de vá­ri­as nar­ra­ti­vas. Um so­nho den­tro de ou­tro so­nho. Le­o­nar­do Di­Ca­prio é um es­pião que pre­ci­sa de­ses­pe­ra­da­men­te en­fi­ar uma ideia es­tra­nha na ca­be­ça de uma pes­soa por meio de uma tec­no­lo­gia que per­mi­te a in­va­são de men­tes alhei­as.

O fil­me tem ação, ci­ên­cia, dra­ma, sus­pen­se, tem óti­mos ato­res nu­ma tra­ma pen­sa­da e exe­cu­ta­da de ma­nei­ra bri­lhan­te. Le­o­nar­do Di­Ca­prio, mais do que nun­ca, es­ban­ja ta­len­to. Aliás, eu não gos­ta­va de­le até 2002, quan­do, na mi­nha opi­nião, ele deu o gran­de sal­to de sua car­rei­ra, tor­nan­do-se um ator de pri­mei­ra li­nha em “Gan­gues de No­va York”.

Ve­ja abai­xo o trai­ler de “A ori­gem”:

De­pois de ver “A ori­gem”, na­da co­mo al­go mais cal­mo pa­ra bo­tar os ner­vos no lu­gar. “Um do­ce olhar”, ven­ce­dor do “Ur­so de Ou­ro” do Fes­ti­val de Ber­lim, é se­re­no, len­to e pro­fun­do. Mos­tra com sim­pli­ci­da­de co­mo po­dem ser ex­tra­or­di­ná­ri­as as sen­sa­ções pro­vo­ca­das pe­los sen­ti­men­tos, pe­lo amor. Nas re­giões mon­ta­nho­sas da Tur­quia, um api­cul­tor vi­ve o dra­ma de cons­ta­tar que su­as abe­lhas es­tão de­sa­pa­re­cen­do. Ele pre­ci­sa ir além, pre­ci­sa en­trar na flo­res­ta em bus­ca de no­vas col­mei­as. E seu fi­lho pas­sa a en­fren­tar seu mais ter­rí­vel pe­sa­de­lo: fi­car dis­tan­te do pai.

O fil­me não va­le ape­nas pe­la pro­du­ção mag­ní­fi­ca que re­ve­la a for­ça do amor, mas tam­bém pe­las pai­sa­gens ma­ra­vi­lho­sas e há­bi­tos do lu­gar. E pe­la in­ter­pre­ta­ção do ga­ro­ti­nho Yus­suf. Não há co­mo não se emo­ci­o­nar. Mas se vo­cê não gos­ta de fil­mes con­tem­pla­ti­vos, fi­que ape­nas com “A ori­gem”.

Ve­ja abai­xo o trai­ler de “Um do­ce olhar”:
http://www.youtube.com/watch?v=KHwjFg64LCY

Compartilhe