Impressões

Crime e castigo

terça-feira, 20 de abril de 2010 Texto de

Rey­nal­do Big­no­ne, o úl­ti­mo di­ta­dor ar­gen­ti­no, que go­ver­nou o país en­tre 1982 e 1983, foi con­de­na­do a 25 anos de pri­são por um ras­tro de atro­ci­da­des co­me­ti­das na épo­ca da re­pres­são mi­li­tar. Até rou­bos de be­bês pin­tam a fi­cha do su­jei­to.

Ago­ra vem o as­pec­to so­bre o qual re­fli­to aqui: os cri­mes, que in­clu­em tam­bém tor­tu­ras, se­ques­tros e de­sa­pa­re­ci­men­tos de mi­lha­res de pes­so­as, fo­ram co­me­ti­dos de 1976 a 1978, quan­do Big­no­ne era che­fe de uma guar­ni­ção que tam­bém po­de­ria ser cha­ma­da de ma­ta­dou­ro de gen­te. Es­ta­mos em 2010. O car­ra tem ho­je 82 anos. Na épo­ca, con­ta­va 50. A Ar­gen­ti­na le­vou mais de meio sé­cu­lo pa­ra con­de­nar o ex-co­man­dan­te mi­li­tar e seus as­se­clas.

Nos úl­ti­mos anos, ele já ha­via si­do con­de­na­do, in­clu­si­ve pre­so. De­pois, foi in­dul­ta­do. E pre­so de no­vo. En­fim, só ago­ra a jus­ti­ça pa­re­ce es­tar sen­do fei­ta. Pa­ra quem não sa­be, o nú­me­ro de de­sa­pa­re­ci­dos po­lí­ti­cos na Ar­gen­ti­na po­de ter che­ga­do aos 30 mil. Aliás, há uma fra­se no mí­ni­mo cu­ri­o­sa do pró­prio Big­no­ne so­bre is­so: “Fa­la-se de 30 mil, mas fo­ram ape­nas 8 mil”.

Es­tá cer­to que em mui­tos ca­sos, que in­clu­em o Bra­sil, a jus­ti­ça nun­ca che­ga a ser fei­ta. Mas a pri­mei­ra im­pres­são a me ron­dar nes­se ca­so é que um ho­mem que se­ques­tra e ma­ta adul­tos e rou­ba be­bês pre­ci­sa ser pu­ni­do an­tes de es­tar com 82 anos. Ele pre­ci­sa, diz-me o san­gue bor­bu­lhan­do, ser pu­ni­do quan­do ain­da há tem­po pa­ra sen­tir na car­ne e na al­ma o pe­so de seus cri­mes.

A pe­na le­va-o a uma pe­ni­ten­ciá­ria co­mum. Pres­su­põe-se que ele não su­por­ta­rá o cas­ti­go im­pos­to. Mas há uma coi­sa na qual acre­di­to: não há bon­zi­nhos com­ple­tos; nem quem se­ja sem­pre mau. As­sim, tal­vez o es­pa­ço de tem­po não se­ja a me­lhor ré­gua pa­ra me­dir­mos a for­ça de um cas­ti­go.

Um ser hu­ma­no mui­tas ve­zes é ca­paz de sen­tir num só ins­tan­te to­da a in­ten­si­da­de de uma cul­pa di­an­te da qual nem mil anos atrás das gra­des fa­ria do­brar-se ou­tro de sua es­pé­cie.

Dos­toiévs­ki

Tal­vez o mai­or sím­bo­lo des­sa tur­bu­len­ta re­la­ção en­tre cul­pa e pu­ni­ção, per­ver­sa pa­ra a al­ma, mas que pa­re­ce se cons­ti­tuir na úni­ca saí­da pa­ra a pos­sí­vel re­den­ção do ser hu­ma­no, es­te­ja na li­te­ra­tu­ra. “Cri­me e cas­ti­go”, do rus­so Fió­dor Dos­toiévs­ki, foi pa­ra mim um dos li­vros mais im­pres­si­o­nan­tes.

No cen­tro da obra (pu­bli­ca­da em 1866, mas pa­ra sem­pre atu­al, mes­mo que ti­ves­se si­do es­cri­ta an­tes de Cris­to!) es­tá Ras­kól­ni­kov, es­tu­dan­te in­ten­sa­men­te per­se­gui­do pe­la som­bra dos cri­mes que co­me­teu. O con­fli­to mo­ral en­fren­ta­do por ele é dig­no de tê-lo trans­for­ma­do num dos mais cé­le­bres per­so­na­gens da li­te­ra­tu­ra mun­di­al.

Pa­ra nar­rar es­se ter­rí­vel dra­ma hu­ma­no, o ex­tra­or­di­ná­rio es­cri­tor con­se­guiu im­por a ten­são ner­vo­sa de uma fa­ca cu­ja ima­gem que pai­ra so­bre nos­sas ca­be­ças é o bri­lho de seu fio. Não ve­mos o ins­tru­men­to cor­tan­te e nem o te­mos em con­ta­to com nos­so cor­po, mas ape­nas seu re­fle­xo é ca­paz de es­tra­ça­lhar nos­sos ner­vos.

Aliás, a pró­pria his­tó­ria de Dos­toiévs­ki é in­crí­vel.

Con­de­na­do à mor­te por par­ti­ci­par de reu­niões sub­ver­si­vas, te­ve sua pe­na co­mu­ta­da nos úl­ti­mos mo­men­tos an­tes de ser en­for­ca­do. No lu­gar de ser mor­to, foi en­vi­a­do à Si­bé­ria, on­de pas­sou qua­se uma dé­ca­da. De lá, o au­tor le­vou pa­ra sua li­te­ra­tu­ra nu­me­ro­sos e pro­fun­dos sub­sí­di­os.

Compartilhe