Impressões

Discursos de felicidade

domingo, 31 de outubro de 2010 Texto de

Dil­ma e Ser­ra de­pois de vo­ta­rem no do­min­go pe­la ma­nhã

Ou­vi os dis­cur­sos de Dil­ma e de Ser­ra após o re­sul­ta­do das elei­ções. Aliás, be­las pa­la­vras. Co­mo são bo­ni­tas as pa­la­vras quan­do elas po­dem ser di­tas de­sa­com­pa­nha­das de atos! Já di­zia um ve­lho ami­go: “o ar tu­do acei­ta, até mes­mo nos­sos pei­dos”. Mas dei­xan­do de la­do bo­ba­gens co­mo es­sa, am­bos pa­re­cem ter fa­la­do com o co­ra­ção. Olhos úmi­dos.

E as­sim, após tão bo­ni­tas pa­la­vras, con­ti­nua in­tac­ta a mi­nha im­pres­são so­bre a pro­xi­mi­da­de de idei­as e pro­pos­tas des­ses dois la­dos que se opõem na po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra.

En­quan­to Dil­ma fa­la­va co­mo ven­ce­do­ra, eu fa­zia um exer­cí­cio si­mul­tâ­neo às su­as pa­la­vras: eu ten­ta­va ima­gi­nar os mes­mos sons na bo­ca de Ser­ra. E, pa­ra mi­nha sur­pre­sa, não foi um exer­cí­cio com­pli­ca­do. Ao con­trá­rio. Pa­re­cia mes­mo que Ser­ra ha­via es­cri­to o tex­to li­do por ela (ex­cluin­do-se, cla­ro, tan­tos elo­gi­os a Lu­la – a pre­si­den­te che­gou a cha­má-lo de ge­ni­al).

De­pois, ao ou­vir Ser­ra, re­pe­ti o pro­ce­di­men­to. Ten­tei ima­gi­nar Dil­ma der­ro­ta­da len­do as mes­mas fra­ses do tu­ca­no. Mais uma vez, ex­ce­tu­an­do-se uma coi­si­nha aqui ou­tra ali, foi per­fei­ta­men­te pos­sí­vel tal ima­gi­na­ção.

O fa­to é que tu­ca­nos e pe­tis­tas es­tão mui­to pa­re­ci­dos. Não sei se as idei­as dos tu­ca­nos apro­xi­ma­ram-se dos pe­tis­tas por uma ra­zão mui­to sim­ples: Lu­la che­gou ao pa­ta­mar de be­a­to e con­tra­riá-lo se­ria lou­cu­ra. Ou se os pe­tis­tas fi­ca­ram qua­se iguais aos tu­ca­nos por ou­tra ra­zão do mes­mo mo­do não mui­to com­pli­ca­da: uma vez no po­der, tu­do mu­da por­que a es­tru­tu­ra do po­der é tão vi­ci­a­da que é im­pos­sí­vel mo­di­fi­cá-la.

E por es­ta­rem tão pa­re­ci­dos os tu­ca­nos e os pe­tis­tas, e des­se mo­do tam­bém su­as idei­as e seus dis­cur­sos, o que mais cha­mou a aten­ção du­ran­te o pri­mei­ro pro­nun­ci­a­men­to ofi­ci­al da pri­mei­ra mu­lher pre­si­den­te do Bra­sil, trans­mi­ti­do ao vi­vo pe­las emis­so­ras de te­le­vi­são, não fo­ram os dis­cur­sos, não fo­ram as pa­la­vras, não fo­ram os aplau­sos, não fo­ram os pa­pa­gai­os de pi­ra­ta que­ren­do apa­re­cer, não fo­ram os olhos úmi­dos dos can­di­da­tos, mas uma ou­tra coi­sa: Glo­bo, Ban­dei­ran­tes, Cul­tu­ra, Re­cord, Re­de TV e ou­tras emis­so­ras fo­ca­li­za­vam Dil­ma Rous­seff. Mas o SBT mos­tra­va Sil­vio San­tos. Sil­vio San­tos en­si­nan­do su­as co­le­gas de au­di­tó­rio a can­tar a mú­si­ca do Baú. “Baú, baú, da fe­li­ci­da­de; baú, baú da fe­li­ci­da­de...”

Compartilhe