Aquela bala de hortelã - 3 | Márcio ABC

Contos

Aquela bala de hortelã - 3

sexta-feira, 17 de abril de 2009 Texto de

Eli­sa. Es­se é o no­me da ir­mã mais ve­lha de Ho­me­ro. Na­que­le ano que se ini­ci­a­va, es­tu­da­ría­mos na mes­ma clas­se de pri­mei­ra sé­rie gi­na­si­al. En­gra­ça­do re­cor­dar-me dis­to, mas eu ja­mais ha­via re­pa­ra­do ne­la. Se­ria a ida­de? Na­que­la épo­ca, es­tá­va­mos mais pre­o­cu­pa­dos com mui­tas ou­tras coi­sas an­tes de pen­sar­mos em ga­ro­tas. Se­ria a rou­pa de gi­na­si­a­na: saia um pou­co aci­ma dos jo­e­lhos, com pre­gas que en­cor­pa­vam quem a ves­tis­se, além de uma blu­sa bran­ca que, fo­fa, em­pres­ta­va às me­ni­nas uma co­no­ta­ção de qua­se-mu­lher? Não sei di­zer o que se­ria, mas quan­do a vi sen­ta­da no pá­tio à es­pe­ra da au­la, chu­pei se­gui­da­men­te um pa­co­te in­tei­ro de ba­las de hor­te­lã.

Mi­nhas per­nas tre­me­ram no jan­tar da­que­la noi­te quan­do, à me­sa, eu dis­se a ma­mãe e pa­pai que Eli­sa es­tu­da­va na mi­nha clas­se. Eles en­tre­o­lha­ram-se de ma­nei­ra es­tra­nha e de­pois, em si­lên­cio, não con­se­gui­ram dis­far­çar cer­to incô­mo­do. Ao meu la­do, mi­nha ir­mã Hel­ga fez, em meio às gar­fa­das, um co­men­tá­rio cu­jas con­seqüên­ci­as só ser­vi­ram pa­ra pi­o­rar as coi­sas:

- Ela es­tá mui­to so­zi­nha es­te ano...

Hel­ga é dois anos mais ve­lha do que eu e a ma­nei­ra co­mo se ex­pres­sou so­bre Eli­sa foi sin­to­má­ti­ca, cra­van­do no ar um olhar de co­mi­se­ra­ção. Eu sa­bia que ha­via al­go er­ra­do, mas não po­dia in­ter­pe­lar mi­nha ir­mã ali, na fren­te de meus pais, cu­jas re­a­ções sus­ci­ta­das pe­la sim­ples men­ção ao no­me de Eli­sa apre­sen­ta­ram um ar de ta­ma­nho des­con­for­to. Até o fim do jan­tar, não se fa­lou mais so­bre o as­sun­to. Tão lo­go Hel­ga su­biu pa­ra o quar­to, eu pu­de en­tão pe­dir-lhe al­gu­mas ex­pli­ca­ções.

Mi­nha ir­mã sem­pre foi mui­to dis­cre­ta. Na­que­la épo­ca, ela con­ta­va ca­tor­ze anos, mas já pa­re­cia ser uma mo­ça de de­zoi­to por seu com­por­ta­men­to só­brio e não afei­to a cri­an­ci­ces. Em­bo­ra de iní­cio ela te­nha me cu­tu­ca­do so­bre o re­pen­ti­no in­te­res­se por Eli­sa, já sus­pei­tan­do de meus sen­ti­men­tos, co­la­bo­rou con­for­me mi­nhas in­ten­ções. Ex­pli­cou-me que des­de o ca­sa­men­to da se­nho­ra Ma­da­le­na com o re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al Da­mião Faus­to, o que a tor­nou se­nho­ra Wan­der, em ra­zão do so­bre­no­me de­le, os mo­ra­do­res de Mi­ran­te Nor­te pas­sa­ram a afas­tar-se aos pou­cos de sua con­vi­vên­cia. Na ca­be­ça de mi­nha ir­mã, a ra­zão pa­ra is­so era que a se­nho­ra Wan­der es­pe­ra­ra mui­to pou­co tem­po pa­ra aban­do­nar a viu­vez e ca­sar-se no­va­men­te.

