Contos

Formoso doutor

quinta-feira, 16 de abril de 2009 Texto de

O su­jei­to vin­do lá de ou­tras ban­das era mes­mo for­mo­so, di­zia-se aos pu­nha­dos pe­las ru­as afo­ra e pe­las ca­sas aden­tro. As mo­ci­nhas fo­ram lo­go so­nhan­do com o Ge­o­nil­do e su­as ma­dei­xas alou­ra­das, os olhos bri­lhan­tes em azul for­te, o na­riz pe­que­no, a pe­le es­ti­ca­da, os bra­ços avo­lu­ma­dos, o quei­xo nem es­trei­to nem lar­go, a es­ta­tu­ra boa, a voz ma­cia, o jei­to do­ce, bem-edu­ca­do ele. Veio pa­rar no po­vo­a­do não se sou­be de on­de, de um dia pa­ra o ou­tro, sem avi­so pré­vio, atro­pe­lan­do as co­ma­dres que tu­do vi­am e sa­bi­am, de­sa­fi­an­do os co­ro­néis a quem se pe­dia bên­ção pa­ra ajun­tar-se com os da­li, in­qui­e­tan­do os mo­ços mais rús­ti­cos do lu­gar. O Ge­o­nil­do veio e foi fi­can­do.

No ter­cei­ro dia, já ti­nha se es­ta­be­le­ci­do nu­ma por­ta que ha­via mui­to en­con­tra­va-se fe­cha­da na rua do co­mér­cio. Mo­ra­va nos fun­dos e pôs os ar­ti­gos de cou­ro pa­ra ven­da lo­go na en­tra­da, on­de tam­bém ins­ta­lou seu pe­que­no es­cri­tó­rio. Ali, pas­sa­va o dia com seus es­cri­tos, en­quan­to um me­ni­no­te con­tra­ta­do pa­ra o ser­vi­ço aten­dia aos cli­en­tes. Quem o co­nhe­ceu até aí foi só mes­mo o Ja­nuá­rio, do­no da pen­são on­de ele co­mia o al­mo­ço. O co­ro­nel An­to­nio das Amo­rei­ras in­ter­pe­lou-o a res­pei­to do fo­ras­tei­ro, mas não se acha­va de quê. Sen­ta­va-se, co­mia o pra­to que lhe ser­vi­am, to­ma­va o ca­fé e se­guia seu ru­mo, mui­to bem-edu­ca­do. Por sua vez, o co­ro­nel Am­bró­sio des­con­fi­ou. Ha­ve­ria tra­pa­ça em lu­gar de co­mér­cio. As­sim era fa­zia tem­po nos lu­ga­res ci­vi­li­za­dos. O pro­gres­so tra­zia su­as in­con­ve­ni­ên­ci­as. O lou­ri­nho te­ria su­as in­ten­ções. In­ves­ti­gou quem com­pra­va com ele. Os tes­te­mu­nhos, no en­tan­to, cons­ti­tuíam-se em con­teú­dos idên­ti­cos: o cal­ça­do do me­ni­no, o re­ben­que no­vo, o ar­reio pa­ra o ca­va­lo, na­da mais.

Ge­o­nil­do ain­da não reu­nia ami­gos. Abria seu co­mér­cio bem ce­do, e na bo­ca da noi­te fe­cha­va-lhe as por­tas. Aos do­min­gos, em ci­ma de pas­sos fir­mes, su­bia os cin­co de­graus do adro, va­ra­va por en­tre as ro­di­nhas de mo­ças e com­pa­dres e sen­ta­va-se no úl­ti­mo ban­co pa­ra ou­vir o pa­dre. Na ho­ra da co­mu­nhão, as don­ze­las pro­cu­ra­vam o mo­ço bo­ni­to lá atrás e, sem que­rer, mor­di­am a hós­tia. Saía dis­cre­ta­men­te di­re­to pa­ra os fun­dos da lo­ja, dei­xan­do atrás de si um ras­tro de olha­res.

