Impressões

Da raiva e das acusações

quinta-feira, 28 de outubro de 2010 Texto de

Dilma e Serra num pas­sado não muito dis­tante (Foto: Agên­cia Bra­sil)

As elei­ções são re­ve­la­do­ras. Mas não ape­nas quanto aos po­lí­ti­cos. Pre­ci­sa­mente, tam­bém quanto aos sim­pa­ti­zan­tes, ca­bos elei­to­rais, par­ti­dá­rios ou, sim­ples­mente, elei­to­res. As pes­soas es­tão des­ti­lando seus ódios nas re­des so­ci­ais ou nas con­ver­sas pes­so­ais.

É cu­ri­oso ver que os elei­to­res cri­ti­cam a bai­xa­ria dos can­di­da­tos, mas em mui­tas oca­siões eles mes­mos se igua­lam aos cri­ti­ca­dos. Di­fi­cil­mente há al­guém que se ex­presse sem ata­ques rai­vo­sos aos ad­ver­sá­rios de seu can­di­dato pre­fe­rido.

Tam­bém cu­ri­o­sa­mente, mantendo-se numa po­si­ção isenta (às ve­zes, claro, é pre­ciso grande es­forço para atin­gir esse ob­je­tivo), é de se ad­mi­rar que a grande mai­o­ria dos ata­ques rai­vo­sos po­de­ria, com uma adap­ta­ção aqui ou uma ade­qua­ção ali, encaixar-se per­fei­ta­mente em qual­quer dos la­dos da dis­puta elei­to­ral.

No fim das con­tas, quanto à pos­tura, es­pe­ra­mos muito mais dos can­di­da­tos do que nós mes­mos po­de­mos ofe­re­cer.

Compartilhe