Impressões

Palavras inteiras; braço forte

terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009 Texto de

Sem­pre ti­ve di­fi­cul­da­des com sim­bo­lo­gi­as, men­sa­gens ci­fra­das, coi­sas su­bli­mi­na­res e por aí vai. Pra mim, o di­to po­pu­lar “meia pa­la­vra bas­ta” não ser­ve. Eu gos­to mes­mo de pa­la­vras in­tei­ras, de men­sa­gens ex­plí­ci­tas, de cla­re­za. Às ve­zes, che­go a in­co­mo­dar com es­te meu ví­cio: “o que is­to sig­ni­fi­ca?”, “o que vo­cê quer di­zer?”

Tal­vez por is­so, mi­nha pa­ci­ên­cia com po­lí­ti­cos ob­tu­sos es­tá es­go­ta­da. Em ple­no sé­cu­lo 21, das co­mu­ni­ca­ções, das tec­no­lo­gi­as, das in­va­sões de pri­va­ci­da­de, da di­ta­du­ra de tan­tos “Gran­des Ir­mãos” es­con­di­dos atrás de câ­me­ras de te­le­vi­são, de gram­pos te­lefô­ni­cos, de má­qui­nas fo­to­grá­fi­cas im­pla­cá­veis, de olha­res per­se­gui­do­res, em ple­no sé­cu­lo 21, ain­da há pes­so­as que ten­tam se es­con­der. E o pi­or: são ho­mens pú­bli­cos, que ja­mais de­ve­ri­am he­si­tar.

Meu pró­xi­mo vo­to vá­li­do, que, in­fe­liz­men­te, não sei mais quan­do da­rei, se­rá em al­guém cu­jas ca­rac­te­rís­ti­cas dis­pen­sem es­con­de­ri­jos, he­si­ta­ções e mei­as pa­la­vras. Não dá mais pa­ra acei­tar cer­tas fra­que­zas ou, se qui­se­rem, fa­lhas de ca­rá­ter em ho­ra er­ra­da. O su­jei­to tem a vi­da in­tei­ra pa­ra cair em ten­ta­ção. Quan­do es­tá no po­der pú­bli­co, quan­do a co­mu­ni­da­de de­pen­de de­le, es­se di­rei­to ex­pi­ra. É quan­do ele pre­ci­sa ser for­te. Ou, no mí­ni­mo, cair fo­ra.

Compartilhe