Contos

Combate ao tráfico

sexta-feira, 26 de setembro de 2008 Texto de

Os ho­mens do ba­ta­lhão de com­ba­te ao trá­fi­co vas­cu­lha­ram o pe­que­no so­bra­do. O de­te­tor in­te­li­gen­te per­cor­reu ca­da can­to da cons­tru­ção ins­ta­la­da num bair­ro da cha­ma­da ne­o­clas­se mé­dia, sem na­da en­con­trar. Den­tro de seus uni­for­mes de fi­bra fle­xí­vel de aço e mu­ni­dos com as tra­di­ci­o­nais pis­to­las a la­ser, os sol­da­dos apre­sen­ta­ram-se ao co­man­do. A ope­ra­ção fra­cas­sa­ra, ao me­nos até ali, com os mé­to­dos le­ga­li­za­dos. O Ca­pi­tão As­sí­ria deu-lhes or­dem pa­ra des­can­sar, e eles sa­bi­am dos pro­ce­di­men­tos a se­rem ado­ta­dos a par­tir da­que­le mo­men­to.

O co­man­dan­te era um su­jei­to ro­bus­to, a pe­le da fa­ce ró­sea e pro­fun­da­men­te sul­ca­da, ver­da­dei­ras cra­te­ras abri­am-se nas ma­çãs do ros­to de bar­ba bem fei­ta. En­cai­xa­va-se, por as­sim di­zer, na fac­ção mais ar­bi­trá­ria do exér­ci­to. Co­mo ele mes­mo di­zia, às ve­zes era pre­ci­so re­sol­ver as coi­sas de seu jei­to. Mas tam­bém di­ri­gia sua ba­te­ria li­nha du­ra em ou­tras di­re­ções, alhei­as à es­fe­ra mi­li­tar.

O há­bi­to se­cu­lar de in­ver­são de no­mes mas­cu­li­nos e fe­mi­ni­nos, por exem­plo, o in­cen­di­a­va nas dis­cus­sões do Con­se­lho Cons­ti­tuin­te, do qual fa­zia par­te há qua­se uma dé­ca­da. E ou­tras re­sis­tên­ci­as ao com­por­ta­men­to da ne­o­so­ci­e­da­de tam­bém com­pu­nham seu per­fil com­ba­ti­vo às trans­for­ma­ções da na­ção.

Dois pro­je­tos de lei de sua au­to­ria tra­mi­ta­vam no Con­se­lho. Um de­les con­ce­dia aos Ca­pi­tães de Cin­co Es­tre­las, co­mo ele, to­tal au­to­ri­da­de pa­ra usar a for­ça no com­ba­te ao trá­fi­co. O ou­tro proi­bia ter­mi­nan­te­men­te bei­jos ou qual­quer ca­ri­nho pú­bli­co en­tre pes­so­as do mes­mo se­xo. Am­bos en­fren­ta­vam re­sis­tên­cia por mo­ti­vos se­me­lhan­tes: e os ho­mens e mu­lhe­res do exér­ci­to, co­mo fi­ca­ri­am? No so­bra­do, ser­vi­ço pe­la me­ta­de, na­da de trá­fi­co ain­da, As­sí­ria pôs o que­pe so­bre a me­sa e vol­tou-se ao Jú­lia, um en­ge­nhei­ro quí­mi­co de meia-ida­de di­vor­ci­a­do, do­no da ca­sa:

- Bem, meu ca­ro, aqui es­ta­mos nós, exa­ta­men­te no iní­cio, no mes­mo pon­to de par­ti­da. O se­nhor pô­de ver o tra­ba­lho dos sol­da­dos e a ação frus­tra­da do nos­so de­te­tor. Re­al­men­te, a tec­no­lo­gia nun­ca se­rá per­fei­ta, não é? O ho­mem, prin­ci­pal­men­te o ho­mem que se jul­ga es­per­to, co­mo o se­nhor, sem­pre en­con­tra­rá ma­nei­ras de dri­blar o po­de­rio tec­no­ló­gi­co pa­ra atin­gir seus ob­je­ti­vos es­cu­sos.

O ca­pi­tão fez uma bre­ve pau­sa, um si­lên­cio ri­go­ro­sa­men­te trei­na­do pa­ra su­as mis­sões de com­ba­te ao trá­fi­co, co­mo quem de­se­ja trans­mi­tir ao in­ter­lo­cu­tor a gra­vi­da­de da si­tu­a­ção. De­pois, con­ti­nu­ou:

- O se­nhor tem, ob­vi­a­men­te, um ra­zoá­vel grau de co­nhe­ci­men­to. Po­de ima­gi­nar as con­seqüên­ci­as de seus atos. Não quer mes­mo fa­ci­li­tar as coi­sas pa­ra nós to­dos? O go­ver­no com­pre­en­de cer­tas fra­que­zas dos ci­da­dãos e, com sa­be­do­ria, uti­li­za a dis­po­si­ção de co­la­bo­rar de­mons­tra­da pe­los cri­mi­no­sos. Na ho­ra de jul­gá-los, es­se es­pí­ri­to de co­la­bo­ra­ção ser­ve co­mo ate­nu­an­te. O se­nhor não de­ve pen­sar nis­so?