A cu­ri­o­si­da­de cres­ceu de­pois de du­as se­ma­nas. A man­do do pre­fei­to, o pa­dre foi ave­ri­guar. Con­ver­sou, con­ver­sou, e na­da con­cluiu que pu­des­se ser es­tra­nho. O ne­gó­cio jun­ta­va pro­du­tos de cou­ro e, em seu es­cri­tó­rio, Ge­o­nil­do só mes­mo es­cre­via, em­bo­ra o que não se sou­bes­se, por tra­tar-se al­go as­sim de im­per­doá­vel bis­bi­lho­ti­ce, in­fe­riu o pa­dre.

Veio ma­tar gen­te. O co­ro­nel Lau­rin­do res­mun­gou, um tan­to in­cer­to. De­pois, cha­mou o ca­pan­ga Sen­si­so e man­dou que fi­cas­se de olho ne­le. O Sen­si­so fi­cou e não de­mo­rou a dar seu pa­re­cer: se fos­se pa­ra ma­tar gen­te, tra­zia ar­ma, o que não ha­via. Não, Ge­o­nil­do em ver­da­de não car­re­ga­va ar­ma. Não era, en­tão, ja­gun­ço me­ti­do a es­per­to, con­for­mou-se o co­ro­nel Lau­rin­do. En­tão, o que se­ria o tal Ge­o­nil­do do Cou­ro? Dou­tor da ca­pi­tal, as­sim de­ve­ria ser. Lem­brou-se, o co­ro­nel, da­que­le ou­tro, um cer­to Mo­ra­es, que abri­ra, dois ou três anos an­tes, uma bo­ti­ca. Trou­xe­ra jun­to um bo­ti­cá­rio e ele mes­mo não fa­zia na­da, se­não con­ver­sar so­bre tu­do com to­dos. Pes­qui­sa! O dou­tor Mo­ra­es ti­nha fei­to uma pes­qui­sa, re­cor­da­va-se o co­ro­nel Lau­rin­do. Pois as­sim era: o tal Ge­o­nil­do do Cou­ro era dou­tor e ain­da por ci­ma um pes­qui­sa­dor.

O bo­a­to es­pa­lhou-se de­pres­sa. Che­gou nas Amo­rei­ras e o co­ro­nel An­to­nio deu fé. Pas­sou pe­la es­tra­da de bois por on­de se­guia o co­ro­nel Am­bró­sio, e ele ges­ti­cu­lou fes­ti­vo di­an­te da boa no­va. Uma vi­si­ta no­bre, de dou­tor pes­qui­sa­dor, me­re­cia re­co­nhe­ci­men­to. Man­dou ma­tar meia dú­zia de car­nei­ros pa­ra o do­min­go, e quis que o dou­tor vi­es­se pa­ra a fes­tan­ça. Ru­mi­nan­do a ciu­mei­ra por con­ta da ini­ci­a­ti­va do co­ro­nel Am­bró­sio, tam­bém vi­e­ram os ou­tros dois co­ro­néis. As mo­ci­nhas en­fei­ta­ram-se e os ra­pa­zes es­pi­a­ram de tra­vés quan­do o Ge­o­nil­do apon­tou na por­tei­ra, ba­lan­çan­do o cor­po bem ves­ti­do em ter­no de li­nho bran­co no lom­bo do me­lhor ca­va­lo da­li, que lhe fo­ra es­pe­ci­al­men­te en­vi­a­do pe­lo an­fi­trião.

O co­ro­nel Am­bró­sio fez as hon­ras, acom­pa­nha­do dos ou­tros to­dos, e das ou­tras tam­bém. O lou­ri­nho sa­bia ser edu­ca­do. As­sim cor­reu o co­men­tá­rio no meio das car­nes e das be­bi­das. E não era exa­ge­ro ad­mi­rar sua for­mo­su­ra. As mo­ças en­tre­o­lha­vam-se de­bai­xo do re­ca­to com von­ta­de de con­fes­sa­rem tu­do a ele. Os mo­ços não ti­nham co­ra­gem de pu­xar con­ver­sa com um dou­tor. Os co­ro­néis dei­xa­vam es­ca­par ba­na­li­da­des pa­ra não caí­rem do ca­va­lo. E o Ge­o­nil­do a to­dos aten­dia com gen­ti­le­zas, mas sem­pre mui­to con­ti­do. Não pa­re­cia ser afei­to às al­ga­zar­ras, ao fa­la­tó­rio gri­ta­do ou às gar­ga­lha­das des­com­pos­tas, mui­to co­muns en­tre aque­las pes­so­as ale­gres que o re­ce­bi­am.