Ha­via, con­tu­do, ou­tro mo­ti­vo, es­te sim de­ci­si­vo pa­ra que o iso­la­men­to da se­nho­ra Wan­der cres­ces­se a ca­da dia: o tal Da­mião Faus­to era vis­to com re­ser­vas pe­la so­ci­e­da­de mi­ran­ti­na. Nin­guém sa­bia ao cer­to o que ele ven­dia e pa­ra qual em­pre­sa tra­ba­lha­va. Além dis­so, pa­ra alar­gar ain­da mais a an­ti­pa­tia ge­ral, Da­mião Faus­to ti­nha si­do, há coi­sa de seis ou se­te me­ses, res­pon­sá­vel di­re­to pe­la mor­te do jo­vem pro­fes­sor Hil­de­bran­do, fi­lho do fa­zen­dei­ro To­ni­co For­tes, um dos ho­mens mais ri­cos de Mi­ran­te Nor­te. Re­su­mi­da­men­te, o aci­den­te deu-se as­sim: nu­ma ma­dru­ga­da, Hil­de­bran­do dei­xa­va o clu­be so­ci­al, cu­ja se­de lo­ca­li­za­va-se bem na en­tra­da da ci­da­de, quan­do Da­mião Faus­to apon­tou com seu au­to­mó­vel em al­ta ve­lo­ci­da­de pa­ra os pa­drões da épo­ca. A rua es­ta­va de­ser­ta e cho­via mui­to. Da­mião Faus­to não pa­rou e o pro­fes­sor mor­reu ali mes­mo, com a bo­ca va­zan­do san­gue nos pa­ra­le­le­pí­pe­dos. No ou­tro dia, Da­mião Faus­to ale­gou não ter per­ce­bi­do o atro­pe­la­men­to em meio ao agua­cei­ro, mes­mo que o pá­ra-cho­que de seu car­ro es­ti­ves­se to­do amas­sa­do. Bem, o fa­to é que mis­te­ri­o­sa­men­te ele foi jul­ga­do e con­si­de­ra­do ino­cen­te. Com is­so, a ci­da­de, in­cluin­do é cla­ro o fa­zen­dei­ro To­ni­co For­tes, nun­ca se con­for­mou.

Es­sas in­for­ma­ções eu as ob­ti­ve com mi­nha mãe. Ló­gi­co que os de­ta­lhes só che­ga­ram ao meu co­nhe­ci­men­to mui­to mais tar­de, mas gros­so mo­do da­va pa­ra com­pre­en­der por que sem­pre vi­ra­vam a ca­ra pa­ra a po­bre se­nho­ra Wan­der e, de que­bra, pa­ra seus fi­lhos, Ho­me­ro e Eli­sa.

As se­ma­nas da­que­le no­vo ano cor­re­ram fei­to lou­cas e, com o tem­po e a aju­da de Hel­ga, pu­de fa­zer ami­za­de com Eli­sa. No in­ter­va­lo das au­las, sem­pre chu­pá­va­mos mui­tas ba­las de hor­te­lã. Meu Deus, eu nem me lem­bra­va mais das his­tó­ri­as a res­pei­to do Da­mião Faus­to, tal era o meu de­se­jo de per­ma­ne­cer ao la­do de­la. Um dia, to­mei co­ra­gem e pe­di à mi­nha mãe pa­ra que me au­to­ri­zas­se a fa­zer a li­ção de ca­sa com ela, mas a res­pos­ta foi ne­ga­ti­va. Ló­gi­co, fui as­sim mes­mo. A se­nho­ra Wan­der, que qua­se sem­pre en­con­tra­va-se so­zi­nha com Ho­me­ro e a fi­lha, pois o ma­ri­do vi­a­ja­va cons­tan­te­men­te, pas­sou a con­si­de­rar-me mui­to. Po­bre­zi­nha, em to­das as ve­zes que lá es­ti­ve na­que­les ou­to­no, in­ver­no e co­me­ço de pri­ma­ve­ra de 1962, acho que pre­sen­ci­ei ape­nas a vi­si­ta de uma ou du­as pes­so­as, as­sim mes­mo uma sen­do sua pa­ren­te de ou­tra ci­da­de.

As­sim, en­quan­to meus ami­gos acha­vam que eu es­ta­va em ca­sa es­tu­dan­do, e mi­nha mãe pen­sa­va que eu ha­via saí­do com meus ami­gos, um ou dois di­as por se­ma­na eu sem­pre da­va um jei­to de ir ver Eli­sa. Com es­sa freqüên­cia, foi im­pos­sí­vel não per­ce­ber al­gu­mas si­tu­a­ções es­tra­nhas pro­vo­ca­das pe­lo so­tur­no Ho­me­ro. Em­bo­ra eu não pu­des­se com­pre­en­der exa­ta­men­te o que se pas­sa­va, por­que eu e Eli­sa es­tu­dá­va­mos lon­ge de­le, era al­go per­cep­tí­vel o es­for­ço da se­nho­ra Wan­der pa­ra dis­far­çar cer­tas re­a­ções do fi­lho, pro­cu­ran­do des­fa­zer até mes­mo o cons­tran­gi­men­to que eu des­co­bria nos olhos de mi­nha ami­ga.

Nu­ma oca­sião, es­tá­va­mos com os li­vros aber­tos no es­cri­tó­rio de Da­mião Faus­to, quan­do ou­vi­mos o cho­ro co­pi­o­so de Ho­me­ro em seu quar­to. Eli­sa cor­reu pa­ra lá, en­quan­to eu, tal­vez por res­pei­to a al­go que ima­gi­na­va cons­tran­ge­dor pa­ra a fa­mí­lia, per­ma­ne­ci ali, qui­e­to, ape­nas ou­vin­do o me­ni­no la­men­tar:

- Po­bre­zi­nha da vo­vó, po­bre­zi­nha da vo­vó...

De­mo­rei so­men­te al­guns se­gun­dos pa­ra en­ten­der que Ho­me­ro pos­suía uma es­pé­cie de sex­to sen­ti­do. Da­li a pou­co, en­quan­to a se­nho­ra Wan­der con­so­la­va o fi­lho, o te­le­fo­ne pre­to to­cou na sa­la. Do ou­tro la­do da li­nha, co­mu­ni­ca­ram a mor­te da avó de Eli­sa. En­far­te.

Compartilhe