Jú­lia, mir­ra­do e le­ve­men­te cal­vo, se­pa­ra­ra-se da mu­lher, com quem ti­nha dois fi­lhos, há qua­se um ano. O prin­ci­pal mo­ti­vo do rom­pi­men­to fo­ra a mi­li­tân­cia po­lí­ti­ca do en­ge­nhei­ro. Ele par­ti­ci­pa­va das ações de um dos par­ti­dos jo­ga­dos na clan­des­ti­ni­da­de pe­lo ne­o­go­ver­no. As pres­sões e as ame­a­ças co­ti­di­a­nas es­tra­ça­lha­ram qual­quer pos­si­bi­li­da­de de uma re­la­ção es­tá­vel. Sen­ta­do, com as mãos al­ge­ma­das à ca­dei­ra, Jú­lia, na ver­da­de, gos­ta­ria de po­der agra­de­cer ao ca­pi­tão por ele não ter vin­do an­tes. En­fren­tá-lo so­zi­nho, com a fa­mí­lia dis­tan­te, cer­ta­men­te se­ria mais fá­cil.

Aliás, es­sa con­ten­da, na vi­são de Jú­lia, aca­ba­ria mui­to rá­pi­do. Por uma ques­tão ide­o­ló­gi­ca, ele ja­mais se en­tre­ga­ria por von­ta­de es­pon­tâ­nea. Co­nhe­cia o pro­ce­di­men­to co­mum em oca­siões as­sim: os sol­da­dos lhe apli­ca­ri­am a in­je­ção e ele con­ta­ria tu­do – on­de es­ta­va o pro­du­to do trá­fi­co, co­mo o con­se­gui­ra e mais o que qui­ses­sem sa­ber. Em ra­zão de seus pró­pri­os co­nhe­ci­men­tos ci­en­tí­fi­cos, não lhe era di­fí­cil cons­ta­tar que nin­guém se­ria ca­paz de li­dar com aque­la in­ven­ção di­a­bó­li­ca. O com­pos­to quí­mi­co pe­ne­tra­va na men­te hu­ma­na e a tor­na­va re­fém de seu in­ter­lo­cu­tor. Va­mos em fren­te, se­nhor ca­pi­tão. Te­ve von­ta­de de di­zer-lhe al­go as­sim, mas con­te­ve-se a tem­po. Qual­quer pa­la­vra fo­ra de ho­ra po­de­ria ser usa­da con­tra ele num even­tu­al jul­ga­men­to. Ca­lou-se, por­tan­to.

Di­an­te de­le, o im­pas­sí­vel As­sí­ria le­van­tou-se e fez um si­nal aos três sol­da­dos. Eles se apro­xi­ma­ram, en­quan­to o ca­pi­tão, mais uma vez, di­ri­giu-se a Jú­lia:

- O se­nhor de­ve en­ten­der mi­nha po­si­ção, mas não pos­so com­pac­tu­ar com cer­tas ati­tu­des.

Jú­lia viu quan­do os ho­mens abri­ram a ma­le­ta e re­ti­ra­ram de lá as pe­ças que pas­sa­ram a aco­plar. As­sí­ria olhou-o de sos­laio e, pe­la pri­mei­ra vez nas du­as ho­ras em que es­ta­vam no so­bra­do, es­bo­çou um va­go sor­ri­so, re­com­pon­do-se em se­gui­da:

- Eu po­de­ria pe­dir a um de meus ho­mens que lhe in­je­tas­se o lí­qui­do, mas, o se­nhor sa­be, é pre­ci­so eco­no­mi­zar sem­pre que pos­sí­vel, e de­vo con­fes­sar tam­bém que pre­fi­ro os mé­to­dos dos an­ti­gos.

O en­ge­nhei­ro quí­mi­co foi amor­da­ça­do e des­pi­do. Os ho­mens, en­tão, o pen­du­ra­ram no pau-de-ara­ra. As­sí­ria sen­tou-se bem atrás de­le:

- O se­nhor é quem sa­be, não é mes­mo?

