Impressões

Responsabilidade

domingo, 25 de Abril de 2010 Texto de

Na ci­da­de on­de nas­ci, nu­ma épo­ca em que a emis­so­ra lo­cal já ti­nha fe­cha­do fa­zia tem­po, ha­via um ho­mem apai­xo­na­do por rá­dio que man­ti­nha um ser­vi­ço de al­to-fa­lan­te di­a­ri­a­men­te.

Em dois ho­rá­ri­os, um na par­te da ma­nhã e ou­tro à tar­de, ele abria o mi­cro­fo­ne. O equi­pa­men­to (aliás, até ho­je há um ser­vi­ço pa­re­ci­do por lá) fi­ca­va bem no cen­tro da ci­da­de. Ci­da­de pe­que­na, 17 mil ha­bi­tan­tes, por aí. Em sua mai­o­ria, a pro­gra­ma­ção in­cluía anún­ci­os do co­mér­cio. Mas ha­via tam­bém in­for­ma­ti­vos.

Nu­ma cer­ta ma­dru­ga­da, al­guns jo­vens no­tí­va­gos brin­ca­lhões re­sol­ve­ram apron­tar. Fo­ram até o lo­cal – o es­tú­dio fi­ca­va na ca­sa do ra­di­a­lis­ta – e anun­ci­a­ram que uma chu­va for­te na ca­be­cei­ra do rio que atra­ves­sa a ci­da­de ha­via pro­vo­ca­do uma cheia nas áre­as pró­xi­mas à bai­xa­da.

So­no­len­to, tal­vez de­pois de uma noi­te to­man­do umas e ou­tras, o ra­di­a­lis­ta não pen­sou du­as ve­zes: ves­ti­do co­mo es­ta­va, com um pi­ja­mão, em­pu­nhou o mi­cro­fo­ne e abriu o som do al­to-fa­lan­te.

O bo­le­tim, além da no­tí­cia so­bre a inun­da­ção, trou­xe tam­bém se­ve­ras crí­ti­cas à pre­fei­tu­ra, que, se­gun­do ele, de­ve­ria ter to­ma­do pro­vi­dên­ci­as pa­ra evi­tar a ver­da­dei­ra tra­gé­dia que a po­pu­la­ção en­fren­ta­va na­que­le mo­men­to.

Bem, fo­ra os brin­ca­lhões, tal­vez cem em ca­da cem ha­bi­tan­tes es­ti­ves­sem dor­min­do na­que­la noi­te se­ca de ve­rão em que no céu cin­ti­la­vam lon­gín­quas es­tre­las.

Pa­re­ce-me que ho­je, tal­vez trin­ta anos de­pois da pe­ri­pé­cia com o po­bre ra­di­a­lis­ta, o jor­na­lis­mo, em al­guns as­pec­tos, man­te­nha-se re­fém do que na­que­les di­as re­pre­sen­tou o ban­do de su­jei­tos que, não ten­do o que fa­zer, de­ci­di­ram que­brar a mo­no­to­nia da pe­que­na ci­da­de.

O jor­na­lis­mo atra­ves­sa uma épo­ca em que o “dis­se que” trans­for­mou-se em ca­rim­bo de res­pon­sa­bi­li­da­de. E mais que is­so: em re­cheio gor­du­ro­so que só faz mal ao tex­to.

De mo­do ge­ral, fal­tam aos jor­nais – e aqui per­mi­tam-me usar uma ima­gem do fu­te­bol – fi­gu­ras co­mo o meio-cam­pis­ta Di­di, da se­le­ção bra­si­lei­ra, que na dis­tan­te Co­pa de 1958 bo­tou a bo­la em­bai­xo do bra­ço lo­go após seu ti­me to­mar um gol e cha­mou pa­ra si a res­pon­sa­bi­li­da­de da or­ga­ni­za­ção da equi­pe.

É pre­ci­so que o jor­nal res­ga­te es­se es­pí­ri­to. O es­pí­ri­to de jor­na­lis­tas que cha­mem pa­ra si a res­pon­sa­bi­li­da­de do tex­to. Que es­cre­vam com au­to­ri­da­de. E con­si­gam trans­mi­ti-la ao lei­tor.

Palavras-chave

Compartilhe