Morno | Márcio ABC

Impressões

Morno

domingo, 24 de janeiro de 2010 Texto de

Fui as­sis­tir ao no­vo fil­me de Al­mo­dó­var. Na­da que se com­pa­re aos me­lho­res mo­men­tos do gran­de ci­ne­as­ta es­pa­nhol. Mas as­sim mes­mo mui­to su­pe­ri­or à ba­ci­a­da de mes­mi­ces nor­te-ame­ri­ca­nas des­pe­ja­das nas sa­las de ci­ne­ma e tam­bém nas lo­ca­do­ras. Gas­ta-se me­nos ri­so e me­nos lá­gri­mas do que em ou­tras cri­a­ções de Al­mo­dó­var, mas ele sem­pre va­le a pe­na.

*** *** ***

Aliás, on­tem as­sis­ti em DVD ao “An­ti­cris­to”, do po­lê­mi­co Lars Von Tri­er. É for­te e cho­can­te. Tal­vez o fa­to de o di­re­tor ter re­a­li­za­do o fil­me na bus­ca de su­pe­rar uma cri­se de de­pres­são pos­sa de al­gum mo­do ex­pli­car al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas da obra. Não sou crí­ti­co de ci­ne­ma nem es­pe­ci­a­lis­ta em psi­co­lo­gia ou psi­qui­a­tria. Só sei di­zer que pra mim o fil­me é ruim.

Tam­bém as­sis­ti ao ar­gen­ti­no “XXY”, so­bre o dra­ma de um menino/menina que nas­ce com os dois se­xos. Gos­to dos fil­mes ar­gen­ti­nos. Gos­tei des­se tam­bém.

*** *** ***

Re­co­me­çou a ma­ra­to­na do fu­te­bol. Ou me­lhor, foi in­ten­si­fi­ca­da a ma­ra­to­na do fu­te­bol. Acho que há um exa­ge­ro de even­tos fu­te­bo­lís­ti­cos. To­do dia, al­gu­ma emis­so­ra de TV mos­tra jo­gos de fu­te­bol, na­ci­o­nais ou in­ter­na­ci­o­nais. Se hou­ves­se fu­te­bol ape­nas nos fins de se­ma­na ou, no má­xi­mo, às quar­tas e do­min­gos, as pes­so­as po­de­ri­am vol­tar su­as aten­ções pa­ra coi­sas mais im­por­tan­tes. Po­de­ri­am dar mais aten­ção à fa­mí­lia, aos ca­chor­ros, po­de­ri­am dis­cu­tir ques­tões ver­da­dei­ra­men­te es­sen­ci­ais ao seu co­ti­di­a­no, po­de­ri­am ler mais, po­de­ri­am ir mais ao ci­ne­ma, po­de­ri­am par­ti­ci­par de ou­tros even­tos cul­tu­rais, ar­tís­ti­cos ou mes­mo es­por­ti­vos. Mas é in­crí­vel co­mo o fu­te­bol é ca­paz de li­mi­tar o es­pa­ço e o tem­po de gran­de par­te da po­pu­la­ção. É tris­te co­mo o fu­te­bol – um es­por­te de­li­ci­o­so e apai­xo­nan­te – po­de, sob ab­sur­do exa­ge­ro, ser de­ci­si­vo pa­ra o em­bur­re­ci­men­to da so­ci­e­da­de.

Palavras-chave

Compartilhe