Impressões

Ousadia alemã

domingo, 13 de junho de 2010 Texto de

En­fim, um jo­go com mais de dois gols nes­ta Co­pa: Ale­ma­nha 4 x 0 Ven­to. Ops, Ale­ma­nha 4 x 0 Aus­trá­lia. Es­tá cer­to que a Ale­ma­nha pa­re­ce ter le­va­do pa­ra a Áfri­ca um fu­te­bol me­nos qua­dra­dão se com­pa­ra­do às úl­ti­mas Co­pas. Mas o ti­me da Aus­trá­lia... Sin­to mui­to, é fra­qui­nho, fra­qui­nho.

Ven­cen­do, em­pa­tan­do ou per­den­do na pri­mei­ra ro­da­da, tan­to faz pa­ra os ale­mães. Eles sem­pre che­gam, sem­pre pre­ci­sam ser con­si­de­ra­dos fa­vo­ri­tos. As­sim co­mo a Itá­lia. Ago­ra, quan­do ven­cem e apre­sen­tam um bom fu­te­bol, co­mo o de on­tem, aí os de­mais fa­vo­ri­tos de­vem bo­tar as bar­bas de mo­lho.

Mas, quan­to ao bom fu­te­bol, é pre­ci­so es­pe­rar mais. Não sei se con­tra ad­ver­sá­ri­os mais for­tes a Ale­ma­nha vai jo­gar tão sol­ta.

Os ou­tros dois jo­gos fo­ram mui­to fra­cos. E sem­pre no 1 x 0. A cau­te­la ven­cen­do a ou­sa­dia. O me­do de fa­zer gol ven­cen­do o fu­te­bol.

Mas não veio da Áfri­ca o mai­or es­pe­tá­cu­lo do do­min­go. Veio de São Pau­lo. Da São Pau­lo Fashi­on We­ek, on­de uma mo­de­lo des­fi­lou pe­la­da­ça. Nu fron­tal to­tal. Eu não en­ten­do mui­to de mo­da, mas is­so é mo­da? Ou é mar­ke­ting?

Bra­sil fe­cha­do

Mui­ta gen­te da im­pren­sa bra­si­lei­ra es­tá bra­va por­que o Dun­ga an­da fe­chan­do qua­se to­dos os trei­nos da se­le­ção. Eu acho cu­ri­o­so o com­por­ta­men­to dos jor­na­lis­tas que vi­vem re­cla­man­do des­se ti­po de coi­sa. Al­guém gos­ta­ria de ter a im­pren­sa o tem­po to­do fil­man­do seu tra­ba­lho, seu dia-a-dia?

Não sei se o pro­ce­di­men­to as­se­gu­ra al­go à se­le­ção ou se agin­do des­se mo­do Dun­ga fa­rá com que seus jo­ga­do­res ren­dam mais, mas ele tem to­do o di­rei­to de fe­char o trei­no quan­do bem en­ten­der. E a im­pren­sa que bus­que al­ter­na­ti­vas pa­ra in­for­mar bem.

Nin­guém é obri­ga­do a abrir as por­tas pa­ra a im­pren­sa sem­pre que a im­pren­sa quer. Os jor­na­lis­tas pre­ci­sam com­pre­en­der is­so. Eles não es­tão aci­ma do bem e do mal, on­de sem­pre ten­tam se co­lo­car.

Compartilhe