A cer­ta al­tu­ra, qui­se­ram sa­ber os co­ro­néis e to­das as au­to­ri­da­des ad­mi­nis­tra­ti­vas, po­lí­ti­cas e ecle­siás­ti­cas do lu­gar a quan­tas iam os ne­gó­ci­os. E, com pres­te­za, o Ge­o­nil­do res­pon­deu uma a uma as per­gun­tas, sem na­da omi­tir. Do­na Gre­gó­ria, a do­na da ca­sa, me­teu-se tam­bém na en­tre­vis­ta e foi quem lhe per­gun­tou em que mes­mo era dou­tor? Mas não, o Ge­o­nil­do res­pon­deu à boa se­nho­ra que não se tra­ta­va dis­so, de mo­do al­gum for­ma­ra-se dou­tor um dia, era só mes­mo ne­go­ci­an­te. Em vis­ta de uma sur­pre­sa des­sa mon­ta, en­go­li­ram um rio de sa­li­va to­dos eles, an­tes de re­cu­pe­ra­rem o ru­mo. E foi as­sim que o co­ro­nel Lau­rin­do, de sos­laio, con­vi­dou com um olhar seu co­le­ga An­to­nio das Amo­rei­ras, e lá fo­ra, em de­li­be­ra­ções con­ci­sas, lo­go con­cluí­ram que o co­ro­nel Am­bró­sio pre­ci­pi­ta­ra-se na re­cep­ção a um im­pos­tor.

Com a no­tí­cia es­pa­lhan­do-se pe­la fes­ta, um si­lên­cio cres­ceu en­tre os con­vi­vas. Aqui e aco­lá, o as­sun­to não era ou­tro se­não a des­co­ber­ta que do­na Gre­gó­ria fi­ze­ra há pou­co. Vi­ram do pou­co que se pre­ci­sou pa­ra des­mas­ca­rar o tal Ge­o­nil­do? A per­gun­ta, co­mo ou­tras iguais, cir­cu­la­va na bo­ca dos mo­ços res­sen­ti­dos e lo­go fez-se ou­vir en­tre a mai­o­ria que ali es­ta­va, ino­cen­te e lu­di­bri­a­da, pa­ra pres­tar uma ho­me­na­gem a um dou­tor que nem mes­mo exis­tia.

A prin­cí­pio, en­tre as mo­ças, ar­ras­tou-se um ar pe­sa­ro­so. Mas, a des­pei­to da for­mo­su­ra e da boa edu­ca­ção do Ge­o­nil­do, tam­bém en­tre elas con­fi­gu­rou-se um sen­ti­men­to de des­pre­zo. Ao her­dei­ro do co­ro­nel An­to­nio fal­ta­vam cul­tu­ra e sen­si­bi­li­da­de, mas de­cer­to não se­ria ele ca­paz de uma coi­sa des­sas. Uma dis­se as­sim, ao que a ou­tra res­pon­deu-lhe so­bre o ca­çu­la do co­ro­nel Lau­rin­do, cu­jo mo­do de tra­tar as pes­so­as, sem­pre com gros­se­ri­as, na­da mais in­di­ca­va do que sua ho­nes­ti­da­de, pois nin­guém po­de­ria en­ga­nar-se a seu res­pei­to. E as­sim, con­for­me a fes­ta se­guia seu cur­so, aque­las pes­so­as, in­cluin­do as don­ze­las, dei­xa­ram de la­do o Ge­o­nil­do que não era dou­tor coi­sís­si­ma ne­nhu­ma.

Às três da tar­de, de­bai­xo do sol bra­vo e no meio da po­ei­ra que aos pou­cos ia aver­me­lhan­do seu ter­no de li­nho bran­co, Ge­o­nil­do, a pé e so­zi­nho, to­mou a es­tra­da de vol­ta à ci­da­de. E, nas ani­ma­das con­ver­sas na ca­sa do co­ro­nel Am­bró­sio, nin­guém mais se lem­bra­va do fo­ras­tei­ro.

Palavras-chave

Compartilhe