Colaboradores

Afogado em números - Texto de Otávio Nunes

quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2009 Texto de

Es­ta his­to­ri­nha idi­o­ta co­me­çou quan­do tro­quei de car­ro. Na ne­go­ci­a­ção com o ven­de­dor, dei meu veí­cu­lo ve­lho co­mo en­tra­da e com­ple­tei o res­tan­te com mi­nhas eco­no­mi­as. Saí to­do fe­liz da vi­da ao vo­lan­te do meu car­ro no­vo, em­bo­ra usa­do. Lo­go de­pois pa­rei no pos­to pa­ra co­lo­car ga­so­li­na, pois as lo­jas têm o cos­tu­me bes­ta de ven­der car­ro com pouquís­si­mo com­bus­tí­vel. Apro­vei­tei pa­ra pe­dir ao fren­tis­ta que tam­bém ve­ri­fi­cas­se os ní­veis de óleo e água e ca­li­bras­se os pneus. Ao le­van­tar-me pa­ra pa­gar pe­lo ser­vi­ço, no­tei en­tão a pla­ca do meu no­vo car­ro e le­vei um sus­to. Os nú­me­ros eram iguais aos do meu au­to­mó­vel an­te­ri­or, na mes­ma or­dem. As le­tras, não, cla­ro. Se fos­se tu­do igual se­ria um clo­ne, o que é ile­gal. Meu Deus, que coin­ci­dên­cia, pen­sei co­mi­go. Aque­les qua­tro nú­me­ros, ne­nhum re­pe­ti­do, co­me­ça­ram a mo­di­fi­car mi­nha vi­da. Qua­se to­do dia apos­ta­va a mi­lhar no jo­go do bi­cho, bem co­mo as cen­te­nas e as de­ze­nas for­ma­das pe­los qua­tro nú­me­ros. Os di­as em que não con­se­guia jo­gar fi­ca­va com pe­so de cons­ci­ên­cia: “Se­rá que vão dar meus nú­me­ros jus­ta­men­te ho­je que não apos­tei?” Ca­da vez que pas­sa­va em fren­te a uma lo­té­ri­ca fa­zia tam­bém apos­tas nas di­ver­sas lo­te­ri­as de nú­me­ros. E ain­da fi­ca­va olhan­do pa­ra as lo­te­ri­as de bi­lhe­tes a pro­cu­ra do meu nú­me­ro. A neu­ro­se era tão gran­de que às ve­zes ten­ta­va en­con­trar meu nú­me­ro em ru­as e ave­ni­das lon­gas so­men­te pa­ra ver que ti­po de re­si­dên­cia ou co­mér­cio fun­ci­o­na­va no lo­cal. Olha­va tam­bém pla­cas de ou­tros car­ros co­mo se fos­se pos­sí­vel achar mais uma igual a mi­nha. Por me­do ou ver­go­nha, não ou­sei con­tar a nin­guém so­bre a coin­ci­dên­cia das pla­cas, Mi­nha mu­lher e meu fi­lho nem no­ta­ram o fa­to. Ela, sem­pre dis­traí­da, e ele, mui­to pe­que­no pa­ra en­ten­der. No en­tan­to, quan­do saíam co­mi­go, eles vi­am al­go de es­qui­si­to em mim , mes­mo sem sa­ber da mi­nha pa­ra­nóia com os qua­tro nú­me­ros. “O que vo­cê tan­to olha nas ru­as, que­ri­do?”, per­gun­ta­va ela. “Pai, o se­nhor pa­re­ce ner­vo­so”, ob­ser­va­va meu fi­lho. Dor­min­do ou acor­da­do, vi­via a so­nhar com os nú­me­ros. A ca­da dia mi­nha fi­xa­ção cres­cia. Apos­ta­va em tu­do, pro­cu­ra­va pe­los nú­me­ros em to­do lu­gar. Ras­cu­nha­va os al­ga­ris­mos em mi­nha me­sa de tra­ba­lho. Já es­ta­va dan­do na vis­ta. Um de meus co­le­gas de tra­ba­lho di­zia: “No­va­men­te, vo­cê e seus nú­me­ros. Es­tá es­tu­dan­do ma­te­má­ti­ca?” Até que ele ti­nha ra­zão. Es­ta­va mes­mo es­tu­dan­do aná­li­se com­bi­na­tó­ria pe­la in­ter­net. “Meu Deus, on­de che­ga­rei com es­ta ma­nia?”, ques­ti­o­na­va. Cer­to do­min­go, en­quan­to al­mo­ça­va, for­mei os nú­me­ros no pra­to com fi­os de ma­car­rão. An­te