Jú­lia fi­ta­va-o, de pon­ta-ca­be­ça, com re­sig­na­ção. De­ci­diu en­ca­rá-lo o quan­to pu­des­se. Acha­va que as­sim cons­tran­ge­ria o por­ten­to­so ca­pi­tão. Mas, não. Lo­go foi-lhe per­cep­tí­vel a fi­si­o­no­mia nos­tál­gi­ca do mi­li­tar. As­sí­ria ob­ser­va­va o apa­re­lho com olhos ena­mo­ra­dos:

- Quem di­ria? Quem di­ria que o ve­lho pau-de-ara­ra vol­ta­ria a ser efi­caz em ple­no sé­cu­lo XXII, con­cor­ren­do com tan­tos ins­tru­men­tos de avan­ça­da tec­no­lo­gia? Meu ca­ro en­ge­nhei­ro, o se­nhor é um ci­en­tis­ta. Sai­ba que, com to­da nos­sa tec­no­lo­gia, não so­mos na­da per­to dos an­ti­gos. Quan­to mais avan­ça nos­sa tec­no­lo­gia, mais de­mons­tra­mos a ca­pa­ci­da­de dos an­ti­gos. Com mui­to pou­co, eles fa­zi­am tan­to.

Quan­do aca­bou sua bre­ve fi­lo­so­fia, man­dou os ho­mens tra­ba­lha­rem. Jú­lia su­por­tou bra­va­men­te as atro­ci­da­des du­ran­te meia ho­ra. Pa­ra sua com­plei­ção, a re­sis­tên­cia sur­pre­en­deu mes­mo a As­sí­ria, que a ca­da gol­pe ou cho­que, mais ad­mi­ra­va seu opo­nen­te. De­ve­mos res­pei­tar o ad­ver­sá­rio, cos­tu­ma­va di­zer o ca­pi­tão a seus sol­da­dos. O en­ge­nhei­ro deu-se por ven­ci­do quan­do sen­tiu no ânus ex­pos­to o bi­co de um fu­nil. Pis­cou for­te­men­te du­as ve­zes, co­mo lhe ori­en­ta­ra As­sí­ria, ca­so de­se­jas­se fa­lar. Um dos sol­da­dos, en­tão, re­ti­rou-lhe a mor­da­ça. Es­ta­va sem fô­le­go, es­for­çan­do-se pa­ra não cho­rar de dor e de me­do. Aos pou­cos, res­pi­rou e os mi­li­ta­res ou­vi­ram sua voz agu­da:

- Se is­so fos­se uma di­ver­são, eu di­ria que vo­cês são in­ves­ti­ga­do­res in­com­pe­ten­tes.

As­sí­ria gar­ga­lhou, co­mo se es­ti­ves­se re­a­li­za­do, le­van­tan­do-se e apro­xi­man­do-se do pau-de-ara­ra:

- O se­nhor es­tá du­as ve­zes equi­vo­ca­do, meu ca­ro en­ge­nhei­ro. Du­as ve­zes...

Ao di­zer “du­as ve­zes”, cur­vou-se um pou­co so­bre a ca­be­ça de Jú­lia, mos­tran­do-lhe dois de­dos, qua­se mes­mo ro­çan­do-lhe os pê­los pre­tos nos olhos, pa­ra afas­tar-se ra­pi­da­men­te dois ou três pas­sos:

- Vou di­zer ao se­nhor por que du­as ve­zes...

E nis­so, no­va­men­te es­te­ve bem per­to do pau-de-ara­ra, com os de­dos das mãos es­ti­ra­dos per­to da fa­ce de Jú­lia, pro­nun­ci­an­do com sar­cas­mo “du­as ve­zes”, ir­ri­tan­do o tor­tu­ra­do:

- Uma: is­to é uma di­ver­são. Ao me­nos pa­ra mim, as­sim o é. Gos­to do meu tra­ba­lho. Vo­cê nun­ca leu al­go as­sim na­que­les li­vros idi­o­tas de mo­ti­va­ção do sé­cu­lo pas­sa­do? Lá, eles di­zem que vo­cê de­ve cum­prir sua jor­na­da co­mo se fos­se uma óti­ma di­ver­são. É o que eu es­tou fa­zen­do, com­pre­en­de?

En­quan­to ex­pli­cou a Jú­lia o pri­mei­ro equí­vo­co, o ca­pi­tão man­te­ve ape­nas o in­di­ca­dor em ris­te. De­pois, er­gueu ou­tro:

- Du­as: nós não so­mos in­ves­ti­ga­do­res. So­mos opres­so­res. Não vi­e­mos in­ves­ti­gar. Vi­e­mos opri­mir. A opres­são, em ca­sos co­mo o do se­nhor, pro­por­ci­o­na um ex­ce­len­te re­sul­ta­do. Por exem­plo, ago­ra mes­mo o se­nhor vai di­zer a es­tes in­com­pe­ten­tes on­de es­tá o pro­du­to tra­fi­ca­do.

