Impressões

Bem-vindo, cinema!

domingo, 15 de agosto de 2010 Texto de


Não sei por que, pen­so mui­to em pes­so­as que não ve­em fil­mes re­gu­lar­men­te. Co­mo é que se po­de vi­ver sem ci­ne­ma? Eu me lem­bro que na mi­nha in­fân­cia ir ao ci­ne­ma não era tão sim­ples. Mas quan­do acon­te­cia, era al­go in­crí­vel. Não im­por­ta­va tan­to o fil­me. En­trar na­que­le lu­gar on­de uma te­la gi­gan­te en­go­lia seus pen­sa­men­tos va­lia a pe­na de to­do jei­to.

Cla­ro que é qua­se um exa­ge­ro. Mas o ci­ne­ma é má­gi­co, eis uma ver­da­de e, por fa­vor, não me con­tes­tem. Fil­mes re­ju­ve­nes­cem. Re­vi­go­ram. Rein­te­gram.

O fil­me Bem-Vin­do, obra fran­ce­sa di­ri­gi­da por Phi­lip­pe Li­o­ret, é uma boa ilus­tra­ção do que o ci­ne­ma con­se­gue fa­zer com sim­pli­ci­da­de, sem gran­des apa­ra­tos, des­pi­do dos tão co­men­ta­dos efei­tos es­pe­ci­ais que en­can­tam e lu­di­bri­am.

A his­tó­ria, que in­clui o dra­ma da imi­gra­ção ile­gal na Fran­ça, jun­ta uma pai­xão des­truí­da pe­lo di­vór­cio a uma pai­xão ali­men­ta­da pe­lo so­nho que tor­na tu­do atin­gí­vel. Um ira­qui­a­no do Cur­dis­tão en­tre­ga-se a uma in­crí­vel aven­tu­ra em bus­ca de seu gran­de amor. Só que o Ca­nal da Man­cha os se­pa­ra. E ele quer atra­ves­sar o len­dá­rio pe­da­ço de mar a na­do.

A sen­si­bi­li­da­de com que o fil­me avan­ça é al­go to­can­te. Pa­ra quem não faz ques­tão de um mon­te de es­ti­lha­ços ex­plo­din­do no quin­tal, é uma boa pe­di­da.

Pre­ci­o­sa

Vi tam­bém “Pre­ci­o­sa – uma his­tó­ria de es­pe­ran­ça”, que ven­ceu o Os­car de atriz co­ad­ju­van­te (Mo’Nique, es­pe­ta­cu­lar!) e me­lhor ro­tei­ro adap­ta­do e te­ve ou­tras qua­tro in­di­ca­ções, in­cluin­do me­lhor fil­me, além de ter con­quis­ta­do vá­ri­os prê­mi­os im­por­tan­tes.

É um fil­me dig­no de Os­car, sem dú­vi­da. Ou tal­vez não. Por­que o Os­car nem sem­pre vai pa­ra o me­lhor. Aliás, con­si­de­rar um só fil­me co­mo me­lhor é al­go, pa­ra mim, im­pon­de­rá­vel. Não dá. Pon­to fi­nal. Mas, no fim, é pre­ci­so es­co­lher al­gum. E os nor­te-ame­ri­ca­nos ado­ram um fil­me de guer­ra. Tu­do bem, eu tam­bém gos­to. Qual­quer dia es­cre­vo so­bre es­se as­sun­to. Mas ho­je que­ro di­zer que “Pre­ci­o­sa” é me­lhor do que “Guer­ra ao ter­ror”.

Bom, cla­ro, ci­ne­ma é is­so. Pa­ra quem se dei­xa le­var por aqui­lo que sen­te, co­mo eu, não im­por­tam mui­to as ques­tões téc­ni­cas. Não ava­lio meus fil­mes sob a ri­gi­dez de cri­té­ri­os que nem bem co­nhe­ço. É o que sem­pre di­go: gos­to por is­so, não gos­to por aqui­lo. E pra mim bas­ta.

No ca­so de “Pre­ci­o­sa”, a su­pe­ra­ção e a cru­e­za es­tam­pa­das no fil­me dei­xam na po­ei­ra qual­quer cri­té­rio téc­ni­co. E vou além: tam­bém vi “Guer­ra ao ter­ror”, mas pa­rei no meio. É de uma cha­ti­ce bru­tal. Se vo­cê quer fa­zer do­cu­men­tá­rio, fa­ça do­cu­men­tá­rio. Se vo­cê quer fa­zer fic­ção, fa­ça fic­ção. Ok, quer mis­tu­rar? Mis­tu­re, mas avi­se. Sei lá co­mo. Mas não dá pa­ra ti­rar fil­me de fic­ção que pa­re­ce do­cu­men­tá­rio. Pra mim, não co­la. Não dis­cu­to com quem gos­tou de “Guer­ra ao ter­ror”. Po­de até ser um bom fil­me, mas achei, re­pi­to, mui­to cha­to.

De­pois de ver “Bem-Vin­do” e “Pre­ci­o­sa”, des­li­guei o apa­re­lho de DVD e fui to­mar a úl­ti­ma ta­ça de vi­nho ven­do TV. E nis­so, es­ta­va pas­san­do “Ra­zão e sen­si­bi­li­da­de”, que a exem­plo de “Pre­ci­o­sa” tam­bém é ba­se­a­do em li­vro. E a exem­plo de “Pre­ci­o­sa” tam­bém é ex­ce­len­te.

Compartilhe