o olhar de sur­pre­sa de mi­nha mu­lher, des­fiz o hor­ro­ro­so ar­ran­jo. No vi­dro em­po­ei­ra­do do meu car­ro, de­se­nhei os nú­me­ros. Na praia, es­cre­via os qua­tro na areia, co­mo um An­chi­e­ta ma­lu­co. To­das as mi­nhas se­nhas, de ban­co, in­ter­net, com­pu­ta­dor e ou­tras, eram for­ma­das pe­los al­ga­ris­mos, mes­mo quan­do ti­nha mais de qua­tro. Pen­sei em tro­car no­va­men­te de car­ro pa­ra me li­vrar da mal­di­ção dos nú­me­ros. Mas se tro­cas­se se­ria por ou­tro mais ve­lho, pois não ti­nha mais eco­no­mi­as, pois to­do di­nhei­ro que so­bra­va ia nas in­ter­mi­ná­veis apos­tas. E não ga­nha­va na­da. Mi­nha su­pers­ti­ção nos nú­me­ros era um fra­cas­so to­tal, uma to­li­ce sem igual. Po­rém, não ti­nha for­ças psi­co­ló­gi­cas pa­ra rom­per de­fi­ni­ti­va­men­te com aque­la pra­ga. Num do­min­go pe­la ma­nhã, quan­do vol­ta­va so­zi­nho da ca­sa de mi­nha mãe, pe­guei in­ten­ci­o­nal­men­te um ca­mi­nho di­fe­ren­te, por uma ave­ni­da lon­ga. Iria ro­dar mui­to mais, gas­tar mais ga­so­li­na, so­men­te pa­ra pro­cu­rar meu nú­me­ro na­que­la ave­ni­da. E en­con­trei. Era um bo­te­co. Pa­rei em fren­te e apro­vei­tei pa­ra to­mar uma ca­cha­ça, no in­tui­to de abrir o ape­ti­te pa­ra o ma­car­rão de mi­nha mu­lher. De­pois que be­bi a pin­ga, os nú­me­ros apa­re­ce­ram na mi­nha fren­te, dan­çan­do. Ora pa­re­ci­am ves­ti­dos com ca­mi­sas flo­ri­das, de tu­ris­ta ame­ri­ca­no no Ha­vaí, ora de ne­gro ou de bran­co, co­mo pais-de-san­to. Os qua­tro can­ta­vam e zom­ba­vam da mi­nha ca­ra. Sen­ti-me um idi­o­ta com­ple­to. Ner­vo­so, ba­lan­cei a ca­be­ça, es­pan­tei os en­gra­ça­di­nhos e vol­tei pa­ra ca­sa, com uma ideia re­so­lu­ta. Te­ria de rom­per to­tal­men­te com aque­les al­ga­ris­mos in­gra­tos. Tan­to fiz por eles, usei-os em tu­do, fiz de­les a ra­zão da mi­nha vi­da e em tro­ca de tan­ta con­si­de­ra­ção me apron­tam es­te pa­pe­lão? Re­du­zem-me a na­da. “Che­ga. Che­ga. Bas­ta. Já me can­sei de ser es­cra­vo de vo­cês”, gri­tei bem al­to, den­tro do car­ro. Era no­va­men­te um ho­mem li­vre. No dia se­guin­te, se­gun­da-fei­ra, pen­sei mais uma vez so­bre o rom­pi­men­to de­fi­ni­ti­vo com meus qua­tro ex-ami­gos e achei que se­ria de bom al­vi­tre dar mais uma chan­ce a eles. Fa­ria uma só apos­ta, com a mi­lhar, no jo­go do bi­cho. Se per­des­se, co­mo era de se es­pe­rar, te­ria a pro­va de­fi­ni­ti­va que aque­les qua­tro só me tra­zi­am azar, re­al­men­te. De­pois, tro­ca­ria de car­ro, mes­mo por um mais ve­lho, mu­da­ria mi­nhas se­nhas, pa­ra­ria de apos­tar. En­fim, es­que­ce­ria de­fi­ni­ti­va­men­te aque­les im­be­cis. E não é que a mi­nha mi­lhar deu no pri­mei­ro prê­mio do bi­cho? Ga­nhei um di­nhei­ro ra­zoá­vel, o su­fi­ci­en­te pa­ra tro­car de car­ro e pe­gar ou­tro mais no­vo. Mas con­fes­so abes­ta­lha­do que es­tou em dú­vi­da. Não sei se rom­po com meus nú­me­ros. A não ser que eu en­con­tre ou­tro car­ro com os mes­mos, no­va­men­te.

E-mail: otanunes@gmail.com

Palavras-chave

Compartilhe