An­tes que Jú­lia to­mas­se fô­le­go, o ca­pi­tão ain­da te­ve tem­po de sor­rir com iro­nia e ba­lan­çar o fu­nil em sua di­re­ção:

- Ou o se­nhor pre­fe­re co­nhe­cer nos­sas re­ais com­pe­tên­ci­as?

A ca­be­ça de Jú­lia re­ti­nha boa par­te do san­gue de seu cor­po. So­ma­do à ten­são e ago­ra ao ódio, um es­ta­do de tor­por in­va­diu-lhe por com­ple­to. Di­an­te de si, a vi­são tor­nou-se em­ba­ça­da. Ape­nas os den­tes gran­des do ca­pi­tão eram-lhe per­cep­tí­veis, os den­tes gran­des dis­pos­tos num sor­ri­so ma­qui­a­vé­li­co, a su­pre­ma­cia co­var­de de seu opo­si­tor. Quan­do ia abrir a bo­ca pa­ra di­zer o pa­ra­dei­ro do trá­fi­co, fe­chou-a. Per­deu os sen­ti­dos e só re­cu­pe­rou-os de­pois de ser re­ti­ra­do do pau-de-ara­ra e dei­ta­do ao chão.

Quan­do abriu os olhos, lá es­ta­vam bem di­an­te de­le as ma­çãs ró­se­as es­bu­ra­ca­das de As­sí­ria, no­va­men­te com o fu­nil à mão, com olhos de quem mos­tra­va-se dis­pos­to a tu­do. Com di­fi­cul­da­de, Jú­lia pro­cu­rou sen­tar-se, en­cos­tan­do-se a um ar­má­rio. Os cin­co es­ta­vam no an­dar tér­reo do so­bra­do, sob a es­ca­da re­ta que le­va­va ao pi­so su­pe­ri­or. O ca­pi­tão, num ti­que de im­pa­ci­ên­cia, ba­tia le­ve­men­te o fu­nil no cor­ri­mão. Ba­tia le­ve­men­te e em se­gui­da, mais for­te, aper­ce­ben­do-se de al­go, al­go que re­ge­lou o res­to de san­gue nas vei­as de Jú­lia. En­fim, As­sí­ria des­co­bri­ra. O cor­ri­mão fo­ra cons­truí­do com ca­nos de ra­zoá­vel di­â­me­tro. Os ca­nos ocos e blin­da­dos pa­ra im­pe­dir a ação dos de­te­to­res in­te­li­gen­tes ser­vi­am de re­ci­pi­en­tes ao trá­fi­co. O ca­pi­tão olhou Jú­lia e abriu um sor­ri­so, des­ta vez ape­nas sa­tis­fei­to:

- Vo­cê po­de­ria ter fa­ci­li­ta­do, meu ca­ro. Ve­ja no que deu. Vo­cê per­de tu­do: seu trá­fi­co e sua li­ber­da­de.

Ves­tin­do ou­tra vez o que­pe, or­de­nou aos sol­da­dos a re­mo­ção dos ca­nos. Eram vá­ri­os, um in­ter­li­ga­do ao ou­tro. E re­al­men­te lá es­ta­va o pro­du­to do trá­fi­co, mas As­sí­ria sur­pre­en­deu-se:

- Não pos­so acre­di­tar! Só is­so, se­nho­res?

Os in­for­man­tes dos mi­li­ta­res ti­nham ga­ran­ti­do “coi­sa gran­de”, mas co­mo ha­via pou­co! Cer­ta­men­te, ape­nas pa­ra con­su­mo pró­prio, cons­ta­tou As­sí­ria:

- Não pos­so ne­gar que es­tou de­cep­ci­o­na­do, meu ca­ro en­ge­nhei­ro, não pos­so ne­gar. Bem, co­mo di­zem por aí, nem tu­do po­de ser per­fei­to.

Sem qual­quer ce­rimô­nia, di­an­te de Jú­lia e dos três sol­da­dos, o Ca­pi­tão de Cin­co Es­tre­las As­sí­ria An­ta­res Fi­lho sen­tou-se à me­sa de vi­dro, no cen­tro da sa­la, e sim­ples­men­te con­su­miu o pro­du­to do trá­fi­co: uma gar­ra­fa de água mi­ne­ral de qui­nhen­tos mi­li­li­tros. Aban­do­nou ain­da um fun­do pa­ra seus ho­mens di­vi­di­rem em dois ou três go­les ca­da. De­pois dis­so, jun­ta­ram os apa­re­lhos e fo­ram em­bo­ra, dei­xan­do Jú­lia a lam­ber seus lá­bi­os mo­lha­dos de san­gue, lí­qui­do que, ao con­trá­rio da água lim­pa, bro­ta abun­dan­te das ru­as bra­vi­as des­te ne­o­tem­po.

Palavras-chave

Compartilhe