Impressões

Era uma vez

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010 Texto de

Re­vi on­tem, em DVD, um dos fil­mes mais bri­lhan­tes da his­tó­ria do ci­ne­ma: “Era uma vez no oes­te”. É de 1969, di­ri­gi­do por Ser­gio Le­o­ne. Ve­jam a im­por­tân­cia do ro­ma­no Ser­gio Le­o­ne: en­tre ou­tras obras, ele foi di­re­tor-as­sis­ten­te de “Ben-Hur” (1959), “Quo Va­dis” (1951) e “La­drões de bi­ci­cle­tas” (1948). Di­ri­giu “Era uma vez na Amé­ri­ca” (1984), “Quan­do ex­plo­de a vin­gan­ça” (1971), “Três ho­mens em con­fli­to” (1966) – fan­tás­ti­co, eu já as­sis­ti umas cin­co ve­zes! - , “Por uns dó­la­res a mais” (1965), “Por um pu­nha­do de dó­la­res” (1964) e, cla­ro, “Era uma vez no oes­te” (1968). O fil­me tem Henry Fon­da, Clau­dia Car­di­na­le, Char­les Bron­son (sim, ele mes­mo! rs­s­ss) e Ja­son Ro­bards.

“Era uma vez...” não é ape­nas mais um fa­ro­es­te. É tam­bém uma re­fle­xão so­bre sen­ti­men­tos fun­dos que po­dem du­rar mui­to, ou até pa­ra sem­pre. É tam­bém um en­saio so­bre as trans­for­ma­ções que nos são pos­sí­veis e que mui­tas ve­zes se con­cre­ti­zam – pa­ra o bem ou pa­ra o mal.

Mi­nha co­ta­ção: mui­to bom.

Ro­bi­nho

Se ele vol­tar ao Bra­sil, pro­va­vel­men­te ao San­tos, se­rá mais uma mos­tra do fos­so fi­nan­cei­ro que se­pa­ra nos­sos clu­bes e os da Eu­ro­pa, es­pe­ci­al­men­te os da In­gla­ter­ra. Es­tá cer­to que is­so es­tá já bas­tan­te cla­ro, até pe­las di­fe­ren­ças econô­mi­cas en­tre os paí­ses. Mas, se não me en­ga­no, nun­ca hou­ve um epi­só­dio co­mo es­se. Os eu­ro­peus gas­ta­ram fá­bu­las pa­ra ter Ro­bi­nho e ago­ra (ele tem só 26 anos!) sim­ples­men­te per­mi­tem sua vol­ta ao Bra­sil, co­mo se tu­do não pas­sas­se de um dó­lar fu­ra­do.

Ve­lhi­nhos

Ain­da so­bre fu­te­bol, é im­pres­si­o­nan­te co­mo o pe­so da ida­de dos atle­tas va­ri­ou. Ro­bi­nho tem 26 anos e pos­si­vel­men­te há quem já o con­si­de­re “ve­lhi­nho”! Ho­je, os ga­ro­tos de 17 anos já es­tão com a ca­be­ça na Eu­ro­pa. Ou se­ja, no di­nhei­ro. Nem sem­pre, co­mo já fi­cou pro­va­do, tra­ta-se do me­lhor ca­mi­nho.

Tal­vez pos­sa ser fei­ta aí uma re­la­ção ra­zoá­vel com o que ocor­re nas uni­ver­si­da­des. A gran­de mai­o­ria de­las – acho que até pe­la pres­são dos no­vos pa­râ­me­tros da so­ci­e­da­de – es­tá pre­o­cu­pa­dís­si­ma em for­mar o es­tu­dan­te pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho. E mui­tas são re­al­men­te bo­as nis­so. O re­sul­ta­do é dra­má­ti­co: o ca­ra sai sa­ben­do so­bre sua pro­fis­são, mas não tem a me­nor ideia so­bre o mun­do, so­bre ele pró­prio. Sai sem uma for­ma­ção hu­ma­nís­ti­ca que o fa­ça um su­jei­to sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra seu am­bi­en­te so­ci­al.

Os ga­ro­tos que vão pa­ra a Eu­ro­pa atrás do di­nhei­ro po­dem até se dar bem fi­nan­cei­ra­men­te (em­bo­ra a mai­o­ria fra­cas­se mui­tas ve­zes nas mãos de em­pre­sá­ri­os ines­cru­pu­lo­sos), mas cor­rem o ris­co de dei­xar ir­re­me­di­a­vel­men­te per­di­da num abis­mo sem fun­do eta­pas fun­da­men­tais de sua for­ma­ção hu­ma­na.

Mas, tam­bém, quem es­tá aí pa­ra is­so?

Compartilhe