Contos

Aquela bala de hortelã - 2

quinta-feira, 16 de abril de 2009 Texto de

Ao re­cu­pe­rar a cons­ci­ên­cia, na san­ta ca­sa de uma ci­da­de vi­zi­nha, pa­ra on­de fui le­va­do na mes­ma ho­ra em que me so­cor­re­ram du­ran­te o gran­de prê­mio, o ca­lor opri­mia-me de tal ma­nei­ra que ti­ve a ní­ti­da im­pres­são de es­tar sen­do co­zi­do pa­ra o jan­tar. Mi­nha mãe vi­gi­a­va-me e não pô­de con­ter as lá­gri­mas quan­do abri os olhos e sob a mais frá­gil das vo­zes dis­se aque­la fra­se:

- Pre­ci­so chu­par uma ba­la de hor­te­lã...

Era cu­ri­o­so, mas sem­pre fui as­sim: en­quan­to nos di­as de mui­to ca­lor os ou­tros cos­tu­ma­vam ba­nhar-se na pe­que­na ca­cho­ei­ra do re­ga­to que des­cia da ma­ta, pa­ra mim bas­ta­va ti­rar do bol­so uma ba­la ver­de de hor­te­lã e co­lo­cá-la na bo­ca. Pron­to. Uma sen­sa­ção re­fres­can­te ocu­pa­va-me e eu fi­ca­va ali, de­bai­xo dos ga­lhos ape­nas ob­ser­van­do a al­ga­zar­ra de­les den­tro da água. Sim, eu tam­bém apre­ci­a­va a água, mas de­ci­di­da­men­te o pa­la­dar já sig­ni­fi­ca­va uma es­pé­cie de con­du­tor de mi­nhas sen­sa­ções. Mi­nha mãe não car­re­ga­va con­si­go ne­nhu­ma ba­la de hor­te­lã no hos­pi­tal, e mes­mo que a ti­ves­se, cer­ta­men­te não me te­ria da­do an­tes de fa­zer o que fez: en­fi­ar o de­do na­que­la cam­pai­nha que li­ga o quar­to do pa­ci­en­te à en­fer­ma­ria. Além do mais, ela foi to­ma­da por uma gran­de sur­pre­sa ao cons­ta­tar um qua­se-mi­la­gre: mais tar­de, mui­to mais tar­de, pu­de sa­ber que as es­pe­ran­ças quan­to à mi­nha re­cu­pe­ra­ção eram mí­ni­mas.

Dei­xei o hos­pi­tal du­as se­ma­nas de­pois de cum­prir uma via cru­cis de exa­mes e de fi­car na fa­mo­sa ob­ser­va­ção, em que a úl­ti­ma coi­sa que há é qual­quer ob­ser­va­ção, a não ser dos seus pa­ren­tes e ami­gos que vão vi­si­tá-lo. Cla­ro, o mé­di­co au­to­ri­zou que eu chu­pas­se quan­tas ba­las de hor­te­lã fos­sem-me pos­sí­veis. Quan­do a ci­da­de­zi­nha de Mi­ran­te Nor­te sou­be de meu re­tor­no, não hou­ve dú­vi­das: o “qua­se” foi ex­tir­pa­do do ter­mo que usei há pou­co, per­ma­ne­cen­do so­be­ra­no e in­dis­cu­tí­vel o “mi­la­gre”. Por al­gu­mas se­ma­nas, até que a po­ei­ra bai­xas­se, tor­nei-me uma cer­ta ce­le­bri­da­de. E foi até en­gra­ça­do, pois mui­ta gen­te le­vou ao pé da le­tra os co­men­tá­ri­os so­bre a re­cu­pe­ra­ção mi­ra­cu­lo­sa e, tal­vez obe­de­cen­do in­cons­ci­en­te­men­te a uma mar­ca pró­pria da­que­les anos ses­sen­ta, al­guns mo­ra­do­res, não ape­nas cri­an­ças, mas tam­bém adul­tos, pas­sa­ram a se­guir-me em al­guns há­bi­tos. Por exem­plo, quan­do sou­be­ram que meu pri­mei­ro de­se­jo ao acor­dar foi chu­par uma ba­la de hor­te­lã, cor­re­ram ao bar pa­ra es­to­car o pro­du­to que de­ve­ri­am con­su­mir em no­me de uma boa sor­te. Se eu usa­va um bo­né cor de abó­bo­ra, as ru­as tin­gi­am-se des­se tom por um cer­to tem­po. Na es­co­la, eu po­dia mes­mo re­cei­tar que ti­po de ca­ne­ta ou ca­der­no meus co­le­gas de­ve­ri­am usar no de­cor­rer da­que­le ano.

E quan­to a es­sa par­te da his­tó­ria, acon­te­ceu al­go inu­si­ta­do. Num cer­to dia, fui com­prar ba­las de hor­te­lã no bar mais pró­xi­mo de mi­nha ca­sa e elas ti­nham aca­ba­do. Só no mês que vem, quan­do che­gar a pró­xi­ma re­mes­sa, dis­se-me o seu Ar­geu. Tu­do bem, ha­via ou­tros ba­res e tam­bém dois ar­ma­zéns. Per­cor­ri to­da Mi­ran­te Nor­te, e na­da. Os es­to­ques de ba­las de hor­te­lã es­ta­vam es­go­ta­dos. Des­se mo­do, pa­rei de chu­pá-las, e per­ce­bi que meus co­le­gas e to­dos os ou­tros as­sim tam­bém agi­ram. Não sei que fim ti­ve­ram tan­tas ba­las nos es­to­ques ca­sei­ros, mas de­pois, quan­do che­gou a no­va re­mes­sa, o ve­rão já aca­ba­ra e o fri­o­zi­nho do ou­to­no re­que­ria uma boa ba­la de ca­ne­la.

De pou­co em pou­co, dei­xei de ser o do­no das aten­ções. A ci­da­de es­que­ceu-se do mi­la­gre e vol­tou-se ao seu sos­se­ga­do co­ti­di­a­no. E nós apro­vei­ta­mos pa­ra re­to­mar nos­sos gran­des prê­mi­os. Mas, na mi­nha ca­be­ça, além de uma ra­zoá­vel ci­ca­triz e de umas do­res que, em­bo­ra de­ca­den­tes, ain­da in­co­mo­da­vam-me às ve­zes, uma in­qui­e­ta­ção to­ma­va cor­po: a lem­bran­ça de Ho­me­ro e de sua mãe, o me­ni­no com as mãos co­brin­do o ros­to, aque­las pa­la­vras: po­bre­zi­nho, ma­mãe, que tom­bo feio!

Compartilhe